Seja uma cópia de si mesmo

Minha mãe acha que eu me exponho demais para o povo em geral. E não apenas na internet. Sou o tipo de pessoa que fala o que pensa, o que sente e que não dá a mínima pra o que os outros vão dizer sobre mim. Também sou conhecida por fazer comentários aleatórios (mas cheios de conteúdos interessantes, ao menos para mim) em meio a conversas "normais". Tenho a síndrome do too much information e falo às pessoas coisas que para mim são normais, mas que as chocam de certa forma.

Não conheço ninguém que se exponha tanto quanto eu. Ninguém. Parece que as pessoas vivem atormentadas por esse medo de serem julgadas se expuserem o que realmente pensam ou quem realmente são, e eu realmente não entendo isso. Se todos querem se expressar então por que esse medo da repressão? O máximo que pode acontecer na vida é você morrer, e você realmente quer morrer se sentindo culpada e reprimida por nunca ter enfrentado seus medos e ter feito que realmente gostaria de fazer?

Não estou dizendo para sair fazendo loucuras por aí - hey, people, tenham juízo independente de serem jovens ou não - mas estou dizendo que se fechar dentro de uma concha só vai fazer com que você se torne um fantasma de si mesmo. Só vai fazer com que vocês sejam um reflexo borrado de tudo aquilo que sempre imaginaram para si próprios.
Demorei muito, mas muito tempo pra me aceitar do jeito que eu sou e perceber que não era eu o problema, mas sim a minha falta de coragem pra assumir os riscos e as consequências de quem eu sou. E posso dizer que após fazer isso, minha vida mudou completamente: hoje estou muito mais feliz, 16 kgs mais magra (em 6 meses!), com um blog que eu amo e leitores que são mais do que leitores - são amigos, um namorado lindo que me ama do jeito que eu sou e que eu amo muito, uma família muito mais equilibrada e esperança de um futuro real e harmonioso.

Muitas pessoas me falam que me admiram muito por eu não me importar com o que os outros dirão a meu respeito e apenas ser eu mesma. Mas eu fico imaginando o quê as impede de fazer a mesma coisa. Ser você mesmo não dói. Sim, é difícil aguentar a pressão e ir na contramão da sociedade, mas não é impossível. E o melhor de tudo: no meio do caminho, se você expressar o que realmente quer e quem realmente é, achará pessoas que compartilham dos mesmos sentimentos que você e que irão lhe ajudar a realizar seus sonhos.

Pensem nisso, com carinho. Não é fácil, mas é algo muito gratificante. Viver em paz consigo mesmo te traz o gosto da vitória até mesmo quando você cai por correr atrás dos seus sonhos. Ou como Billy Joel canta em Vienna: "Mas você sabe que quando a verdade é dita, você pode conseguir o que quer ou pode apenas crescer. Sonhe, mas não pense que todos seus sonhos se realizarão. Quando você perceberá que Vienna espera por você?"

Mia Sodré estava sentindo falta desses textos sobre comportamento.

20 comentários:

  1. Precisava ler isso, eu sempre fui muito de me fechar ás coisas e pessoas, só me 'abria' realmente para os mais íntimos dos íntimos, e só eles me conhecem de verdade. Mas ser eu mesma e mais extrovertida de uma certa forma com os outros não vai me arrancar pedaço não é?! Deixar as pessoas me conhecerem melhor, de verdade também não.

    Ótimo texto :}
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. adorei.
    há um medo intrínseco em alguns de nós de sermos rejeitados, o que nos leva a nos enquadrar a padrões da sociedade com medo de assumirmos quem somos em decorrência da rejeição.
    é um medo que precisa ser superado diariamente. parabéns pra ti que superou isso tudo.

    ResponderExcluir
  3. Que lição de moral, hein, Mia.
    Bela coisa que você faz.
    Nunca me importei com o que os outros pensam, afinal... eles pensam, eu tenho que me importar com o que eu penso e com o que eu faço com o que penso.

    Isso aí.
    Eu quero ir nesse encontro gaúcho, como lidar? rs

    ResponderExcluir
  4. Que texto liindo Mia, adorei. Antes do CPV surgir eu era assim, tinha medo de mostrar o que realmente era. Hoje, posso dizer que sou uma pessoa verdadeira. Alguns não gostaram de conhecer meu novo eu e sumiram, mas estou finalmente feliz.
    Beiijos e obrigado por passar no CPV:)
    http://cartasp-voce.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Sempre tento mudar, expressar o que sinto mas acabo na mesma... Esse texto me incentivou e inspirou pra ser quem realmente sou. Vai que dessa vez dá certo? haha
    Beijos!!
    rascunho-errado.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Falar o que pensamos é importante, principalmente quando "dominamos" o assunto... Mas nem sempre podemos fazer isso... Depende do local, das pessoas...e, as vezes, é preciso "medir" palavras.

    ResponderExcluir
  7. É muito difícil ser umapessoa com essa personalidade tão marcante , pois cedo ou tarde acaba entrando em choque com os outros , masé fascinante com certeza ...

    http://andyantunes.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Mia. Amei teu texto e me peguei (outra vez) me julgando sobre minha falta de coragem em certos aspectos. Com o tempo eu estou me sentindo mais retraída. Converso numa boa, mas antes, eu costumava ser direta e impor mais minha opinião em todos os assuntos. Talvez eu ainda seja meio assim, mas me perdi um pouco na caminhada.
    Amei o texto. E obg (:

    ResponderExcluir
  9. Como sempre eu amei o seu texto e admiro sua coragem e a sua postura, Mia. É difícil tomar essa iniciativa mas quando é tomada, dá um certo alívio não é? Todos deveriam experimentar essa sensação, rs. Beijos
    http://primeirapessoa-dosingular.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. "Demorei muito, mas muito tempo pra me aceitar do jeito que eu sou e perceber que não era eu o problema, mas sim a minha falta de coragem pra assumir os riscos e as consequências de quem eu sou."

