Do dia em que eu trepei numa árvore

trepar
verbo
1.
ir de baixo para cima de (algo), agarrando-se com os pés e as mãos; galgar.
2.
deslocar-se para (lugar mais alto e/ou íngreme); subir.

Eu sempre odiei cantadas.
Não me sinto bem ou elogiada quando uma pessoa me canta. Só sinto vontade de fazer duas coisas:
  1. sair correndo; 
  2. quebrar a cara do ser humano que se aproximou de mim. 
Lá pelo Ensino Médio eu levava essas vontades muito a sério. Por motivos inexplicáveis, sempre recebi muitas cantadas e não apenas cantadas como convites a sério - pra sair, pra dar uns beijos, pra namorar etc. Jamais entenderei o porquê disso tudo.

(Breve parêntese para explicar o porquê de não entender essa crush que as pessoas têm em mim: eu não tô nem aí. Tenho a maior preguiça de usar maquiagem. Não ando na moda, só uso roupas confortáveis e com as quais eu me sinto bem. Mas essa coisa de salto, make, jeans - eu ODEIO jeans - e chapinha no cabelo com luzes me dá sono. Então eu saio por aí sem problema algum de cara lavada, um vestidinho qualquer com meia-calça e sapatilha, uma manta, porque eita pessoa pra sentir frio, e o cabelo todo bagunçado mesmo. Aliás, a única coisa legal em estar com o cabelo curto é que faz quase 1 ano que não o penteio e ele não embaraça, é muito amor. ♥ Também não sou magrinha. Não sou gorda, mas sou meio-termo, tenho umas curvas que deuzôlivre e estou bem longe do padrão de beleza atual. OU SEJA: jamais entenderei por que raios levo tantas cantadas e recebo tantas declarações de amor eterno - risos, até parece que isso existe -, mas okay.)

Aí que tinha esse garoto. Um garoto deveras estranho, metido a rockeiro que vivia atrás de mim. Eu não sou lá uma pessoa muito simpática - há quem diga o contrário porque, apesar de não ser simpática, sou educadíssima -, mas o rapaz não se dava conta de que, poxa vida, apenas não.

Eu saía pra o intervalo e o rapaz ia atrás de mim. Eu ia ao banheiro e ele perguntava onde eu tava indo e se eu precisava de ajuda (hahaha, que piada). Eu ia pra casa e ele perguntava se podia me acompanhar até a parada (poder pode tudo, a rua é pública, mas qualé o objetivo?). Descobriu meu número sei lá eu como, me mandava mensagens que jamais foram respondidas, rodeava meus amigos e sempre que outro rapaz se aproximava de mim ele ficava maluco e queria me defender.

Apesar de toda a minha educação - sério, eu tenho um defeito: não consigo ser agressiva nem que eu queira ou precise muito; sempre fica o fantasminha do Renato Russo cantando ao meu ouvido o "não faça com os outros o que você não quer que seja feito com você" e é isso que dá ter um irmão mega fã de Legião Urbana -, eu sou uma pessoa extremamente direta e falei pra o rapaz que não estava gostando daquilo e que ele estava se passando no quesito amizade saudável e normal. E o que ele disse? "MIA, ESTOU APAIXONADO POR TI, TEUS OLHOS VERDES ME ENFEITIÇARAM." Mas não me diga?! Não foi a intenção, certamente.

Após a tal declaração o rapaz passou a ficar mais ainda na minha volta, mandar mais mensagens com declarações e me seguir pra todo o lado. Já estávamos no final do ano e eu ansiava por não ser colega dele dali a alguns meses - se caíssemos na mesma turma, pediria transferência. Então bolei um plano: falei com meus amigos e disse: "vocês vão me ajudar a me esconder". Foi bonito.

~Lorelai feelings~

Quando chegava o intervalo a gente saía correndo da sala de aula e se escondia nos fundos da escola, num local em que só havia mato, árvores e alguns bichos estranhos - fora um cemitério, porque a escola em que estudei fica entre dois cemitérios; aquilo no inverno é digno de roteiros do Stephen King, vocês não têm ideia.

