Um, dois, três.

Um, dois, três. Um, dois, três. Um, dois, três. Eu consigo. Basta ir aos poucos. Um, dois, três. Tum. Tum. Tum. Um, dois, três. Eu não vou conseguir, não dessa vez. 

Meu coração está quase saindo fora do meu peito. Correr pela floresta não adianta mais, eles já sabem o caminho, eles sabem como me rastrear. O sereno da noite, o ar gelado da vegetação fechada, só faz com que meu peito doa a cada respiração. Um, dois, três. Eles estão chegando mais perto. Folhas secas, molhadas, gosmentas se grudam a meus pés. Minha túnica está rasgada, meu rosto lacerado, galhos batem em mim por toda a parte, mas não posso parar. Um, dois, três, eles vão me pegar. 

A única coisa que vejo ainda é a lua, cheia, brilhante, amarelada. Nunca a vi tão grande. Não sei se ela tenta me proteger ou se está ajudando-os a me encontrar, iluminando meus rastros. Um, dois, três. Respiração ofegante. Dessa vez será o meu fim. 

Eu sabia que chegaria a isso, eu sabia que não deveria tê-lo feito, mas jamais poderia renunciar a um chamado de Hécate, a um chamado da lua, a um chamado de bruxa. Um, dois, três. Bruxa. É o que eles dizem. Sou apenas uma serva da Deusa, não uma adoradora do diabo. Mas eles não sabem parecer saber a diferença. Um, dois, três. Mal consigo respirar agora. Mal consigo pensar. Não é hora para reflexões, eles vão me pegar. Um, dois, três, é melhor parar. 

Saco meu punhal, ajoelhada em meio a folhas gosmentas, pedras e apenas os sussurros da floresta me fazem companhia. Tum, tum, tum, eles estão se aproximando. Um, dois, três, posso ouvir seus passos. É agora, tem de ser, uma filha da lua não pode morrer nas mãos de homens. 

É tarde demais. Estou amarrada, sinto o calor crescer de baixo pra cima. Não consigo respirar, mas ainda consigo pensar. Não quero pensar. Não quero sentir. A dor dilacerante é quase insuportável, mas não consigo desmaiar. O olhar das pessoas parece me sustentar nesse picadeiro. A dor no peito é mais forte do que a dor das chamas. Não mais respiro, mas ainda sou. 

A correria acabou.


4 comentários

  1. Eu sei que não tem nada a ver com o post, mas poxa saudades layout marrom e vermelho! <3 Era a sua cara, afinal você é fã de marrom! ASUHUS
    Olha eu mecho com layouts e taus, se quiser uma mãozinha :D

    ResponderExcluir
  2. Gostei!! Ficou bom, ainda mais com esse toquezinho de mitologia grega <3 mas ainda é muito horripilante pensar que isso aconteceu de verdade =s que mostros horrível é o ser humano!

    beijo!

    ResponderExcluir
  3. Me deu um arrepio na espinha lendo essa crônica. Naquela época era assim mesmo, né... queimavam a pobre moça e o pobre gato preto.

    ResponderExcluir
  4. Curto, simples, direto e tocante. Amei <3

    ResponderExcluir