Das problemáticas da vida

Eu tenho um problema.
Quer dizer, falar que eu tenho UM problema parece até piada, mas digamos que este seja um dos problemas mais graves: se o ser humano não me trata com carinho, atenção, afeto e muito amor, se me trata "normal" (educadamente bem) por certo período de tempo (que pode variar de minutos até infinitas horas), meu cérebro vai processar o tratamento como um grande: sai de perto de mim, sua coisa, não te aguento mais e não sei como te dizer.


Porque eu  tenho essa coisa em mim que sempre me diz que estou a ponto de ser largada de mão. Isso não apenas em relacionamento amoroso, mas em qualquer tipo de relacionamento que se dê na minha vida. Até se uma amiga me tratar mais ou menos e não explicar porquê, vou achar que tô incomodando e me retirarei do recinto. Porque se tem coisa que eu não faço é impôr minha presença aos outros.


Isso deve ser bem incomodativo pra o povo que convive comigo.
Imagina: a pessoa tensa o tempo todo sempre achando que o povo tá me largando de mão quando o que ocorre é que as pessoas têm seus problemas também e nem sempre estão a fim de papo.


O mais interessante da história é que eu sou a imperatriz de tratar as pessoas "educadamente bem" apenas. Isso quando eu tô de bom humor. Porque se eu estiver num dia em que não quero ver pessoas na minha frente, eu farei questão de deixar isso bem claro.


Vou acabar sozinha cuidando de uma livraria, isso sim. 

0 comentários:

Postar um comentário

 
Wink .187 tons de frio.