Vezenquando a gente saía dali pra pegar algo pra comer na cantina ou tirar um xerox. E foi num desses dias que aconteceu. Estávamos apenas um amigo e eu, a nossa outra amiga havia faltado e ele estava na cantina pegando uns cachorros-quente pra gente. Eu estava paradinha debaixo de uma árvore atenta a qualquer movimento enquanto o esperava. Então eu ouvi algo nos arbustos. Olhei pra o lado e o rapaz maluco estava se aproximando. Pela cara dele, ainda não havia me visto e eu tinha uma certa distância e cobertura de mato, árvores e afins de vantagem. Não pensei duas vezes: trepei na árvore como se a minha vida dependesse disso. Deixei mochila, garrafinha d'água e livro pra trás: éramos a árvore e eu contra o mundo.

Eu não trepava numa árvore desde a infância e não fazia ideia se seria difícil ou não: só sabia que quanto mais alto eu estivesse, menores seriam as chances dele me encontrar. Subi numa árvore gigante em menos de 1 minuto e é nessas horas que a gente entende como o pessoal de Lost fazia todas aquelas loucuras naquela ilha/floresta pra se esconder do monstro de fumaça. EU COMPREENDI PERFEITAMENTE O UNIVERSO naquele momento.

Em cima da árvore eu fiquei por um tempo que me pareceu infinito, mas que provavelmente não passou de 2 min. O rapaz maluco foi embora e eu continuava lá em cima porque COMO É QUE SE DESCE MESMO?!


Nesse brilhante momento meu amigo chegou da cantina e viu minhas coisas jogadas embaixo da árvore, aquele silêncio, nenhuma movimentação... Como ele - e qualquer amigo meu, na verdade - sabe, eu JAMAIS deixo as minhas coisas de lado e vou passear na floresta enquanto o lobo não vem. Onde eu estou minhas coisas estão. Assim sendo ele gritou meu nome e ouviu uma voz fininha e meio baixinha - paralisada de medo - do céu. TEM UM FANTASMA FALANDO COMIGO, SOCORRO! Não tinha. Era apenas eu, congelada lá em cima.

Após um tempinho em que meu amigo ficou me encorajando, consegui finalmente descer e comer algo. Mas após aquilo nem entramos na sala de aula, esperamos o horário e fomos pra casa mesmo porque não estava com condições de lidar com o pavor que havia se apoderado de meu corpo após subir naquela árvore.

O interessante é que eu só pensei nos perigos depois, né? "TU TE MATARIA PRA FUGIR DE UM CARA, GURIA?" Hoje em dia, não. Mas antigamente, é provável que sim. Meu instinto de fuga é uma das coisas mais aguçadas que tenho - e por isso mesmo é tão difícil controlá-lo, porque se tem uma coisa na qual sou boa essa coisa é fugir, me esconder, me colocar em segurança (RISOS).

E essa é a história de quando quase me matei trepando numa árvore pra fugir de um maluco. SDDS, Ensino Médio.

Este post é inspirado no tema nostalgia: conte histórias sobre o seu ensino médio, do maravilhoso Grupo de Suporte Bloguístico

9 comentários:

  1. A vida é esse subir na árvore e não saber descer. Eu nunca fui metida a essas coisas porque sou muito pata, muito tansa e muito cagona. Mas todas as vezes que me meti a subir em árvore, eu sofria horrores pra descer. Hahhahaha. E cara, eu sinto o teu pavor. Nas vezes que se *~declararam~* pra mim, eu só queria que o mundo me engolisse. Tipo... Pára? Porfa. Pára. Não sei lidar, nunca soube, nunca saberei. Não fala mais nada que eu finjo que não ouvi.
    Mas ei, a gente pode ser amiga? Eu amo jeans, amo maquiagem, amo chapinha, também amo cabelo bagunçado (se eu não seco o meu cabelo, ele só vê pente depois do banho), amo vestidinho, amo sapatilha. HUAUAAUAHU
    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Como faz para não chorar de rir no trabalho? Hsauhsauh! Ai, Mia, só você mesmo! Logo de cara, pelo título, já senti que a história do post seria interessante, e terminei de ler só te imaginando trepando na árvore para fugir do creepy stalker. Mas ó, cenas tragicômicas à parte, sou exatamente como você no quesito cantadas. Eu não me esforço nem um pouco para parecer bonita, sou magricela demais para os padrões da beleza curvilínea brasileira, e sou quieta demais (o que alguns já disseram parecer ameaçador às vezes), mas, ainda assim, vezenquando - roubando sua expressão - me aparece cada criatura que, my God, livrai-me! Tenho tendência de ignorar e fugir dos problemas, também, só não tenho o físico para subir em árvores. Ainda bem que nunca precisei.

