Delineando

Inda agora
A alma revigora
O cansaço do tempo
Daquela dor, daquele tormento
Outrora era paz
Hoje, vento gélido
Seria eu capaz
De amar demais?
A poesia que nasce
Por um descuido alheio
Instalou-se, por fim,
Dentro do meu peito
Correndo ela vai
Por veias tão finas
Mandando sinais
Em forma de rimas.

9 comentários:

  1. Conte-nos como você o conheceu e o que se passa com vocês?! *-*

    ResponderExcluir
  2. Que lindo Mia. As rimas ilustram encantos intrínsecos, florescidos numa manhã bonita, dentro de ti. Palavras cheias de encanto.

    Beijo!!

    ResponderExcluir
  3. Tão bonito que até parece música.
    Engraçado como o amor realmente nos revive, nos faz revigorar. E quando tamanha felicidade se apresenta, a melhor solução é transbordá-la, anuncia-la ao alcance de quantos conseguirem ouvir sua voz.
    E fazer do romance poesia.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Amei, queria saber fazer rimas bonitas como as suas *-*

    ResponderExcluir
  5. Adoro seus poemas *-* Acho até que você poderia explorá-los mais. São lindos e cheios de emoção.

    ResponderExcluir
  6. "Mandando sinais Em forma de rimas". Que poesia bonita e final encantador. Quanto tempo não passava por aqui... O blog continua lindo...

    ResponderExcluir
  7. GENTE! Que poesia mais AWN <3, vontade de sair compartilhando essas palavras por aí! E concordo com a pessoa que disse ali em cima que você deve explorar mais o seu lado poético, pois você tem MUITO o que mostrar.

    Beijinhos ;*

    ResponderExcluir

 
Wink .187 tons de frio.