Robotizada

Não sou um robô. Mas gostaria de ser. Gostaria de ter metade da frieza que as pessoas dizem que eu tenho. Se eu fosse um robô e não tivesse um coração que bombeia sangue, não precisaria me preocupar com minha arritmia, meus sentimentos e nem com essa nostalgia que me visita toda a noite.
Se eu fosse um robô não seria tão difícil ignorar as pessoas que me fazem mal, cortar relações e seguir em frente. Se eu fosse feita de metal nunca me preocuparia com o que os outros sentem quando eu falo algo que é verdade.

Não teria problemas com esse sangue que corre em minhas veias, com essas vontades que me levam à loucura, com esse amor desregrado e com essa consciência que precisa estar tranquila. Se fosse um robô nunca associaria músicas a pessoas e não teria problema em ouvi-las quando essas pessoas me decepcionassem. Aliás, nunca me decepcionaria: seria apenas razão, ciência exata, meticulosidade. Nada poderia me afetar (a não ser um curto circuito).

Sem dores, sem amores, sem emoções, sem sofrimentos.
Mas eu não sou um robô. Sinto coisas que não sei expressar; coisas tortas, coisas ininteligíveis. Prometo que farei um esforço: quem sabe não ganho uma liga metálica? De metal, então, seria.

Boxhead2_large

12 comentários

  1. Eu também gostaria dessa capacidade. Aí poderia seguir aquela frase que sempre repito à mim mesma: quanto menos a expectativa menor a decepção.

    ResponderExcluir
  2. Eu queria muito ser um robô, não ter sentimentos que as vezes me machucam tanto, para ignorar aquela pessoa que me faz chorar.

    Felizmente ou infelizmente, temos corações. E talvez tê-lo é uma grande beleza.

    http://iasmincruz.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Quem dera se todos fossemos frios, sem emoções, sem o coração acelerados, sem sentimentos desnecessários -na verdade, necessários-, seria bom se não tivéssemos desejos, não sentíssemos. Mais sentimos, desejamos, somos românticas e...sofremos. Sorte dos robôs!
    http://senhoritaliberdade.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Às vezes também queria ser um robô... Mas aí algo de muito bom acontece e a vontade passa. Talvez seja coisa de momento e não há nada mais humano que isso, né? :)
    Adorei o texto.
    Beijos,
    Bruna
    http://confesionesenpalabras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Adorei seu texto! Seria bom sermos robôs de vez em quando: quando estamos chateadas e com raiva. Tristes e nervosas... Mas imagine só não poder ter a alegria de viver dentro de nós? Olhando por este lado, seria um tédio ser um robô!


    Beijinhos,
    www.primeiro-livro.com

    ResponderExcluir
  6. gostei do seu blog e me identifiquei bastante com esse texto...
    quando você tiver um tempinho, passa no meu tb?
    bjsss

    ResponderExcluir
  7. Também já coloquei seu blog nas minhas parcerias, beijos ! http://myalienromance.blogspot.com/p/outras-parcerias.html

    ResponderExcluir
  8. Gostei bastante desse texto,de verdade.

    ResponderExcluir
  9. Ahhh, quem não gostaria de ser um pedaço robô?! Só pra evitar certos pensamentos, certos sentimentos...

    ResponderExcluir
  10. Olá Wink, gostei do seu blog, já estou te seguino alguns dias amiga segue o meu lá, beijos.

    ResponderExcluir
  11. Own, Mia. Acho que também compartilho desse desejo, de não sentir, pois tudo seria exato e lógico. :/

    ResponderExcluir
  12. As vezes eu também penso assim, pode ser mais fácil. Mas também penso em tudo o que eu perderia, todas as sensações boas. Alguns sentimentos são "ruins", muitas vezes difíceis, mas necessários :/
    http://www.dinhacavalcante.com/

    ResponderExcluir