I think I made you up inside my head

The Bell Jar 
Sylvia Plath 
Editora Harper Perennial 
244 páginas 
Ano de publicação: 1963 

Sobre o que é: uma garota chamada Esther consegue um estágio dos sonhos durante o verão: numa revista em New York para trabalhar diretamente com a editora, indo à festas, comendo maravilhosamente bem e ganhando roupas e maquiagens para ficar auxiliando e aprendendo o trabalho de jornalista numa grande revista feminina. Tudo parecia estar bem, até que lentamente Esther se dá conta de que não, nada está bem, as coisas não poderiam estar piores. E daí por diante as coisas degringolam de uma forma absurda e assustadora. 

Por que ele é bom? É até difícil dizer que um livro desses é bom quando se conhece a história da autora, Sylvia Plath. Esse é um romance semi-autobiográfico, ou seja: Sylvia criou a personagem Esther baseada em si mesma e a história contada segue a sua própria, mudando uma coisa ali e acolá. 

Um sentimento de ternura encheu meu coração. Minha heroína seria eu mesma, apenas disfarçada. (p. 120) 

É um livro sobre uma garota que lentamente se descobre com depressão. Ele começa leve, como todos os romances jovens, e vai afundando, afundando, afundando aos pouquinhos, tão aos poucos que o leitor mal percebe o que há de errado com Esther e só se dá conta quando a coisa está realmente escancarada. Assim como na vida real: os sintomas da depressão são tão sutis que muitas vezes apenas após uma grande crise estrondosa é que vamos nos dar conta da presença dela. 

Esther tinha tudo para estar feliz: uma bolsa de estudos numa faculdade de elite, um estágio numa revista feminina superfamosa, planos de ser uma correspondente de guerra, virar uma escritora, escrever sobre suas experiências... Era mega aplicada, uma aluna excelente, ia à festas, se vestia bem, era bonita, tinha um namorado... E mesmo assim se descobriu sem ânimo para absolutamente nada. 

I felt very low. I had been unmasked only that morning by Jay Cee herself and I felt now that all the uncomfortable suspicions I had about myself were coming true, and I couldn't hide the truth much longer. After nineteen years of running after good marks and prizes and grants of one sort and another, I was letting up, slowing down, dropping clean out of the race. (p. 29) 

A redoma de vidro é um livro extremamente delicado, numa progressão densa, tensa, porém muito bem escrito - tão bem escrito que consegui lê-lo em inglês sem problema algum. 

Por que ele é ruim? Não é. Ponto. Ao menos não no ponto de vista estético. O problema é que: a gente sabe que a Sylvia Plath teve uma vida BEM ferrada, se matou logo após escrever esse livro, inclusive e essa é uma obra semi-autobiográfica. OU SEJA: é triste.


Se eu recomendo a leitura? SIM, MAS É CLARO QUE SIM, porém talvez não agora. Porque, veja bem, se você estiver meio down, numa vibe não há esperanças para a humanidade, não toque no livro. Sério. Porque você vai ficar mal pra caramba e isso não será nada legal. Você se pegará chorando no ônibus lotado e as pessoas vão ficar lhe perguntando o que diabos está acontecendo em sua vida o que há de errado. Sério. Baseado em fatos reais. 

Em um quote: 
Eu queria dizer pra ela que se apenas houvesse algo errado com o meu corpo seria bom, eu preferiria ter qualquer coisa errada com o meu corpo do que com a minha cabeça, mas a ideia parecia tão complexa e cansativa que eu não disse nada. Só me enterrei ainda mais pra baixo na cama. (p. 182) 

Este post faz parte do Desafio 50 livros de 1900 para ler antes de morrerConfira aqui a lista com todos os títulos que pretendo ler até agosto deste ano. \o/   

"Cerro os olhos e cai morto o mundo inteiro
Ergo as pálpebras e tudo volta a renascer
(Acho que te criei no interior da minha mente)" 

