That awkward moment...

Quem é meu amigo no facebook da vida sabe que vezenquando eu publico capítulos de algo chamado Da série "coisas que acontecem na minha vida", apenas porque são randômicas pequenas e esquisitas/engraçadas que me ocorrem e porque, na maior parte das vezes, estou no curso e não estou a fim de logar no blogger e postar aqui. Enfim.
Para quem me tem por lá, já deve saber da história do cabeludo do bus. Quem não sabe, aqui vai uma síntese dela:

Então estava eu no ônibus de volta para casa, toda desgrenhada, sem maquiagem, não arrumada, com o cabelo numa rebeldia só, preso de um modo estranho pacas, lendo O Ateneu e escutando Angra, quando um cabeludo bonitão senta ao meu lado e, tirando o fone de ouvido, diz: 
- Então tu consegue ler e escutar música ao mesmo tempo? 
- Claro. Não consigo ler sem ouvir música.
- Bah, eu não consigo. Tem de estar silêncio pra eu conseguir.
- Ah... E tu lê bastante?
- Leio um pouco. Trabalhei numa biblioteca, então, eu pegava o que estava a vista e ficava lendo. Paulo Coelho, essas coisas.
- Ah... que bom.
- Tu tem quantos anos?
- Fiz 19 sábado.
- Dezenove? SÉRIO?
- Sim.
- Bah... dezenove... DE-ZE-NO-VE. Nunca diria. Tu parece ter 15, 16 no máximo.
- Pois é. A genética é boa. hahaha
- É sim.


Tá. Então nós conversamos (muito mesmo pra tentar se conhecer ♪) pra caramba e tal, apenas randômicas, nada demais. Não havia o visto mais no bus, até que hoje ele apareceu. O que não teria nada de anormal se não fosse pelas circunstâncias nas quais me encontrava: 
a) Havia acordado às 10h55 da manhã, sendo que pego o bus às 11h55 e tinha de me arrumar, arrumar as coisas do curso e almoçar, tudo em tempo recorde. Ou seja: fiz tudo pela metade e saí desarrumada, basicamente com o cabelo mais "what the hell" do mundo, cara de sono e sem maquiagem. 
b) Eram 18h00 quando ele entrou no maldito ônibus, e, se eu estava aloprada pela manhã, o que se dirá à tarde, após horas num curso terrivelmente chato - e que provavelmente não usarei pra nada nunca? Pois é. 
c) Como eu havia ido dormir super tarde e levantei na pressa, estava caindo de sono - literalmente - e havia dormido meio que abraçada na Rafaela, que estava a meu lado. 

OU SEJA: eu-descabelada-meio-que-babando-com-o-moço-me-observando-a-vida-não-poderia-ser-melhor-beijos-me-liga-Murphy-seu-lindo.

Porque dizem que desgraça pouca é bobagem, e tô achando mesmo, gente. Porque o cabeludo do bus não poderia apenas estar ali, ele tinha que parar de pé ao lado da minha amiga (e ao meu, obviamente, já que estava mais agarrada nela durante meu sono viajante do que um bicho preguiça num galho de árvore). Aí o moço do cabelo comprido me diz que achou uma gracinha eu dormindo e nem reparou em supostas babas ou cabelo desgrenhado. 

AWN AWN *o*

Pensando seriamente em convidar Murphy pra dar uma voltinha comigo, de mãozinha dada e tudo, porque né? Ele não me abandona, não, gente. É muito amor em forma de entidade! ♥

(O que acontecerá com o cabeludo do bus? Veremos nos próximos capítulos dessa minha novela mexicana - reprisada - que chamo de vida.)

15 comentários:

  1. Cara, eu não tenho dessas coisas. As pessoas me acham com cara de metida e nem chegam a falar comigo haha

    ResponderExcluir
  2. Que legal! haha, também tenho algumas experiências com indivíduos de ônibus um tanto quanto interessantes... É que aqui na minha cidade tenho a ligeira impressão de que apenas carentes usam transporte público, ou seja, a cada parada sobem mais passageiros dispostos a fazerem amizade (impressionante, sério), aí já viu né...

