Walking into the twilight zone

Eu não sou o tipo de pessoa que sai da sala no meio da aula. 
Eu sou o tipo nerd que senta na frente e copia tudo o que achar relevante como se minha vida dependesse disso. O tipo que pede pras amigas conversarem um pouco mais baixo porque, oi, tem alguém querendo prestar atenção na aula - e ainda acho que levarei um soco por conta disso. Só não sou mais nerd por falta do óculos. 

Mas o fato é que: a aula de ontem, o que foi aquilo, meldels?! 
Eu saí três vezes da sala. TRÊS VEZES. Eu não saio de salas no meio das aulas, mas não aguentei, não pude, não consegui, eu precisava de ar, eu precisava respirar, socorro! 
E por que isso? 
Porque finalmente tive o confronto com a temida Ed. Física. E quem dera tivesse sido o que eu pensei que fosse, crianças. Porque o que aconteceu simplesmente ultrapassou qualquer pensamento catastrófico que eu pudesse ter tido. 

~pude claramente ouvir Rod Serling me advertir do que viria a seguir~ 
Entrei na aula minutos adiantada e o professor fez aquele silêncio e ficou encarando com uma cara de fúria reprimida. Como não sou fácil de se intimidar, mantive a postura e fui cumprimentar as amigas que estavam sentadas em suas classes já. Pois bem. Aqueles abraços de MIGA, QUANTO TEMPO, TAVA COM SAUDADE, trocentos mil elogios aos meus cabelos que voltaram à cor vermelha ♥ de sempre (eu teimo em sair dos tons de vermelho, mas os tons de vermelho me amam, me adoram, me desejam) e o professor ainda não havia iniciado a aula. 

O que se sucedeu foi simplesmente a pior aula que eu já tive na vida. 
Em meia hora o professor conseguiu: 
a. fazer com que um terço da turma abrisse um livro literário e desapegasse da aula; 
b. fazer com que outros pegassem seus celulares; 
c. fazer com que alguns saíssem no meio da aula pra tomar um ar porque não estava sendo possível; 
d. fazer com que alguns alunos desistissem do curso. 

PERCEBAM. 

~nem em meus piores pesadelos imaginei isso~
Ele não nos mandou fazer alongamentos. Não nos disse a importância da atividade física na vida da pessoa que pretende ser professora e na vida dos nossos futuros alunos. Ele fez um monólogo de 4h explicando por que era um absurdo que nós aprendêssemos em apenas 1 semestre o que ele e seu estagiário tiveram de aprender em 4 anos de curso para dar aula. Porque, segundo ele, daremos aula de Ed. Física. E foi aí que disse para mim mesma: MAS EU NÃO QUERO DAR AULA DE EDUCAÇÃO FÍSICA, EU QUERO ENSINAR AS PESSOAS A ESCREVER CORRETAMENTE E QUE LITERATURA BRASILEIRA E LATINA É MUITO BOA, CARAMBA. Não que eu saiba tudo de Língua Portuguesa, mas é o que gosto, é o que quero, é o que amo. This is my design, como diria Will Graham, de Hannibal. 

O tal professor passou 4h de pé, na frente da turma, falando sem parar que queria ter sido um preparador físico, e não um professor, mas é o que teve pra vida. Desanimou a todos, num tom monótono e impositivo, sobre a problemática da brecha na lei que permite que pedagogos deem aula de Ed. Física para os anos iniciais. 

Ao menos numa coisa concordamos: nem o professor quer dar aula, nem eu quero estar na maldita aula dele. Ó que bonito isso. Adoro quando o universo se acerta comigo. 

Apenas nos quinze minutos finais o tal professor nos passou o cronograma e disse que, ó, haverá 5 trabalhos, todos valendo 10 e com visitas a lugares que eu escolher: SE VIREM. E só nos deixou sair após eu ter perdido todos os ônibus, simplesmente porque quem saísse mais cedo, nem que fossem dez minutos, ganharia 4 faltas. :) 

Então saí da aula bem na hora em que começou um temporal dozinfernos que fez com que eu me molhasse toda. Mas isso nem foi o melhor. O melhor foi ter de ficar na parada até a meia-noite simplesmente porque era o último ônibus e eu não poderia perdê-lo e não havia ninguém para me buscar. 

E é por conta dessas coisas - e do fato de que haverá também Matemática I e II - que decidi pedir transferência pra Letras. Todo mundo sabe que estou no lugar errado, mas sou teimosa demais para admitir. Mas adivinhem: NÃO TEM ED. FÍSICA EM LETRAS. 

Veremos como se dará o processo. 


10 comentários:

  1. Como.. assim... PEDAGOGIA ABRINDO BRECHA PRA LECIONAR EDUCAÇÃO FÍSICA????
    Deixa eu dar Google nisso.

    ...
    Holy shit.
    https://www.youtube.com/watch?v=wlSdK7lduD4

    (vídeo de CINCO ANOS ATRÁS)

    ResponderExcluir
  2. Eu jamais conseguiria fazer pedagogia. Ensinar crianças definitivamente não daria certo pra mim, UAHUAHA. E, sério, que professor horrível. Esse negócio das quatro faltas não se faz, cara. Nem passar quatro horas falando vários nada.

