Drummond sabia das coisas

Pessoas são idiotas - e eu poderia concluir o raciocínio aqui.
Explico: estava eu lendo "Os cem melhores poemas brasileiros do século" e um desses poemas - do Carlos Drummond de Andrade - é um ode à bunda.
Sim, exatamente isso.
Confesso que gosto muito desse poema. Porque ninguém fala na bunda. Quer dizer, as pessoas falam, mas mais no sentido sexual da palavra do que no sentido físico.
O fato, senhores, é que minha mãe chegou, percebeu que estava lendo algo e perguntou o que era. Ao que eu citei o poema:
"A bunda, que engraçada.
Está sempre sorrindo, nunca é trágica. 
Não lhe importa o que vai
pela frente do corpo. A bunda basta-se.
Existe algo mais? Talvez os seios.
Ora - murmura a bunda - esses garotos 
ainda lhes falta muito que estudar."  

Então mamãe - completamente boquiaberta - me disse que uma moça de família como eu não deveria ler tal coisa, muito menos em voz alta, porque - espantem-se - de acordo com ela, a bunda é algo vulgar e falar tal palavra é coisa de pessoas vulgares.
E que bunda é palavrão.
- pausa para chorar de rir -

Perguntei à ela o porquê de tanta polêmica referente à uma parte do corpo humano. Ao que ela disse:
- A bunda é errada. É algo vulgar. É por onde saem os excrementos do corpo, o que a torna suja. Falar sobre ela é coisa de guria pervertida. Moças de família não falam isso. Ignoram.
- Então tu estás me dizendo que eu deveria ignorar uma parte do meu corpo porque supostamente eu sou uma moça de família e, portanto não posso ter bunda.
-Não fale mais essa palavra! É nádega. Ponto.
- Mamis, Kundera escreveu algo interessante a respeito disso. Seguindo seu raciocínio, a bunda seria - além de apenas a extremidade de um cano digestório - algo até mesmo sublime. Porque, pense bem, se ela não estivesse lá, morreríamos, já que os dejetos continuariam em nossos corpos e apodreceríamos.
- Mesmo assim, uma boa moça que serve a Deus não fala nessas coisas.
- Por que não? Partindo do princípio de que somos criação de Deus e que Deus faz as coisas perfeitas, então o próprio Deus é quem determinou que o ser humano tivesse uma bunda, evacuasse, fizesse outras coisas por lá - entenda como quiser - e tudo o mais. Se Deus quem criou, por que seria algo errado ou inapropriado para uma "boa moça"?
- Mas ninguém vai te respeitar se tu falar nisso.
- Ninguém vai me respeitar se eu própria não me respeitar e não respeitar meus princípios e minha visão de ver a tal da bunda como uma extremidade de um cano do sistema digestório e também como uma parte do corpo com a qual podemos sentar. Se não fosse por ela, eu estaria morta, todos estaríamos. Qual é o problema com isso então? Preferiria estar morta a assumir que tem uma bunda?
- Tu é louca, guria.
- E só agora tu percebeu isso?

E esse, senhores, é apenas mais um dos diálogos randômicos aqui de casa. Quem diria que um poema renderia tanto? 

Nenhum comentário