menu
16 março 2018

A blogosfera ainda pode ser legal

Mudei o layout. O que, aparentemente, não significa nada, mas como eu sou eu e tudo possui um grande significado - mesmo que apenas inventado -, o novo layout do blog tem um porquê. 


Há alguns anos, quando a internet era apenas mato, descobri o mundo dos blogs. A descoberta foi acidental: logo que consegui ter acesso à internet, que demorou pra chegar onde moro, uma das minhas primeiras extensas pesquisas sobre assuntos pelos quais era obcecada foi sobre cinema clássico. Cresci lendo e relendo uma coleção gigantesca de revistas antigas da minha mãe, cheias de fotos de artistas dos anos 30, 40, 50 e reviews de filmes todos trabalhados no glamour da época. Não foi difícil me apaixonar por toda aquela atmosfera hollywoodiana dos tempos antigos e, é claro, assim que consegui pôr as mãos num computador com internet fui logo pesquisar sobre as artistas de antigamente. Uma dessas pesquisas me levou a uma foto lindíssima da Sophia Loren com um decotão maravilhoso. Cliquei no link da imagem e me deparei com o primeiro blog que li: o blog da Lolla

Eu não sabia o que era um blog. Não fazia ideia do que estava lendo. Só sabia que gostava de ler as coisas que a Lolla postava sobre sua vida em Londres e adorava ver as fotos que ela tirava de comidas bonitas, paisagens de tirar o fôlego e decorações que ainda me inspiram sempre que vou fazer algo diferente em algum ambiente. Foi através do blog dela que conheci outros e virei uma leitora assídua de blogs, afinal eu havia descoberto que a internet não existia apenas como um depósito de conhecimento e memória cultural, mas também como uma espécie de journal (ou diarinho mesmo) em que qualquer pessoa poderia falar sobre qualquer coisa, mesmo que a coisa fosse um almoço que fez num local bacana ou uma conversa entre amigas sobre a vida, o universo e tudo o mais. 



Não demorou muito pra que eu percebesse que queria fazer parte dessa turma também. Essa turma bacana de blogueiras old-school me mostrou que pra ter meu próprio espaço eu não precisava ser interessante, linda, divertida ou viajar pra lá e pra cá pra mostrar produtos: eu só precisava ser eu mesma, até porque ninguém estava interessado em vender um produto em seus blogs (okay, blogs de nicho sempre existiram, mas não eram tantos e não é dessa turma que estou falando). As pessoas apenas escreviam sobre coisas que lhes importavam e assim amizades eram feitas e a gente se sentia segura, confortável e feliz em ter um espaço onde se podia ser quem se é sem que as pessoas esperassem algo muito além disso. 

Faz dez anos que estou nesse mundo da blogosfera e nesses anos as coisas mudaram bastante. A maior parte dos blogs que eu acompanhava foram fechados. Outros continuam, mas parece que ninguém mais quer falar apenas sobre suas diarices na internet pelo medo de serem julgados, pela desconfiança geral que se instalou ou simplesmente pelo sentimento de que precisamos ser um produto porque não bastamos como pessoas. Nossos desabafos migraram para o facebook, mas nem isso mais está sendo feito e eles já saíram de lá correndo porque o facebook - e outras redes sociais, a internet como um todo, na verdade - se tornou um local hostil, de brigas e lacração e de mil gatilhos pra saúde mental de todo mundo. Então o que resta são poucos blogs que ainda resistem e algumas contas no twitter com users totalmente anônimos pra que ninguém lhes encha o saco e pra que a reclamação possa ser feita em paz. 

Ou teremos de usar diários de papel novamente? (Deus sabe que os bullet journals não deram muito certo.) 

Então, chegamos ao ponto em que eu queria: o novo layout. 
Há algum tempo todo mundo que restou na blogosfera padronizou seus layouts e tudo virou responsivo. O que não é problema nenhum, obviamente, visto que o layout responsivo apenas faz com que tudo fique bonitinho e certinho na tela do celular. Quer dizer, não seria problema nenhum se fosse só isso. Mas não é. Isso porque os novos layouts responsivos seguem todos um padrão - se não seguissem não seriam responsivos, afinal de contas -, e esse padrão matou os layouts personalizados e bonitos e tornou tudo branco e sem graça e sem personalização alguma, apenas com um bannerzinho diferente, mas com as estruturas iguais às de quaisquer outros blogs. Os blogs viraram comerciais demais. 

