menu
08 novembro 2017

Resuminho de outubro


A única coisa que está me segurando no momento é saber que só mais três semanas e eu entro de férias. SÓ MAIS TRÊS SEMANAS. 

Nunca tive um semestre tão exaustivo na faculdade. É trabalho toda a semana, provas que ninguém entende nada, colegas (vou nem falar dos colegas porque na verdade eles têm sido bem chuchus, mas já esgotei minha quota de lidar com pessoas no ano) e mais a vida social. 

Affs. 

Passei quase o mês inteiro atrás de fontes pra fazer uma reportagem gigantesca de seis páginas que preciso entregar semana que vem e ainda não está pronta, obviamente. Nessas de ir pra lá e pra cá pra tentar achar gente que fale sobre o tema em questão, acabei num culto sul-coreano que tem elementos judaicos, mas que tá aqui no Rio Grande do Sul. Vejebem. Tive de usar inclusive VÉU pra poder entrar e entrevistar as gentes de lá - que não queriam dizer nadinha dessa fé estranha deles. 

Eu adoro escrever sobre religiões porque acho bizarro e misterioso como as pessoas se atiram nessas fés e mudam completamente suas vidas por causa delas. No caso desse culto sul-coreano-judaico, por exemplo, uma das mulheres que entrevistei tem mestrado em direito. Não é uma mulher sem instrução (como vergonhosamente a gente ainda pensa que é a maior parte do povo religioso), mas uma pessoa que realmente fez graduação + pós e trabalha numa firma de advocacia. E MESMO ASSIM usa véu, se tapa toda e diz que as mulheres são inferiores aos homens porque assim diz a Bíblia. 

A coisa é bem louca. 

Fora isso, também passei três semanas atrás de gente do veganismo pra falar sobre a produção de queijos veganos e por que as pessoas estão cada vez mais indo pra esse caminho. Descobri muita coisa (tipo receita de queijo de batata que "fermenta" com limão) e tive ainda mais certeza de que meu caminho é bem longe do veganismo. Desculpaí, pessoal, mas não rolou comigo. 

(Inclusive, tem um povo fazendo RAÇÃO VEGANA PARA ANIMAIS e o post de divulgação que fizeram dessa ração supimpa tinha a foto de um cachorro com uma cara de desânimo olhando pra suposta ração e a seguinte legenda: "ração sem sal, sem açúcar e sem carne - seu pet vai amar!" e eu fiquei pensando se alguém realmente compra essa ideia ou se é só zoeira porque não é possível.) 

#EXAUSTA

Passei o mês inteiro maratonando Merlin e terminei exatamente no dia 31. Acabei de maratonar todos os 8 episódios disponíveis de Outlander e, por mais que eu ame demais essa série, o vazio que Merlin deixou é grande demais e sinceramente aceito sugestões de séries bacanas e que preferencialmente se passem num período tipo Idade Média pra me distraírem durante esses dias de final de semestre. 

Mas tenho uma coisa a dizer: ARTHUR MERECIA MAIS! Ainda não superei o final de Merlin e vocês ainda vão me ouvir falar muito disso porque não é possível. A gente conhece as lendas, leu trocentas histórias arthurianas, mas continua com o coração triste cada vez que chega ao final de uma delas. Affs. 

.links.links.links.

Outubro é o mês do terror e todo mundo sabe disso, então escrevi muita coisa sobre porque não me contenho - e teria escrito mais se tivesse tido tempo, mas a vida universitária me impede de me dedicar ao terror como eu queria. Como não tive muito tempo pra ler muita coisa além do que era necessário (e dos livrinhos, porque sempre há livrinhos, mas isso fica pra outro post), vou ser bem narcisista e falar do que escrevi e do que as amigas também escreveram lá no Valks. 

♥ Li Brida, do nosso Mago* favorito, e escrevi sobre ele lá no Valks pra semana especial de dia das bruxas. Sei que rola todo um preconceito com os livros dele, mas vale a pena deixar esse ranço de lado e curtir uma boa história. Tá tudo em Brida: descobrindo as bruxas que moram dentro de nós

♥ Também pra semana especial de dia das bruxas escrevi um textão que virou meu orgulho tanto porque amei escrevê-lo quanto porque descobri que tem muito mais gente por aí que curte história do que eu imaginava. Ana Bolena: de rainha protestante a bruxa usurpadora é o meu texto queridinho e vocês precisam lê-lo pra entender como a forma mais fácil de condenar uma mulher e retirar seu poder era apelar pra acusação de bruxaria. Ana merecia mais.

♥ Ainda no Valks rolou um texto super bacana com indicações de filmes de terror. Esse não fui eu que escrevi, mas as indicações estão boas. Mulheres e terror: 8 filmes para o dia das bruxas tá valendo a leitura. (E vamos lembrar de que a gente não precisa ver filme de terror só no dia das bruxas, né?) 

♥ Aqui no blog também teve especial dia das bruxas porque eu realmente não me contenho e precisava escrever sobre. Falei que meus filmes preferidos são filmes de terror e já indiquei alguns pra o pessoal ver e levar uns sustos. 

♥ Escrevi também sobre a minha experiência pessoal a respeito de como a intolerância religiosa cria o mito da bruxa em Como se faz uma bruxa. Tá pesadinho, mas é real. 

♥ Pra encerrar, reli e revi O Exorcista e falei sobre como o que a guria tinha era uma doença e não o demônio, mas o verdadeiro terror é pensar que muita gente doente já morreu por conta dessa mania de culpar o demônio por tudo. 

UFA, é isso aí. 
Praticamente zero de vida pessoal e muita produção porque final de semestre é sempre essa correria que me deixa 200% mais irritada e sem tempo pra nada. Mas vamo que vamo que faltam só três semanas pra essa palhaçada terminar. 

Que Lestat nos ajude. 

* Coloquei um asterisco porque fui divulgar o texto no twitter e O MAGO CURTIU MEU TWEET 
AAAAAAAAAAAAAAAAH 


Não sei vocês, mas esse é o tipo de coisa pelo qual vale a pena ter um twitter. Meu deus, eu amo demais a internet. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial