Escrever pra quê?

Eu não tenho mais vontade de escrever.
Ainda assim, parece que essa é a única forma de exorcizar sentimentos: dando-os forma através de letras, pontuações, entrelinhas. Falar nunca resolveu, escrever, sim. Não resolve, mas alivia. Alivia porque o sentimento não mais me pertence, mas torna-se parte de algo maior, de uma história, de um conto, de uma crônica, de um poema. Parte da vida de quem o lê, de quem o despreza, de quem se identifica. Parte de algo. E todos sabemos que carregar um fardo é muito mais tranquilo se tivermos alguém com quem dividi-lo.

Por isso escrevi por tantos anos: nunca tive alguém com quem dividir meus fardos.
Então alguém surgiu. Mas esse mesmo alguém está começando a ver o que todos já haviam visto: meus defeitos que haviam sido nublados pelas estonteantes qualidades. Defeitos que fazem mal. Que me tornam quase deformada. Que não constroem nada além de muralhas ao meu redor.

Então torno a escrever.
Porque é necessário. Porque não posso carregar tantos fardos sozinha. Porque talvez eu esteja para sempre sozinha. Sozinha-acompanhada por outra solidão que não é minha. Será que duas solidões um dia se anularão? Eis a questão. 

3 comentários

  1. Ah, Mia, eu te entendo perfeitamente. Esses malditos fardos! :(
    Não sei se fico feliz por você ter voltado a escrever ou triste pelo motivo que a fez fazer isso.
    Espero que tudo na sua vida se ajeite.

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Concordo plenamente com você, escrever alivia muuuito. Nunca fui boa em falar, fico melhor escrevendo. Dividir um fardo com alguém melhor um pouco a situação, realmente. Muito bom o texto :)

    Beijos, viverserfeliz-renata.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Ninguém escreve porque está feliz. A gente escreve justamente por motivos de infelicidade, incertezas, insatisfação. Isso é normal. E não há melhor desabafo. A gente exerce uma função e exercita o pensamento. Das artes, a melhor.
    Abraços.

    ResponderExcluir