Inverno do coração

Um vazio. Uma vontade de não sei o quê. Uma incerteza da vida. Uma pergunta sem resposta. "Viver não dói" - repete a mente a cada dia. Será? Será que viver é isso? Passar pela vida sem ser percebido não é uma experiência que quero ter. A vida é muito curta para ser vivida no tédio.
Quero ser alguém simples. Quero ser algo bonito, poético e completo. Quero falar sobre amor, paz e um chá de fim de tarde. Mas será que dá para ser tão simples assim? Não posso mudar minha essência. Não posso mudar quem eu sou. E nesse meio de cultura inacabada acabo nem aceitando quem eu sou e nem conseguindo mudar para o que quero ser. Porque é complexo demais, é coisa demais, é vazio demais. E não dá para passar do demais para o simples como quem lava o rosto e tira a maquiagem.

Como quem vai para uma festa e se transforma; volta para a casa, passa um desmaquilante, coloca um pijama e vira simples de novo. Não dá. As coisas são mais complexas que isso.
E em todo esse vazio ainda busco dentro de mim uma palavra que mude tudo, algo que faça sentido, algo que transforme as coisas e que tire todo esse tédio. Porque eu me acostumei. Me acostumei a mistérios, acostumei a ser eu. E agora que quero ser simples não consigo. Não dá. É inviável.

Acho que é assim que se fica após uma pancada atrás da outra - frio, sem sentir mais nada. O corpo já está tão anestesiado de tantas batidas que nem sente nada mais. Nem dor, nem amor, nem solidão, nem companhia. Nada. Um grande e inigualável nada. Um abismo. Uma ilusão. Será que é assim que se cresce? Duvido muito.
Mas eu não desisti. Sei que lá na frente tem algo bom para mim. E se mesmo assim eu falhar e cair, sei que Deus é quem está no comando de todas as coisas e essa fase vazia vai passar. Tudo passa. É só um inverno, - repito para mim mesma todos os dias - apenas mais um inverno. Inverno no coração.

Vai ter sonho, vai ter realidade, vai ter mudança, vai ter paisagem; terá amor, terá a flor recém desabrochada no sertão. Quis a calma, quis a tranquilidade - e consegui. Mas nunca imaginei que para ser calma teria de abdicar de meu sentir. Quem sabe eu ainda não volto a ser o que era? Quem sabe um dia?
E que Deus me ajude para que eu me levante novamente. E mais uma vez digo aos céus - amém - que assim seja.

8 comentários:

  1. Belo texto.
    Falei um pouco sobre esse tédio na minha última postagem, em como ele incomoda.
    É bem melhor sentir coisas de mais do que não sentir nada.

    http://pinguimongol.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Gostei daqui, e gostei muito mais do que li. To te seguindo.

    ResponderExcluir
  3. Muito lindo seu texto. Me sinto do mesmo jeito, por incrivel que pareça. Parece que você tem tudo, mais ta faltando algo, o mais importante e você não sabe o que é, e tambem não encontra em lugar algum. Mas temos que continuar ...

    ResponderExcluir
  4. Queo texto lindo, Mia. Você sabe expressar muito bem os seus sentimentos. As vezes, quando caio em um blog com textos tão bons, fico pensando como tem grandes escritores(as) que ainda estão anônimos. É incrível a quantidade. rs

    Beijo
    http://www.garotasdizem.com/

    ResponderExcluir
  5. Mia, eu estou cheia de coisas, mas no finde eu passo aqui e leio tudinho, ok florzinha? *-*
    Obrigada pelo comentário.
    Beijos e se cuida.

    webcalcinha.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Não sei se foi bem isso que você quis escrever, mas vamos lá:
    "Me vi um pouco neste texto. Quão pertubador é saber que o mundo se produz para algo que dura minutos ou poucas horas. Vejo nossa juventude, eu estou junto com ela, que culpa seus pais pelos problemas, que culpa as condições socias, que culpa todos menos a si. Que eu saiba nossos avós morreram ou sofreram muito para que estivessemos aqui vivos para ver um mundo novo, evoluido esteticamente e só... Acho que ser humano ainda está enterrado por aí, porque dentro dos corpos existe só egos egoístas".

    ResponderExcluir
  7. Muito bom!
    Eu costumo dizer que quando escrevo, estou fazendo a minha terapi e as pessoas que leêm, são sem saber ou cobrar, os meus terapeutas.
    Adorei e estou "te seguindo" rs
    Maria Fernanda Garcia
    http://www.diterca.blogspot.com/

    ResponderExcluir

 
Wink .187 tons de frio.