Abandonei Marina

Sabe quando um livro é tão chato que não se consegue passar da página 26? Pois então.
Eu nunca tive problemas com um livro a ponto de não conseguir passar de páginas iniciais. Já larguei leituras faltando pouco pra o final porque sim (me deixa), mas nunca parei no início. Porém, não consegui ir adiante com Marina. Muito chata essa menina.


Eu não gosto de livros que se passam em internatos.
Só pode ser esse o problema. Não, não é. Geralmente não gosto de livros latinos, visto que já larguei de mão Marina (espanhol), O Ateneu (que também é sobre um internato e que.coisa.chata), Dom Casmurro (alguém realmente se importa com Bentinho? que personagem mais blergh; Machado era chato, ponto - mentira, gosto de ALGUNS poemas do dito cujo) e só. Em 18 anos de vida literária (aprendi a ler aos 2 anos, me deixa) apenas abandonei 3 livros. Porque sim. Porque amo ler.


Coisa mais rara eu abandonar uma leitura.
Porém não consigo engolir autor prolixo. Aquele autor que detalha até a toalha da mesa sem fins para tal, apenas para preencher páginas e o livro não virar um conto. Chato isso. Se a pessoa não tem criatividade então que se dedique a um blog (oi! sim, né? porque se eu fosse criativa não estaria escrevendo sobre minha vida - que é interessante, eu sei -, estaria escrevendo personagens mirabolantes) ou faça um livro de contos.


O único autor que pode detalhar minuciosamente tudo de tudo e dar um sentido REAL é Kundera. Isso fora os autores de livros de investigação, como Sir Arthur Donan Coyle e Agatha Christie.


Mas, sério: livro chato.
Literatura latina não é comigo, de fato. 

Nenhum comentário