Veja bem, não estou culpando os layouts. É claro que a mudança pra um layout responsivo não é o vilão da história, é apenas o caminho normal da tecnologia em nossas vidas - e se antes a gente esperava chegar em casa pra ler um post do blog da amiga, hoje podemos fazer isso tranquilamente pelo celular, seja no ônibus, na faculdade ou comendo aquele cachorro-quente duvidoso que você sabe que não vai cair bem, mas come mesmo assim. A questão é que tudo ficou impessoal demais e essa mudança nos layouts, pra quem acompanha a blogosfera há muito tempo como eu, é bem chocante porque se antes um layout traduzia a personalidade do dono do blog, hoje ele existe como uma ferramenta de likes e empreendedorismo. 

Eu só quero ter um espaço livre novamente. Um espaço em que eu possa escrever sobre o meu dia sem me preocupar com os acessos ao post, com o engajamento do público, com as malditas estatísticas. Eu quero a blogosfera de volta. 

Ela vai voltar com uma simples mudança de layout - que agora tá todo bonitinho e personalizado? Duvido muito. Mas também não vai adiantar eu ficar reclamando e sentindo nostalgia da minha adolescência e não fazer nada a respeito. Quer dizer, tem gente que sente muito mais nostalgia que eu porque realmente cresceu com a internet - e eu agradeço muito por não ter crescido com isso porque nem consigo imaginar como é ser uma criança/pré-adolescente hoje em dia e ter O MUNDO no seu celular e já ter ansiedade desde criança com as redes sociais, com a pressão estética, com a necessidade de likes. Que coisa horrorosa que virou a internet. 

E não é que tenha virado algo. Nós fizemos isso. Nós permitimos que os algoritmos das redes sociais nos deprimissem, nos fizessem acreditar que somos um produto e que precisamos vendê-lo e que nossa presença na internet precisa render dinheiro para que sejamos relevantes, sendo que era muito mais legal quando tínhamos trabalhos que não envolviam a internet e chegávamos em casa, ligávamos o computador e entrávamos no orkut pra ver os fóruns nas comunidades (sdds orkut). 

Não sou contra a internet. Nem poderia ser. Sou uma pessoa da internet e adoro as possibilidades que há nela. Mas não dá pra deixar de perceber que a vida era muito melhor quando precisávamos entrar na internet pra fazer algo e não agora, quando temos dificuldades em sair dela - e um medo terrível de cometer um deslize que seja e cair na rede em prints e distorções do que falamos ou do que somos. 

~Sheldon e eu somos a mesma pessoa quando se trata da internet~

Tudo isso pra dizer que: o layout não é responsivo. Sinto muito, mas quero um blog bonito e com a minha cara, como era antigamente. Dá um zoom aí no celular e seja feliz. 

Quanto às questões da internet estar se tornando um lugar ruim, tem gente que já falou muito mais e melhor sobre isso: o Hossein Derakhshan escreveu um texto gigantesco que tá lá no Youpix chamado A web que temos que salvar falando sobre quando ele era um blogueiro iraniano que foi preso por motivos políticos e de repente foi solto e descobriu que a internet virou essa maluquice de empreendedorismo pra todo lado. Esse eu li pra uma aula mesmo e concordei 100% com tudo o que ele escreveu, que total era o que eu já estava escrevendo neste texto aqui e só me fez perceber que tem mais gente pensando assim mundo afora - o que me dá um baita alívio, confesso. Outra pessoa que escreveu sobre isso foi uma menina já bem conhecida na minha bolha da internet: a Anna Vitória (cujo blog acompanhei por anos e agora acompanho no Valks mesmo, já que é uma das minhas editoras por lá - inclusive, prestigiem) escreveu um textão falando sobre basicamente as mesmas coisas que o Hossein e que eu, mas daquele jeitinho Anna Vitória de ser, com mil referências e conseguindo interligar as coisas. O texto se chama Pra internet ser legal de novo e acho que todo mundo já o leu, mas quem não o fez ainda bora lê-lo de uma vez porque não é apenas bem escrito como necessário e complementar ao que falei. 

BLOGS LEGAIS QUE CONTINUAM POR AÍ: 
- Milarga 
- BMRTT 
- Julie's 


É isso, gente. 
Vamos espalhar amor e coisas bacanas por essa internet porque de vibe errada já basta o resto. 

