Narrativa de uma mente paranoica

Vai parecer uma loucura o que eu vou escrever agora e eu tenho plena consciência disso. Também estou ciente de que poucas pessoas irão entender algo, mas eu não me importo muito com isso. Afinal, se algum dia eu sofrer um acidente e perder minha memória, eu vou gostar de saber que eu deixei um blog com várias pequenas coisas - coisas essas que a maior parte das pessoas olha e não enxerga - a meu respeito. Questão de quem é paranoica por controle, sabe? Então.

Ontem faltou luz aqui. Até aí nada de mais, isso é bem comum onde eu moro. A variável é que estava chovendo e muito. Coisa que não acontecia há muito tempo. Para não ficarmos em uma casa enorme e escura, papai e eu fomos de carro até Porto Alegre para acompanhar meu irmão em seu primeiro dia em um novo trabalho (sim, somos uma família super unida e estamos sempre presentes um na vida do outro a esse ponto). As ruas estavam quase alagadas, bem escorregadias. Havia um grande caminhão ao nosso lado e ele estava cambaleando. Do outro lado havia um abismo enorme: verde, pedras, árvores até onde os olhos poderiam alcançar. Meu irmão e meu pai estavam na frente, conversando sobre coisas aleatórias e dirigindo. Eu olhei bem para o abismo: lindo, perigoso, tentador, sedutor. Pus o fone de ouvido em Songbird e comecei a pensar no que aconteceria se eu morresse.

Pensei em como cada pessoa próxima a mim receberia a notícia. Pessoas são tão imprevisíveis e tudo parece tão pequeno se comparado à morte... Morrer não me assusta. Mas não é algo pelo qual pretendo passar tão cedo. Há tanta gente má no mundo que vive quase um século... Por que justo eu que tenho medo até mesmo de hamsters e ainda não completei metade da minha lista de "coisas para fazer antes de morrer" morreria tão cedo? Qual é o propósito disso? Para quê vivemos?
 
 
Se o cara de Desperate Housewives estiver certo, então eu tenho desperdiçado a minha vida. Não gostei desse pensamento e troquei de música. Comecei a pensar nas pequenas coisas que dão sentido à vida, nas pequenas memórias que só pertenciam a mim e a mais ninguém e em coisas que, caso fossem perdidas, nunca poderiam ser encontradas ou recuperadas. Coisas esmigalhadas que deixamos pelo caminho. Então pensei que se ao invés de eu morrer aquele caminhão ali ao lado apenas batesse e me fizesse entrar em coma? E se eu acordasse dali a algum tempo sem memória alguma? Eu ainda saberia escrever, comer, ler e todas essas coisas básicas da vida. Mas eu não reconheceria ninguém. Não me lembraria das pessoas que fizeram parte da minha vida. Estaria perdida pois as pessoas poderiam se usar disso para me manipular em seus próprios ideais. 
 
A não ser que eu tivesse em algum lugar algo escrito sobre detalhes de mim mesma. Algo como... um blog. Espera, mas eu tenho um blog! E foi aí que eu percebi que o universo coopera comigo nas mínimas coisas e que se algum dia eu tiver amnésia poderei me conhecer através daqui. E agora eu sei como responder quando alguém me perguntar: "por que você tem um blog?" Eu direi: "porque eu gosto de estar preparada para tudo na vida. Se algum dia eu perder a memória por causas ambientais ou não, eu terei onde me encontrar. Simples assim." 

Podem dizer que eu sou louca. Eu sei. Invento mil e uma teorias a respeito da minha vida e de coisas que possivelmente nunca acontecerão comigo. E tudo isso num simples trajeto Viamão-Porto Alegre. Pois é. 
Eu não morri. Não caí no abismo, não me acidentei, o caminhão enorme tomou um outro caminho, meu irmão chegou a seu novo trabalho, eu voltei pra minha cidade e passei em todas as balanças que existem por aqui apenas para conferir se não engordei (paranoia, eu sei) e cheguei em casa cantando a toda a voz um mix de Umbrella e Singing in the rain. Porque a vida é simples como a chuva. Uma hora está uma tempestade, mas em outra está um belo dia nublado (não de sol, detesto dias ensolarados; sorry). 
E essa é a minha vida. 

