Milord! Milady!

Orlando
Virginia Woolf
Editora Penguin Companhia
344 páginas
Ano de publicação: 1928 

Sobre o que é: um cara chamado Orlando é um dos queridinhos da Côrte inglesa na era elisabetana - Elizabeth I, a rainha virgem - que, um dia, após uma decepção amorosa terrível por conta de uma princesa russa, se vai pra Turquia ser embaixador da Inglaterra. Lá acaba dormindo por uma semana inteira enquanto o país está sendo invadido, a revolução acontece e todo mundo no palácio morre; só não o matam porque acham que ele já está morto tamanha é a densidade de seu sono. Então a mágica acontece e, BAM, ele acorda mulher. MAS TÁ TUDO BEM, não há por que se alarmar. Então o senhor/senhora Orlando vai caminhar na floresta enquanto o lobo não vem e se junta a alguns ciganos, até que decide voltar à Inglaterra e viver sua vidinha de senhorinha nada convencional. Nisso se passam alguns séculos, porque Orlando vive quase 4 séculos tendo eternamente 30 anos. 

Por que ele é bom? Vocês leram sobre o que ele fala? Carinha da Côrte inglesa elisabetana vive, até os 30 anos, como homem. A partir de então, passa a ser mulher, simplesmente porque sim, porque acordou com uma vagina. CÊS AINDA TÊM ALGUMA PERGUNTA DO PORQUÊ SER BOM? Eu não. Mas continuo. 

O fato é que esse foi meu primeiro contato real com Virginia Woolf, essa escritora maravilhosa com quem partilho aniversário - orgulho ♥ bobo. Já havia tentado ler Mrs. Dalloway, porém não havia conseguido porque me perdi naquele fluxo de consciência. Até que um dia a dona Fran propôs o desafio da leitura coletiva de Orlando. Não fazia ideia do que se tratava o livro, mas queria ler a autora há muito tempo e topei. MELHOR DECISÃO DA VIDA. 

Fora o fato de que o livro trata sobre questões extremamente atuais, como o conceito de gênero, o machismo presente na sociedade e também algo muito particular àqueles aspirantes a escritores: a paixão pela literatura e, consequentemente, pela escrita. Mas realmente creio que o mais interessante é ver como a dona Virginia transparece suas reflexões através da narrativa - afinal, a história é contada como se fosse através da visão de um biógrafo onisciente. 

♫ Ser um homem feminino 
não fere o meu lado masculino
se Deus é menina e menino 
sou masculino e feminino ♪ 

Por que ele é ruim? Não é. Simplesmente entrou pra minha lista de favoritos da vida - aliás, 2015 tá sendo um ano cheio de livros favoritos, que coisa maravilhosa. Se eu tivesse de escolher algum ponto pra dizer que "ah, mas isso não foi lá essas coisas" seria apenas que: demorei um pouquinho pra engrenar na leitura porque estava ESPERANDO algo acontecer, esperando um ponto central da trama. E não é bem assim. 

Mesmo após Orlando acordar transformado em mulher, isso ocorre de forma tão natural que não chega a ser um acontecimento drástico. Sim, ele agora é ela. Mas é a mesma pessoa. A atração por mulheres é a mesma. O gosto por coisas tidas como sucintamente masculinas também. Demorei um tempo pra entender que a história não é sobre o processo, mas sim sobre como se dá o processo. Aquele velho ditado de que a jornada é mais interessante do que o destino. 

Espreguiçou-se. Levantou-se. Ficou de pé completamente despido diante de nós, e enquanto as trombetas soavam Verdade! Verdade! Verdade! não temos escolha senão confessar — ele era uma mulher. (p. 99) 

Ou seja: o livro é genial. Eu é que não estava acostumada a ler algo de Virginia Woolf. 

Se eu recomendo a leitura? SIM ♥ Não tem como não recomendar um livro desses. Porém, se você começar a leitura e quiser parar porque "não está acontecendo nada", apenas insista mais um pouquinho e se dê conta de que muitas coisas acontecem no nada. É uma biografia da vida de um cerumano de quase 4 séculos: coisas acontecem. Mas isso não é importante. O importante é como se lida com os acontecidos. 

Em um quote: 
“Estou crescendo”, pensou, pegando a sua vela. “Estou perdendo minhas ilusões, talvez para adquirir outras novas”. (p. 124) 

9 comentários:

  1. Eu não curto muito esse gênero, mas adorei a premissa e sua resenha me encantou
    beijos

    http://myself-here1.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. A maioria dos livros que tenho vontade de ler tem resenha aqui no seu blog e a minha vontade de ler só aumenta.
    Mil Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Olá :) Amei a sua resenha, tá ótima! *-* É a primeira que leio sobre essa obra. Nunca li livros da autora Virginia Woolf, mas, sinto muita curiosidade. Sem dúvida, esse livro merece ser lido, possui um enredo instigante e diferente, nunca li nada parecido. Sua resenha fez eu sentir interesse. ;) Beijos!
    Blog: http://my-stories-wonderful-books.blogspot.com.br/
    Página: https://www.facebook.com/BlogWonderfulBooks/

    ResponderExcluir
  4. [Capiroto cospe e lustra meu lugar no inferno]
    Basicamente, talvez o romance mais cobiçado dos transgêneros com horror de rugas ♪
    [/Capiroto cospe e lustra meu lugar no inferno]

    ResponderExcluir
  5. o livro realmente parece bom,nunca li nada da virginia mas fiquei curiosa.

    ResponderExcluir
  6. Acho que nunca tinha lido a sinopse desse livro, apesar de todos os comentários positivos sobre ele que já li, e caramba... estou impressionada!!! Não imaginava uma premissa igual a essa, juro! Agora, com certeza, quero ler. Nunca li nada da autora, mas quero mudar isso muito em breve.

    Amei o post!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oii gente... que livro estranho hahaha
    Nunca li nada da autora e confesso que esse também não chamou a minha atenção, então vou passar kk

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  8. Oie, tudo bom?
    Nunca li nada da Virginia Wolf, mas conheço suca carreira de sucesso. A premissa desse livro é UOU. Achei curioso, criativo e ousado.
    Beijos,
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Gostei da resenha e achei interessante o livro, mas ele não é para mim, eu não o leria, pois não faz meu estilo e nem me sinto pronto para a mesma...

    Abraços e até!

    http://lendoferozmente.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

 
Wink .187 tons de frio.