    Você me conquista muito com gifs de GG nos posts. <3

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  3. Sabe, por incrível que pareça e descrição que você fez de si mesma pode ser muito atraente para a maioria dos rapazes. Pois é, em geral eles preferem alguém que pareça natural; e aparentemente também gostam de meninas que pareçam indiferentes e/ou agressivas. Eu sei disso tanto por ter convivido bastante com meninos (durante boa parte da minha vida tive mais amigos do que amigas) e conversar com eles sobre isso, quanto por ter passado por situações parecidas. Então não me parece surpreendente que esse tipo de coisa aconteça com você.
    Quanto à essa história da árvore, só queria entender uma coisa: como você fez pra descer? Porque, pelo menos comigo, quando se está em pânico não tem como realizar uma tarefa tão complexa sem cair e quebrar alguma coisa. Da última vez que eu subi numa árvore (eu tinha uns 12 anos), inclusive, tive de ser resgatada.

    ResponderExcluir
  4. Caramba.
    Só imagino o quão esquisito não era o cidadão pra tu chegar AO PONTO DE escalar uma árvore. Mas Ensino Médio = hormônios = um dia quer acompanhar até a parada e no outro quer colocar só a cabecinha. Sei bem. Porque eu via de fora, eu era a impopular, LOL

    ResponderExcluir
  5. Sobre seu parênteses: você recebe essas cantadas porque você é linda mesmo sem seguir os padrões da mídia. Cê acha que os homens só acham bonito as mulheres de capa de revista? Não, na verdade aqueles estudos super inúteis para os quais as mulheres nem ligam sempre dizem que os homens preferem mulheres mais "naturais" do que aquelas nas revistas, haha.

    Nossa, que moço horrível esse. Confesso que na época do ensino médio até rolou alguma coisa parecida comigo, mas no caso o cara já era meu amigo fazia um tempo e eu não me importava em ter a companhia dele. Só que quando ele se confessou, eu deixei claro que não tava a fim e nos distanciamos, grazadeus ele compreendeu, hehe.

    EU NÃO ACREDITO QUE VOCÊ SUBIU NA ÁRVORE PRA FUGIR DO GURI. MEU DEUS. HAHAHAH! Eu totalmente seria grossa com ele se ele viesse falar comigo, mas você superou hein! HAUHAUAHUAH Eu nem subir em árvore sei, então não faria ideia de como descer também, haha.

    Beijinhos ;*

    ResponderExcluir
  6. Me perdoa, mas eu posso rir? hahahahaha Isso deve de ter sido muito engraçado... Trágico, mas muito engraçado hahahaha Uma história para contar aos netos hahahaha Eu não lembro se eu fugi de algum garoto alguma vez... Teve um que queria muito ficar comigo, mas nunca fez nada de mais, era meio tímido rs Então passei minha adolescência sem muitos problemas rs
    Beijos! =**

    ResponderExcluir
  7. Tem gente muito sem noção. Que moleque maluco, ficar te seguindo e depois declarar amor eterno. Convenhamos, isso é no mínimo uma atitude estranha (pra não dizer coisa de psicopata). Tô contigo, eu também subiria na árvore para salvar a minha vida (kkk) mesmo que não soubesse como descer depois KKK Já ouviu falar que pra baixo todo santo ajuda? KKK Um beijo : *

    www.fleurdelune.com.br

    ResponderExcluir
  8. aI GENTE! Que demais.
    Eu nunca trepei numa árvore. Não tenho coordenação ou força pra isso.
    Mas gente inconveniente faz tudo com a gente né.
    E depois, o cara desistiu de você?

    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Caramba, subir numa árvore pra fugir, esse cara devia ser pavoroso mesmo hahaha Mas te entendo, sempre sou dessas que corre também, esse gif maravilhoso da Lor me representa demais.

    Sinto muita falta do Ensino Médio, melhor época, melhores histórias.

    Beijos.

    ResponderExcluir

 
Wink .187 tons de frio.