23 comentários

  1. eu também odeio dias de Sol,hahaha
    o print é de que série?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Finalmente alguém que não gosta de dias ensolarados! haha :p
      É de Desperate Housewives.

      Excluir
    2. é mesmo,todo mundo gosta de sol ¬¬ nossa,o cara da serie parece com Rick Bonadio!hahahaha

      Excluir
  2. Gostei da sua narrativa UIAHUAHUAH
    Eu também sou paranóica, tenho medo de caminhões, barrancos e de gente estranha na rua ._. Nunca tinha parado pra pensar em como seria se eu perdesse a memória ._.

    ;**

    http://qualquerlink.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Simplesmente adorei. Nunca havia pensado nisso, não costumo pensar em coisas ruins! Mas até que você chegou a um aspecto interessantíssimo! Gosto de dias de sol - me mate.

    exclusivoparagarotas.tk

    ResponderExcluir
  4. Opa!! Passando aqui para pedir que atualize a afiliação..
    Era Outra vez - http://www.eraoutravez.com/

    Kisu

    ResponderExcluir
  5. não vou mentir pra você, eu já pensei na morte. não muito seriamente,mas, pensei. acho que as pessoas tem muito a perder. mas, também não me sinto na posição de julgar quem comete suicídio. também tenho uma lista de coisas para fazer.
    p.s.: acho que não me descobriria no meu blog...tem tanta bagunça por lá. mas, já estou criando algumas lembranças no meu Tumblr. ter um diário faz falta também =]

    ResponderExcluir
  6. Oiii, to começando agora, ééér.
    Adoro blogs assim :D

    ResponderExcluir
  7. Pensamentos nada estranhos! Acho que todo mundo que é normal pensa essas coisas algum dia (ou algumas vezes por dia). Estranho é quem não pensa. Imagina só passar a vida alheio à ideia de que, mais cedo ou mais tarde, tudo isso acaba? Abençoada chuva que caiu esses dias aqui na RM: o volume de água do mês em um dia só! Beijos, querida!

    ResponderExcluir
  8. Sabe, já pensei mais ou menos nessa linha de pensamento... Quando eu mesma me perguntei pra quê eu tinha um diário, um blog, um fotolog, um twitter. E realmente a amnésia é uma explicação plausível !
    Obrigado pela visita Mia, e pelo comentário também. Eu achei que ninguém fosse entender o meu desabafo mas você entendeu perfeitamente ;)
    Beijão

    ResponderExcluir
  9. O que eu senti no seu texto é que você tem uma qualidade que eu acho muito digna e acho que também possuo um pouco: olhar e não apenas ver. Tanto que você até comentou no texto, nas primeiras linhas.
    A vida é para ser olhada, sentida, pensada, criticada e não apenas passada. E você tem esse poder de analisar cada fato, cada momento, cada circunstância, refletir sobre e criar suas teorias e questionamentos. Adorei o texto e compreendi perfeitamente :D

    ResponderExcluir
  10. Olá, passando p ver as novis por aqui!
    Bjkas e boa quinta. Breve sorteio no meu blog!!