    Espero que dê certo pra você mudar de curso, e que você goste bastante, haha. :3

    Beijinhos ;*

    ResponderExcluir
  3. Quando eu comecei a ler o post já imaginava que você tinha pedido a transferência do curso. Eu nunca fui fã de Educação Física, e acredito que o curso geralmente (quase nunca) é o que nós idealizamos. Agora, por mais que o aluno seja apaixonado por aquilo que escolheu, um professor chato e, convenhamos, pra lá de frustrado, pode acabar com isso. Que dê tudo certo no seu novo curso! Um beijo : *

    www.fleurdelune.com.br

    ResponderExcluir
  4. "This is my design, como diria Will Graham, de Hannibal." HAUHAUAHUA, ~~morta.

    Caramba, não tem pior coisa do que professor sem amor à profissão, sério. Tive vários deles durante minha graduação e até no mestrado, é completamente irritante (e triste, se for parar pra pensar). No caso da graduação é ainda pior pois não temos pessoas formadas e ensinadas a ensinar (!), geralmente temos arquitetos caindo de paraquedas e sem traquejo nenhum pra dar aula. Por isso eu resolvi fazer meu mestrado há dois anos atrás, e não poderia ter feito coisa melhor.

    Então, Mia, te desejo tudo do melhor no novo curso! Meu avô é formado em Letras, num dos primeiros cursos do estado, e acho isso lindo. É um curso incrível, mas acho que tem que ter afinidade e amor pra fazer - e isso, pelo visto, você tem e de sobra.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. Honestamente, a pior coisa que um aluno (futuro professor ainda por cima) pode ter durante a formação é um professor profissionalmente frustrado lhe dando aulas. Eu não queria dar aulas desde o princípio, mas as minhas professoras eram grandes incentivadoras, e isso tornou a parte do curso relacionada à licenciatura menos difícil de lidar. Caso contrário, eu acho que eu faria como você e procuraria outra coisa que me apetecesse.

    Agora, me dê um abraço, e bem-vinda à área de Letras! Espero que dê tudo certo na sua mudança de curso. Você pode até se deparar com uma matéria que não vai gostar tanto, mas nada igual a Ed. Física. Beijinhos! :)

    ResponderExcluir
  6. Mas gente.. guria o que você passou nesse dia é pior do que todos os clientes chatos e prepotentes que eu tenho que aturar no trabalho! Que horror!

    Eu vou começar a fazer Letras esse semestre, mas pra ser intérprete/tradutora (Deus que me livre e guarde da tristeza de uma licenciatura) mas NOSSA que coisa TRISTE! To me sentindo mal por ti, mesmo... Porque esses tipos são o pior tipo de GENTE (perceba que nem falei profissional porque isso é uma coisa que esse cara claramente não é!) parece que o objetivo de vida deles é foder com a vida de todo mundo e deixar todo mundo tão frustrado quanto... Cruzes!

    Mas espero que você consiga pelo menos aproveitar o curso de Letras né? ;~

    beijo!

    ResponderExcluir
  7. Nossa, fiquei com aflição só de ler o seu relato. Apesar de nunca ter tido aula teórica de Educação Física (meu Deus que morte), tive um bocado dessas matérias que dão sono, desânimo, vontade de abrir um livro e dar uma volta e nunca mais voltar. Sou menos disciplinada que você e nessas horas sento mesmo lá no fundo com meu livrinho e saio pra tomar água e fico meia hora papeando no corredor. Não me orgulho, mas só quem passou por Economia e Teorias da Comunicação II com a pior professora do mundo podem me julgar.

    Mas sabe de uma coisa que me irrita MUITO em alguns professores: O fato de eles descontarem suas frustrações profissionais com os alunos. Cara, acho o fim da picada essas pessoas que chegam na sala de aula pra desmotivar quem tá estudando, é desrespeitoso. Pior ainda quando ele quer culpar (???) quem não tem nada a ver com a história por uma brecha de lei sei lá das quantas. Nossa nem conheço e já detesto pacas hahaha
    beijo!

    ResponderExcluir
  8. Já tive uns professores assim (e acontecia muito de eles olharem pra minha cara, achar que eu daria uma boa terapeuta e começar a contar todas as frustrações deles desde a infância), portanto eu senti sua dor daqui. Olha, vai enquanto ainda é tempo e boa sorte.

    ResponderExcluir
  9. nossa que morte horrível professores que usam a sala de aula como sala de terapia :S

    ResponderExcluir
  10. Ai gente, que horrível!
    É um absurdo esse cara que tá lá pra ensinar alguma coisa, jogar um balde de frustração em cima de quem tá ali buscando o mínimo de incentivo pra continuar.
    Eu confesso que muitas vezes achei que estava no curso errado, mas foi justamente por professores apaixonados pelo que faziam que encontrei o que eu gostava de fazer no meio do leque enorme que é a arquitetura e o urbanismo.
    Ainda não trabalho com o que eu amo, mas um dia chego lá.

    Que bom que ao menos serviu pra você buscar um curso mais a vê com você, tenho certeza que será enormemente feliz em Letras (que aliás morro de vontade de fazer um dia, quem sabe. ♥)

    (Como assim uma pasta destinada ao Salém? Amei demais saber. hahaha)

    Beijão. <33

    ResponderExcluir

 
Wink .187 tons de frio.