amor (im)perfeito



Dois beijos, dois anseios
Do desejo sem traquejo
Aquele nó que trouxe só
A dor sem fim
Que habita em mim

Amiga amada
Pôde a malvada
Colocar um fim
Em algo assim?
E como pôde!
Na onda ardente
Sob um céu clemente
Pesadelo foi, noite escura é

Os meus desejos
Que arfaram os seios
Esvaneceram na escuridão
Malvada aquela
A Morte impera
Mesmo no que não é carne
Mas é paixão

Qual dor maior
(que é) viver tão só
Sabendo então o que é amor
De um ser tão culto
Dirás: "- Tão burro!"
Sim, minha amiga
Tão burro então.

Lançara fora o amor pungente
E no peito pálido
Só a luz ficou
Mas o que é a luz
Senão alumia?
Se ele foi-se
Ao olhar pra o chão...?

Abismo negro, terra do além
A Morte certa o acompanhou
Ficaram os corpos
- tão cheios outrora -
Vazios, sem vida
E nada mais brotou.

Expiação do pecado
Viver sem ser olhado
Pela neblina, nas trevas sem fim
Mas o peito alumia, procurando respira
Por algo a mais
Pelo que passou.

Eterna busca, procura injusta
Deverei agora pesar a mão
Pois entre beijos, no arfar do seio
Perdi a compostura, fui pega no arpão.
Morte, ó Morte!
Tu que da vida levas o eterno
Venha até mim, possuo um coração
Que pulsa por alguém
Que já não sente
Que jaz ausente
Por tua mão.

Tire-o daqui, afasta-o de mim
Deixe-me vagar sem uma pulsação
Do sangue forte ofereço-te sacrifício
Vida por vida, amor por ilusão
Terei em breve a face funda
O peito inerte, sem emoção
Mas sentirei por perto
A paz demente
Que mal não sente
Nem bem então.

Em minha memória
Lábios encarnados
Suspiros dobrados me levam a pensar
E lembro dele, sua face pálida
À luz tão clara
O gosto anil
Aquele sangue
Vertido ali
Num tecido claro, com essência de jasmim
Seu olhar de espanto
"- Por que sangraste?"
Meu bem, foi presságio
Foi o arrancar do coração.

É dele agora e sempre o fora
Quando a vagar em noites sonhei
Com aquele espectro sob a luz profunda
Não sou mais minha
Nem de mais ninguém.
Outrora fosse uma despedida
Todavia sabemos que não
Será possível um dia ainda
Perder a vida por uma paixão?

Duvido muito, ainda há vida
Mesmo que pulse 80 vezes
Mesmo que a vida seja sentida
Como num sono, como um revés
E amo ainda, a dor sentida
Enaltecida em versos secos
O peito desnudo que traz à vida
Apenas implora: morra de uma vez

Morra paixão, morra sentir
Faze-me de novo andar e vir
Olhar as faces vermelhas e rosadas
Sentir nas veias a inquietação
Querer luxúrias, desejar o proibido
Sentir que resta uma solução
Caber numa cama, arfar o seio
Pedir segredo
Num beijo... ó não!
Eu não sei poetizar, mas cá estou eu com um poema arrancado da alma. Não espero que vocês gostem, mas... aí está.

8 comentários:

  1. Posso ver mais uma poetisa desbrochar e isso é tão lindo e digno <3

    ResponderExcluir
  2. É incrível o que a madrugada nos faz, não é? Deu para sentir tudo nesse poema. Em cada parte, estrofe, palavra. A intensidade que nos assusta e, ainda sim, nos faz ser admiradores. Muito lindo, Mia. Quando o li pela primeira vez fiquei de boca aberta. Maravilhoso.

    Beijos,
    Arih! <3

    ResponderExcluir
  3. caraca, foi você mesmo que escreveu? "que pergunta". Digna de ser chamada de poetisa, senti a profundidade das palavras, um poema arrancando da alma só pode causar isso mesmo! Uma salva de palmas pro teu poema!
    Beijinhos enferrujados

    DAMA DE FERRO

    ResponderExcluir
  4. Só posso dizer uma coisa: esperando ansiosamente pelo seu livro porque sua criatividade tá mais que digna!

    ResponderExcluir
  5. Quem disse que a Mia não é boa com poesias?
    Essa pessoa está errada, e muito!
    Lindo poema!

    ResponderExcluir
  6. Pois, explore mais essa sua face poetisa. Fiz muito gosto, Mía! Do fundo da alma mesmo, expressando tudo o que sente. Belíssimo.

    ResponderExcluir
  7. Sua poesia ficou a sua cara, com a personalidade que encontramos em todo o Wink.

    ResponderExcluir
  8. Caramba ficou muito louco! HAHA
    você escreve bem, eu não tenho capacidade para fazer nenhum tipo de poesia (já tentei).

    ResponderExcluir

 
Wink .187 tons de frio.