    ResponderExcluir
  11. Não só você é paranóica, eu também sou. Por que também invento mil e uma teorias do que podem acontecer comigo,coisas que como você disse,provavelmente não irão,mas isso acontece comigo só quando estou prestes a fazer ou ter alguma coisa. Por exemplo, quando estava prestes a fazer as provas de vestibulares ano passado, ficava devaneando sobre chegar até o local da prova, que poderia acontecer um monte de coisas pra eu não chegar a tempo e eu desperdiçar mais de um ano de estudos e sacrifícios. Mas suas paranoias quanto a morte me deixaram assustada num certo momento, confesso, não gosto muito de pensar na morte, eu tenho mais medo que pessoas que eu amo morram do que eu mesma morrer, sei lá, a vida é tão difícil já, iria ficar mais ainda se alguém muito importante morresse logo :/
    Mas sua conclusão final me deixou satisfeita. A parte onde explica por que tem um blog,rs. Eu concluo da seguinte maneira: Se alguém vir perguntar por que tenho um blog, eu posso responder: Por que é lá que me encontro. Enfim, somos parecidas em algumas coisas, gosto de me identificar com os blogs que visito e leio.

    Beijos
    http://mon-autre.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Estou chocada Mia. Quanta coisa que eu mantive guardadas a sete chaves e você disse em tantas palavras. Bem vinda ao mundo dos paranóicos, pois eu sou assim. Imagino tanta coisa quando viajo para Porto Alegre, acicentes, mortes, o modo que eu sobreviveria, ou não. Viajo nessa tenção toda a semana em três horas de viagem. Eu achei incrível a maneira como você descreveu essa sua forma de ser e pensar. Fiquei um tanto aliviada em saber que eu não sou a única aqui a agir assim.
    E por fim, acho que viajar a Porto Alegre é algo que meche com a gente. E com toda a certeza penso como você em relação ao blog, se tudo um dia for esquecido ou até mesmo eu não querer mais escrever, eu terei um lugar certo para lembrar de como fui e o que senti.

    Adorei de verdade Mia, me prendi por minutos nas tuas palavras.
    Obrigada. ♥

    ResponderExcluir
  13. Gostei do texto.
    http://perfeitamenteteen.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Amo o seu blog e quase sempre me identifico com seus textos. Passei pra dizer que tem selinho no meu blog pra você. Espero que goste!
    http://loucurasmiinhas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. quando comecei a ler achei que você estava escrevendo um belo conto... minha cara de espantada quando você começou a desenrolar sobre morte, vida, foi digna de uma boa gargalhada. Sempre tenho a sensação de que sou a única que penso na morte dessa maneira. Pode ser a qualquer hora, né? Mas, poxa Deus, amo tanto viver, apesar de ser uma reclamona muito da chata. Mia, SIMPLESMENTE AMEI *-* não consigo descrever como me sinto feliz ao ler seu post... (você já está nos meus "Favoritos")

    obg pela visitinha lá no blog http://gabipuppe.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. Eu também já parei para pensar sobre o que aconteceria caso eu ficasse em coma ou morresse.É estranho pois fantasiamos mil hipóteses e no fim chegamos a conclusão de que o que importa mesmo é aproveitar enquanto estamos vivas.
    Aaah, na minha cidade é sol e só. rsrsrs
    Estou farta de dias ensolarados!

    ResponderExcluir
  17. Eu sou paranoica *---*
    Imagino as pessoas chorando quando eu morrer ou eu chorando caso alguém importante morresse. Já cheguei a chorar muito (juro) kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Sou doida.
    MAs é como você disse a vida é como a chuva mesmo e que venham dias nublados *--*
    Sol forte coça minha pele, acaba com meu cabelo, e deixam minhas roupas grudadas *-*

    ADOREI seu texto.

    ResponderExcluir
  18. No momento em que você pensou na morte ou num acidente horrível... Pensou muito mais na vida... Bonito post!


    http://alinediedrich.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  19. Também odeio dias de sol e também tenho esses devaneios. Olha ai, uma nova função para o blog, gostei :)

    ResponderExcluir
  20. Cada pessoa cria um blog por um motivo.
    Você tem o seu.

    ResponderExcluir
  21. Fiquei admirado pelo seu blog e atitude de escerver.
    Obrigado e boa sorte!!!

    ResponderExcluir