Thunderbolt and lightening very very frightening me

Era mais um lindo dia naquela cidade. Um jovem casal fazia um cooper pela calçada do calmo subúrbio. Todos estavam felizes: as crianças brincavam, o jovem casal corria, a senhora do fim da rua cuidava de suas plantas e os passarinhos se alimentavam das migalhas dos jardins naquela vizinhança.
Aquele parecia ser um lindo dia, como tantos outros; tinha tudo para ser promissor. Ninguém poderia imaginar o mal que estava prestes a chegar, ninguém.

Mas então, inesperadamente, algo aconteceu: era um furacão que vinha em uma rapidez tremenda contra aquele subúrbio. De repente tudo ficou escuro. As pessoas ficaram atônitas: correram para suas casas, pegaram mantimentos mais que depressa, reuniram sua família e se esconderam nos porões. Pensando estarem a salvos, eles ali permaneceram, até que o furacão tivesse ido embora. Mas nem todos tiveram a sorte de se esconder.

O casal que praticava seu cooper matinal, por exemplo, não teve oportunidade para tal. Eles estavam longe de casa, e nenhum vizinho se arriscaria a os abrigar dentro de suas casas. Não, ninguém pôde os ajudar. Eles correram o mais rápido que puderam, entraram em uma garagem e se trancaram dentro de um carro que lá estava. O furacão chegou, arrancando tudo por onde passava, nada podia resistir a ele, nem mesmo aquela garagem onde estava abrigado aquele jovem casal. Depois das paredes destruídas, o carro começou a balançar de um lado para outro. O casal começou a fazer uma oração: quem sabe Deus não os ouvisse e os poupasse de tamanha tragédia?

De repente, a madeira de uma cerca da vizinhança voou em direção aquele carro, atravessando o vidro e causando um ferimento no rapaz. A garota não sabia o que fazer, ficou completamente desesperada. Não, ele não havia morrido, mas estava desmaiado. Ela viu seu companheiro sangrando, desacordado, viu toda a destruição daquele local. Viu as casas de seus amigos serem despedaçadas, juntamente com suas vidas. Ela não conseguia chorar, apesar da vontade que tinha ser essa. Tamanho foi o trauma que ela ficou em choque.

Mas então, o dia começou a clarear novamente e o barulho quase que ensurdecedor daquele furacão já havia passado. A garota, mais que depressa, foi pedir ajuda para alguém que tivesse sobrevivido naquela vizinhança. Encontrou algumas pessoas, se reuniram e foram imediatamente para o hospital da cidade. Chegando lá, seu companheiro foi um dos primeiros a serem atendidos. Quando conseguiram o acordar, ele pediu pela garota. Ela foi até ele, e ele, com uma voz embargada, disse:
- O médico disse que podem haver danos permanentes na minha visão, por causa da batida daquela cerca contra minha cabeça.
- Quer dizer que você está cego?
- Sim, querida, infelizmente sim.

Houve uma pausa na conversa. A respiração da garota começou a ficar ofegante e aquele silêncio dela parecia corroer a alma do pobre rapaz.
- Você ainda vai querer ficar comigo agora que estou cego? - disse ele.
Ela pegou a mão dele, cuidadosamente, e disse:
- Eu sempre vou estar do seu lado para cuidar de você. Agora descanse, que tudo passa.

Tragédias, elas acontecem na vida de todo mundo. Umas vem e destroem tudo o que um dia construímos, outras deixam feridas na alma. Mas o que todas tem em comum é que eles sempre trazem a chance de um recomeço na vida de quem foi atingido. 

6 comentários

  1. Tuas palavras sempre tem o poder de encantar. Adorei a história, e essa imagem perfeeeeeeeita. *-*

    ResponderExcluir
  2. Nossa que lindo, belo texto. Parabéns !

    ResponderExcluir
  3. ótimo conto menina.
    as tragédias realmente nos possibilitam um recomeço, mas desde que sejamos forte para tentar supera-las.
    ótimo texto.

    ResponderExcluir
  4. a última frase do texto ficou perfeita!

    parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  5. bah, existem coisas nessa vida que estão fora do nosso controle, simplesmente. Alguns chamam de destino, acaso, sorte..seja lá o que for, ela tem o poder de trazer uma brisa de fim de tarde assim como umas tempestade...E quando não estamos preparados pra nenhuma das duas elas nos acertam em cheio.

    Historia muito bem escrita garota. Continue assim.
    Abraço e sucesso.

    ResponderExcluir
  6. Juliane - Obrigada, querida. Mas saiba que o elogio é recíproco ao que escreves também. (:

    Além dos Quinze - Obrigada, meu bem.

    Gabriele - Verdade, nós precisamos ser fortes para superar as dificuldades de uma tragédia. Pena que nem todas as pessoas conseguem isso.

    Italo - Obrigada, querido!

    Kobayashi - Na verdade, o que pensamos que temos sob controle em nossas vidas na maior parte das vezes não passa de uma ilusão. Às vezes achamos que estamos no controle e com um piscar de olhos, tudo se transforma, sem ninguém fazer nada para que isso acontecesse. Que bom que gostou do texto. (:

    Bjo, povo! (:

    ResponderExcluir