    É essa coragem que ainda falta pra que eu me torne mais 'eu mesmo.' Ainda tenho essa dificuldade em preocupar-me com o que as pessoas vão falar de mim. Até porque não é fácil ser julgado, o julgar é sempre mais cômodo. Quero poder perder o meu medo. Eu já tenho uma personalidade marcante, sou eu mesmo, mas talvez não seja 100%.

    Gostei muito do seu texto. Vim aqui porque o título me chamou a atenção e não me arrependi.

    ResponderExcluir
  11. A contrabalança da exposição é a capacidade de absorver as opiniões alheias -leia-se críticas- consequentes. Porque a pilha é grande e a gente geralmente não gosta de ser criticado.
    Escrevi sobre isso também. Se quiser ler:
    http://texticuloscronicos.blogspot.com/2012/01/descomplicando.html

    Beijo!

    ResponderExcluir
  12. Nem preciso falar que me identifiquei muito.
    As vezes da um medo de ser você mesma, porque as pessoas não te aceitam, não conseguem entender que é seu jeito e ponto, elas acham que temos que ser todos iguais e isso nos pressiona a tentar ser.
    Acho que você me fez refletir sobre, e quem sabe, ser mais "aberta" do que eu sou '-'
    Amei :)
    http://www.senhoritaliberdade.com/

    ResponderExcluir
  13. Oi Mia, é incrível como o mundo(virtual) ás vezes é pequeno. Eu te sigo no tumblr, e por acaso pesquisando sobre ciganos(longa história) eu vim parar no seu blog. Te reconheci pela foto, mas o nome e o sobrenome confirmou.Você escreve muito bem ,e claro que eu vou te seguir aqui também,beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre ciganos? Ai caramba, como é que isso foi relacionado ao meu blog? :p
      Poxa, que legal isso, Liliane. Fico realmente feliz, mesmo. Nem sabia que o povo do tumblr me reconheceria se visse (aliás, do jeito que me ignoram... tá difícil a coisa). Mas você conseguiu tirar um sorriso do meu rosto, viste? Obrigada linda. ^^

      Excluir
  14. Eu sei que é chato ficar pedindo, mas vota em mim nesse concurso : http://www.blogmeianoite.com/ eu sou a penultima da votação...

    http://www.ingridsakamotodossantos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. Querida Mia,
    Preciso dizer entendo esse texto como uma resposta a um comentário que fiz. Sei que muitas outras pessoas podem ter te falado o mesmo, mas mesmo assim sinto-me livre para achar que foi pra mim.
    Muito, muito obrigada mesmo, por suas palavras. De uns tempos pra cá tenho conseguido ser mais autêntica. Um dia a gente cansa de ser pisada, não é? Sei que a partir de hoje não deixarei ninguém mais me reprimir, nem eu mesma.
    Continuo te admirando!
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lavínia, realmente você não foi a primeira a me falar isso. As pessoas sempre se surpreendem com meu jeito "what the hell" de ser. Mas sim, eu pensei em escrever sobre isso quando li seu comentário. Porque, sabe, não é fácil ter uma atitude como a minha (e confesso que minha vontade às vezes é de desistir disso e ser apenas "normal" como todo mundo) mas é muito recompensador. E eu quero que todos possam se sentir livres para serem quem são, inclusive você, se mostrando no seu blog ao invés de usar um pseudônimo. Nada contra pseudônimos, mas acho que você se sentiria melhor se mostrasse quem é: ia se sentir amada pelos seus leitores.
      É isso linda. Que bom que entendeu o recado. Bjo.

      Excluir
  16. Nossa, acho que o texto foi feito pra mim. Sofro disso. Me fecho, me bloqueio e realmente tenho medo. Então fico em cima do muro. Já mudei bastante, acrescentei e me expressei. Espero que eu possa me mostrar como sou completamente um dia. Mas no meu caso é mais difícil.
    Eu escrevi um post ontem de madrugada, que acho até que seria uma resposta para o seu. Me abri bastante e expus meus sentimentos. Confesso que hoje, não gosto tanto de ser subjetiva. Por isso, a dificuldade em escrever nesse estilo. Me acho muito racional, até demais. Mas fazer o quê? Já experimentei ser 'eu mesma' emocionalmente e apenas pisaram em mim. Então mudei. Mas se for preciso, eu mudo de novo.

    ResponderExcluir
  17. Eu era muito assim, B. Muito reprimida. Na verdade, eu me detestava, mas foi através desse blog e de blogueiras maravilhosas (como a Ju Bastos) que eu pude ir me soltando aos poucos e sendo eu mesma. Não foi nada fácil, mas posso dizer que rendeu e está rendendo muitos frutos.
    Vou ler seu post lá, dear. E boa sorte consigo mesma, viste? Bjo.

    ResponderExcluir
  18. Amo seus textos Mia e acho que você sabe disso <3

    ResponderExcluir

 
Wink .187 tons de frio.