14 comentários:

  1. Oi
    Se não me engano esse livro esta na lista da Rory de Gilmmore Gilrs ne?
    Em fim. Do jeito que ando ultimamente ia adorar esse livro e chorar horrores, ando sensível, mas me chamou atenção sobre o assunto.
    beijos
    http://estudiodecriacaoblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Que resenha gostosa.
    Me decepcionei com o final da resenha, pois hoje me bateu a bad e eu já pensei: poxa, esse livro é para mim. Mas ai tu não recomendou pra quem ta com bad... já marquei ele no skoob e quando a bad sair eu leio.
    Não conhecia a história da autora, vou dar uma pesquisada no livro e na vida dela!
    Bjs, bjs

    ResponderExcluir
  3. Oie
    nossa, parece ser uma leitura bem complexa e que com certeza chamou minha atenção, principalmente o quote, adorei, sua resenha ficou ótima

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. oi mia! gostei da sua resenha! esse livro vive aparecendo na minha timeline no twitter hahaha e meio que acho que já passou da hora deu ler né? só não sei se o timing agr tá bom :P tô lendo um monte de romancezinho bobo por agora hahaha

    http://thymsn.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Eu tenho uma amiga que ama Sylvia Plath, ela já me recomendou este livro também. Mas realmente, é preciso estar no momento certo pra ler, penso eu, por isso ainda não criei coragem para ler. As únicas coisas que li de Sylvia até agora foram alguns poemas, mas conheço a história dela e a acho incrível. <3

    ResponderExcluir
  6. Oi Mia, sua linda, tudo bem?
    Ano passado eu li o livro Redoma da editora Globo Alt e adorei, fiquei impressionada com a experiência que eu tive. E ele cita a Redoma de Vidro da autora Sylvia Plath. E desde então, eu quero muito ler esse livro. Realmente a história dela é muito triste, mas tenho certeza de que valerá a pena. Gostei muito da sua resenha.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá flor, não conhecia a obra e achei a dica ótima. Acho que ainda não cheguei a ler nenhum livro com essa temática de depre, kkkk
    Já vou anotar aqui. Parabéns pela resenha!

    Abraços
    Literaleitura

    ResponderExcluir
  8. Não conhecia o livro e fiquei muito curiosa para ler. Confesso que conheço muito pouco de Sylvia Plath. E adoraria ler mais suas obras, principalmente, sua poesia.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Eu ainda não tinha ouvido falar dessa autora, mas fiquei bastante interessada com o assunto tratado no livro.
    Acho que depressão é uma doença que deveria ser tratada de forma melhor do que é atualmente, a maioria das pessoas não dá a devida atenção ao que ela pode causar as pessoas.
    Com certeza leria esse livro, acho que não nesse momento, mas leria.
    Adorei sua resenha.

    Beijos
    http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Olá, eu não conhecia o livro e nem a autora, mas achei bem diferente e interessante o livro, o jeito que ele parece mostrar com uma delicadeza a depressão. Espero poder lê-lo algum dia.

    Visite "Meu Mundo, Meu Estilo"

    ResponderExcluir
  11. Eu gosto da proposta e adorei sua resenha, estou querendo um livro do gênero pra ler. Obrigada por ter me oferecido a resposta de qual escolher ^^

    ResponderExcluir
  12. Pela capa parecia um livro adolescente, mas fui vendo a resenha e nossa, que legal.

    ResponderExcluir
  13. A sinopse do livro me deu uma ideia bem clara do que o livro quer abordar e mesmo não sendo meu tipo de leitura, é um livro que, depois de ler a sua resenha, eu fiquei com muita vontade de ler.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Gosto de livros intensos e com certeza o aviso sobre a leitura ser pesada muito válida para quem não tem estrutura para uma narrativa intensa como essa. Fiquei muito curiosa para ler esse livro. A resenha está ótima. bjs

    ResponderExcluir

 
Wink .187 tons de frio.