Não tenho dom pra masoquismo

Me incomoda a falta de respeito.


Não é novidade pra ninguém que convive comigo a lista imensa de traumas que tenho. Sim, traumas. Do tipo: não posso ver ou ouvir falar que passo mal, sinto vontade de vomitar, chorar e bater, tudo ao mesmo tempo. Aí o que o cerumano que diz me amar e blablabla faz? VAI LÁ E POSTA COISAS TRAUMATIZANTES. Em modo público. No facebook.


Posso lidar?
Não, não posso. Porque aparentemente estou sendo criança se reclamo do que me faz tremendamente mal. Sei. Consideração, cadê?


Não tem.
Não precisa ter. Afinal: LIDE COM SEUS TRAUMAS, FIA. Tô lidando, gente, tô lidando. Há anos que lido com  traumas e tento não magoar as pessoas porque "olha, pode não falar/escutar/ver isso perto de mim? sabe como é, eu passo mal, eu tenho um passado horrível e, gente, sério, não dá pra explicar mais do que isso sem escrever um livro de terror, apenas pare", mas alguém dá atento? Não, ninguém dá. Por que dariam, né? É mais fácil fazer o que se quiser, ter o egoísmo como melhor amigo e que se danem as pessoas. Mesmo aquelas a quem você diz amar. Claro.


Depois quando eu excluo a pessoa da minha vida sem mais nem menos, ela ainda fica magoadona perguntando os motivos. NÃO SOU CONSCIÊNCIA DE NINGUÉM, MORRA é a única coisa que tenho vontade de dizer nessas horas.


Porque né?
Cada vez mais me convenço de que a misantropia é o que me resta. De vez. O ser humano não merece minha existência. 

0 comentários:

Postar um comentário

 
Wink .187 tons de frio.