Everything changes

Mais um lindo dia de sol aqui em Viamão. E eu, em meu quarto, toda cheia de ematomas do tombo da escada.
Ah, eu não contei pra você? Pois é, caí da escada, de novo. Graças a Deus, estou bem, só alguns roxos e o corpo doendo, but, anyway...
Aqui está a foto da escada assassina:



Caí do segundo degrau (de cima pra baixo). Como consegui essa proeza de novo? Vai ver que meus pés não se acostumam com o chão, vai ver é porque ando com a cabeça nas nuvens, vai saber...

Passada a revolta dos últimos dias, estou bem, obrigada. De tempos em tempos eu fico assim, com vontade de sumir, de largar tudo, não me importar com mais nada.
Por isso fiz o blog. Enquanto escrevo minhas revoltas aqui, não faço mal a ninguém. É melhor assim.

Fim de ano, e a gente, que tem consciência, começa a fazer o balanço da vida. Não sei quanto a vocês, mas eu adoro parar pra pensar por horas e horas nas minhas atitudes. Porque, crianças, elas podem mudar o mundo. Exagero demais ao dizer "o mundo"? Ao menos o mundinho de cada um, sim.

Quando nos damos conta das nossas atitudes, podemos mudá-las, ou continuar da mesma forma. A escolha é nossa. Mudanças são boas, mas dão medo. Não tenho medo de mudar, tenho medo do que vou encontrar nessa mudança. Isso assusta, apavora. Mas é um medo bom, de certa forma.

Não digo pra você mudar apenas por causa do fim do ano, chegada de um novo, não. Mude pra si mesmo. O tempo é relativo, pra mim, tanto faz 2010, 2011, 2012, etc... Pra mim é tudo a mesma coisa. A única coisa que me anima no fim do ano é escolher uma nova agenda, com aquele cheirinho de papel novo, hum...
Então eu começo o ano prometendo escrever nela sempre, e quando termina o ano, ela tá ali, vazia. É incrível minha preguiça de estragar aquelas páginas lindinhas com palavras sem sentido.




Vontade de ver meus amigos com mais frequência. Vontade de ficar ali com eles, só "não conversando". Saudade que me dá de quando eu era pequena e o mundo parecia tão simples aos meus olhos. Saudades.
Mas tudo muda, e por mais que a gente não queira aceitar, nós mudamos também. Não são somente nossos amigos que mudam, nós também passamos por várias transformações ao longo dos anos, algumas tão drásticas que nunca se volta a ser o que era. Só em alguns momentos relapsos, uma vez que outra.

Vou virar uma amiga pegajosa agora. Vou mesmo. Vou tentar ser mais próxima das pessoas que eu gosto, quem sabe eu não me torno uma garota melhor, hum?

(Mia acha que é uma boa amiga)

0 comentários:

Postar um comentário

 
Wink .187 tons de frio.