    ResponderExcluir
  3. Cara, normalmente eu odeio quando pessoas aleatórias falam comigo no ônibus. Principalmente quando tou lendo. Ou ouvindo música, porque daí tenho que tirar o fone de ouvido pra responder. E porque normalmente eu tirava as horas que andava de ônibus pra meditar/relaxar. É, não sou muito simpática. Ao menos o moço que te abordou era - ao invés de ser uma velha rabugenta que reclama da vida, como muitas que já conheci nesses ônibus da vida.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Cara, normalmente eu odeio quando pessoas aleatórias falam comigo no ônibus. Principalmente quando tou lendo. Ou ouvindo música, porque daí tenho que tirar o fone de ouvido pra responder. E porque normalmente eu tirava as horas que andava de ônibus pra meditar/relaxar. É, não sou muito simpática. Ao menos o moço que te abordou era - ao invés de ser uma velha rabugenta que reclama da vida, como muitas que já conheci nesses ônibus da vida.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Hilário, ás vezes o amor da sua vida pode estar em um bus.

    ResponderExcluir
  6. Ai, eu adoro essas coisinhas que acontecem assim na vida, e que de início não podemos dar valor, mas que rendem uma narração legal como a sua. Olha, ele já te viu dormindo e babando, e mesmo assim gostou de ti, se fosse você caia matando no cabeludo e o chamava para ouvir Angra juntos. hahaha. Boa sorte. Beijos

    ResponderExcluir
  7. Há, que legal. Vai ver que ele gostou realmente de ti, por ser como você é, e tal hsua Então imagina se ele te vê em uns dias melhores(apesar de eu duvidar que você tava tão ruim assim, já que tu tem esse cabelo lindo e tal)? Ele não ia conseguir nem olhar direito shua Tá, momento idiota passando. Espero que você veja ele novamente, então conta aqui pra nós:) Já vou te convidar no Facebook!
    Beijos,
    http://menina-do-sol.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Que divertida sua postagem, hahaha
    Nunca tinha passado por aqui, mas adorei a primeira visita. Blog muito bonito, voltarei com ctz :)

    ResponderExcluir
  9. Mas Paulo Coelho não dá, hahaha
    Eu nunca cheguei a ter esses encontros românticos em ônibus, mas é estranho como uma menina lendo um livro e/ou ouvindo música pode se tornar algo atraente.
    Quando eu ainda estava na faculdade eu tava lendo Hagakure e um guri sentou do meu lado e me perguntou se eu não queria ir na festa de bixos da Medicina. ELE QUERIA ME VENDER INGRESSO.
    So UNROMANTIC!!!

    ResponderExcluir
  10. Se esse cara começasse a conversar comigo do nada, eu iria surtar. Eu entro em pânico fácil quando estou sozinha, sabe? É triste. Mas tenho que concordar que parece cena de comédia romântica . Volte pra contar o resto! :D

    ResponderExcluir
  11. O gif no fim fechou todas <3 hahaha
    Já bati um papo com um cabeludo bem magia no ônibus tb! Mas nunca mais vi. Poemas no ônibus :)

    ResponderExcluir
  12. azar nada, mó sorte. aaaamo cabeludos de paixão. queria que um aparecesse no ônibus pra conversar comigo. eles nunca conversam :( só espero que ele seja dessas caras que não fique reclamando quando vc se arruma e/ou usa maquiagem.

    beijo!

    e, nossa, adorei o gif!

    ResponderExcluir
  13. bem, to encerrando as parcerias lá do blog, mas vou te colocar nas afiliações, pois posso não aparecer muito aqui, mas gosto muito do Wink *-*
    http://leideanediniz.blogspot.com ;*

    ResponderExcluir
  14. hahahahhaaha

    Eu adoro essas histórias!! Engraçada a vida, né? Pelo menos da próxima vez, quando você estiver supeerr chique, ele não vai ter como não gostar de você, né?

    ResponderExcluir

 
Wink .187 tons de frio.