Vamos definir prioridades

Eu não procuro um amor.

Mas se um amor me encontrar que seja alguém com quem eu possa discutir o existencialismo de Sartre na cama. Quero poder falar de igual pra igual sobre a obra de Camus, sobre a visão da mulher de acordo com Simone de Beauvoir, sobre marxismo e luta de classes enquanto tomamos café da manhã. Quero poder conversar sobre viagens no tempo, física quântica, Doctor Who e clássicos das teorias de conspiração, como Eram os Deuses Astronautas? sem ser considerada maluca por isso. Colocar Mozart pra tocar a todo o volume aos domingos sem ter de ouvir suspiros profundos de mau humor canceriano pela casa, a lamentar por não poder ver um programa qualquer na tevê.

Não pode andar comigo no recreio quem não aceita minha maluquice. Aliás, não apenas aceita: precisa adorá-la. Rir junto da minha risada escandalosamente alta, não morrer de vergonha cada vez que eu começar a filosofar sobre os porquês da vida ou o que aconteceria se o ônibus mudasse de rota e nos levasse para o inferno enquanto toca Highway to Hell.

Certamente o cara não pode ser do tipo que quer mudar a mulher: se tem uma coisa que não faço é mudar por homem. E também JAMAIS aceitarei que tente atrapalhar meus estudos. Me alimentar de conhecimento é o grande amor da minha vida e o homem que se dispuser a concorrer ao cargo de good-old fashioned lover boy terá de aceitar que não há critérios de competição: livros são minha paixão primordial, ponto.

Aceitar minha individualidade; não apenas me deixar crescer, mas crescer junto de mim. Não encher o saco e me jogar na cara todo o meu drama quando eu estiver mal por conta de um dos trocentos traumas que carrego na alma, mas apenas silenciar e me dar um ombro pra deitar por uma meia hora: depois passa. Tudo passa.

Se um amor me encontrar que seja paciente, bonito, poético, delicado e firme.
Não quero nada menos do que eu. 

~se não for pra ser esquisito junto de mim, nem apareça~

4 comentários

  1. "Não quero nada menos do que eu". Genial o final do texto, Mia! Tomara que você consiga um amor assim, mas pelo visto, seu verdadeiro amor é você mesma - e é assim que tem que ser!

    Beijos, Vickawaii
    http://finding-neverland.zip.net

    ResponderExcluir
  2. Como sempre seu texto tem algo extremamente profundo e natural e mexe comigo quando leio. Muito bom <3 http://naotomocaf.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olha, se não tivesse que ser 'um cara' eu poderia indicar alguém pra vaga...

    ResponderExcluir
  4. Também penso assim, principalmente com relação aos meus amigos e amigas. Eu desejo um amor assim pra mim e pra todo mundo, aceitar e respeitar a individualidade do outro é o que a gente mais precisa ultimamente.

    Beijinhos,
    Amanda
    http://h-ellorosie.blogspot.com

    ResponderExcluir