Snowflakes

Me desanima ver a banalização dos sentimentos humanos que há hoje em dia - se bem que dizer "hoje me dia" é babaquice, já que não vivi em outros tempos para poder fazer uma comparação justa de épocas para épocas. Vejo muitas pessoas por aí deturpando o sentido da poesia, querendo que todos os corpos sejam apenas mais corpos iguais, esquecendo-se da alma, do significado único de cada um, aquele "I'm a beautiful and unique snowflake" que fica quase sempre escondido na alma da gente. Então temos praticamente o dever moral de tratar a todos de igual forma, mesmo que você não goste de tal pessoa, mesmo que prefira outro tipo de companhia, mesmo que esteja sendo educado com a pessoa que te causa ânsias - mesmo assim, você ainda é desumano, pois está deturpando a visão de igualitarismo do ser humano. 


Será?
Quer dizer, o que há de linda na poesia, pessoas? Pensem. Não são suas rimas, sejam elas rebuscadas ou simples. Não são suas estrofes tão bem dividas ou a polêmica de certos assuntos. Nada disso, senhores. A poesia é linda e encantadora - e, por vezes, tão difícil de ser interpretada - porque é única. O que leva o poeta a escrevê-la, a epifania que esse ser iluminado possui, aquele "quê" de sentimentalismo, de saudosismo, de parnasianismo. Aquele algo a mais nos encanta, fascina, embala nossas vidas - se mistura a nossas partituras musicais, àquelas que compomos ao longo de nossas existências - é tão somente a unicidade do objeto poetizado.

Seja em A Boneca, onde Bilac descreve uma inocente briga entre duas menininhas, ou em O Laço de Fita, onde Castro Alves estrutura todo um amor baseado num encanto pelo laço que adorna as madeixas da moça, o que a poesia possui em comum é a contemplação de algo único. E isso, senhores, é algo que todos desejamos. Por mais que os conceitos de união e "somos todos iguais" estejam por aí, todos pensamos - ou desejamos pensar - sermos únicos.

Então, sim, senhores, eu tenho vontade de colocar um saco em minha cabeça e esconder-me dessa visão deturpada de mundo, onde ninguém pode se sentir único aos olhos de outro sem que seja condenado por isso, onde a poesia é deturpada por palavras agressivas e onde a delicadeza de alma vira motivo de zombaria.
Desculpem-me, senhores, posso até ser ácida, mas ainda há lugar para o romantismo nesta alma sulista.
"Se eu soubesse que no mundo
Existia um coração,
Que só por mim palpitasse 
De amor em eterna expansão; 
Do peito calara as mágoas, 
Bem feliz eu era então!" 


(Casimiro de Abreu)

9 comentários:

  1. Gostei da sua crítica sobre a poesia. Na realidade, eu não compreendo aonde eles encontram tanta inspiração para escrever algo único, como você citou. Pra mim, é tão difícil escrever alguns versinhos, por brincadeira (e que nem ficam bons), que fico imaginando como eles chegam a tal ponto.

    ResponderExcluir
  2. Obs: Recomendo que você leia o livro "A elegância do Ouriço", ele trata o tema da Arte e da poesia de forma filosófica. Acho que gostará.

    ResponderExcluir
  3. Gostei do seu ponto de vista e concordo com o que você disse. A poesia é uma das formas mais belas de expressão. Escrever é fácil comparando-se à capacidade de transmitir sentimentos, não é qualquer um que o faz, não é mesmo? E é uma categoria muito bela por sinal!

    Sobre o comentário da B., concordo com ela. Vale muito a pena ler A elegância do Ouriço, acredito que você se identificará bastante!

    ResponderExcluir
  4. Muito lindo o seu blog, amei, nunca tinha passado por aqui, se quiser conhecer meu cantinho, agora ta ocorrendo o 3 cantinho de sonhos, é um momento onde dou a oportunidade de publicar textos de outras pessoas, aqui esta:
    http://asoonhadora.blogspot.com.br/2012/11/cantinho-de-sonhos-3-uma-pitada-do-ceu.html#comment-form
    Deus abençoe

    ResponderExcluir
  5. Acho que o que deturba esse conceito de "sermos únicos/nos acharmos únicos" é a constante comparação com a superioridade entre as pessoas... Como se o fato de você se achar único significasse que também se acha "superior". Uma visão totalmente equivocada a qual acaba por padronizar a maioria dos indivíduos a um tipo de comportamento e criar aquele remorso em quem sente necessidade de buscar dentro de si algo que o diferencie dos demais... E sinceramente, todos nós possuímos esse algo a mais, um algo único, algo que diferencia cada rockeiro em um grupo de rockeiros; uma visão diferente da realidade para cada patricinha em um grupo de patricinhas; uma sensibilidade diferente para cada estímulo exterior em cada funkeiro... Mesmo com tribos e afinidades, a essência humano é algo impossível de padronizar ou mudar.

    Beijos ;*

    ResponderExcluir
  6. Acho que, assim como a maioria das pessoas que não curtem poesia, a iniciação nesse estilo foi um tanto quanto forçada. A gente tá lá pensando em estudar pra prova de matemática, mas não, a professora nos mandou ler um livro de poesia.
    Na minha época, por exemplo, ler livros não era essa modinha que virou entre adolescentes: era obrigação. A gente simplesmente não tinha nada para ler a não ser histórias burras sobre menstruação (até porque amo Pedro Bandeira, o meu queridíssimo autor de infância e seu inesquecível A Marca de Uma Lágrima).
    Vou ser honesta contigo. Comecei a efetivamente gostar de ler depois que superei o preconceito com Harry Potter - o guri que me resumiu o primeiro livro me contou uma história MUITO TOSCA e peguei o livro pra ler depois de ver o filme. Ok, não me orgulho de só ler o livro por causa do filme, mas se foi o que me deu o beliscão literário inicial e tardio, pra mim já valeu a pena.
    Mas ainda não aprendi a gostar de poesia. Sei que são que nem letras de música, mas ainda não me livrei da imagem das pessoas recitando-as, pomposas.

    ResponderExcluir
  7. Muito bom o texto, Mia. E, infelizmente, a tendência disso é só piorar e vai se estender a outros tipos de textos e meios de comunicação e entretenimento.

    Beijinhos da Jujuba,
    www.coisas-jujuba.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Adorei o texto, e concordo que as pessoas não são exatamente cultas em relação as poesias, mas tenho que confessar que eu não gosto muito de ler poesia, eu prefiro mais um livro de histórias que marcam minha vida, mas me permito dizer que acho as poesias uma parte da alma que o autor deixa no mundo, um momento dele, acho que a poesia é uma coisa que precisa de muita interpretação e uma sabedoria que eu, sinceramente, não adquiri, mas nunca é tarde para mudar.
    my-history-restarted-again.blogspot.com

    ResponderExcluir

 
Wink .187 tons de frio.