11 comentários:

  1. Mia do céu, eu amei!! O layout, a ilustração, ficou tudo maravilhoso e super a sua cara <3

    ResponderExcluir
  2. Sensacional!
    Primeiramente, obrigada por me adicionar na sua lista, estou corada aqui ahaha
    Segundo, muito lindo o layout, lembra o tempo que eu ia em lugares bonitos entender como funciona o css/html. ÓTIMOS tempos. Hoje eu percebo que existem sites que fazem sites, então você só clica e "edita" templates prontos, o que me leva a concordar com vc nessa padronização com a responsividade. Uma merda mesmo.
    Esse texto da Anna é maravilhoso, e vou ler o outro, porque é bem isso mesmo.
    Creio que evoluí bastante: apaguei duas contas de twitter, bloqueei minha timeline do facebook com um app do chrome, vou apagando coisas do on this day... E estou pensando e nao ter mais nenhuma conta para o blog em redes sociais. Não adianta, enquanto verifico isso eu poderia estar escrevendo né? É como querer ser escritor, editora e livraria ao mesmo tempo. Quem muito quer nada tem.
    Sobre a responsividade: é tão mais gostoso ler blogs sentada no pc que nem vou sentir falta. E sim, é só dar zoom ou botar em modo paisagem :D Os celulares estao tão "tijolão" de novo que nem dói.

    Sucesso nesse novo visual, nos novos posts, novas leituras... :D

    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Caraca, Mia, que post maravilhoso! Se eu pudesse, imprimia e estampava em todo lugar, porque é exatamente a síntese de tudo o que eu sinto. Não só sobre a blogosfera, mas inclusive o que você comentou sobre a onda empreendedora (sinto ódio real disso hahahaha) e de tudo estar ficando tão impessoal. Vou salvar pra vida também os textos que você compartilhou. ♥

    Eu me mantenho, e conheço alguns blogs que se mantêm sendo pessoais, como os que você citou (aliás, muito obrigada por citar o meu, fiquei até emocionada!). Não são muitos, não é uma tendência, mas que seja. O blog é algo pessoal, é meu espacinho no meio desse mar louco que é a internet, e simplesmente quero que seja do meu jeito. Espero que mais blogs continuem nessa vibe bacana, e principalmente que apareçam sempre pessoas novas criando seus espaços pessoais desse jeitinho.

    E, não poderia deixar de falar: o layout está lindo! A ilustra é maravilhosa, as cores são tudo de bom, dá aquela sensação gostosinha de entrar em um blog com a personalidade da autora. ♥

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Hey, Mia! Seu layout ficou lindo! E tudo o que você disse é verdade, e também que ainda há esperança para os blogs old school ;)
    Aliás, obrigada por acompanhar e indicar meu bloguinho =*

    ResponderExcluir
  5. Eu concordo com alguma coisa e discordo de outras escritas aqui nessa postagem. Bom, vamos lá.
    Eu comecei um blog com 14 anos (hoje tenho 21), me interessei por um tema específico e resolvi criar um blog para falar sobre isso, eu basicamente fazia posts de notícias e conheci muitos outros blogs do mesmo seguimento.

    No primeiro momento todos os blogs eram naquele padrão todo feioso de Templates do blogger, fazíamos de tudo para ter uma identidade, criar logos bonitinhos e coisas do tipo. Com o tempo fui aprendendo HTML e passei a deixar meu blog com aqueles Templates super coloridos e personalizados, tudo era colorido, gritante e exagerado, era bonito para a época, mas hoje em dia é brega, querendo ou não, mas é. Na época eu achava esses Templates maravilhosos, hoje em dia nem consigo ficar muito tempo em blogs assim (cheios de informações, florais, cores, etc). Assim como os logos (de marcas famosas) tudo vai se simplificando, pois quanto mais minimalista for um design, mais fácil se entende como o mesmo funciona, e no caso de um blog, mais fácil fica para assimilar o que realmente importa, o conteúdo; por essa razão acho que esse lance dos Templates foram uma mudança super positiva. E não é como se "antigamente" as coisas fossem melhores ou mais especiais, na verdade era a mesma coisa, a única diferença era que as blogueiras competiam para ver quem tinha o Template mais colorido, cheio de informações, gifs, etc, quanto mais coisas tinham em um blog "melhor" ele parecia, hoje quanto mais minimalista e responsivo "melhor", o principio continua o mesmo, só mudaram as necessidades.

    Em relação a ganhar dinheiro com blogs, verdade seja dita, foi um sonho realizado para muitas blogueiras e blogueiros, quem no passado nunca pensou como seria maravilhoso poder ganhar dinheiro fazendo o que mais se gosta, no caso, escrever/blogar? Hoje é uma realidade

    Agora uma coisa que não gosto e que está acontecendo MUITO (por causa de dinheiro) são blogs VENDIDOS. O que mais vejo atualmente (principalmente no meu nicho) são blogs que fazem propaganda de algo ruim apenas por conta de parcerias ou grana. Isso para mim é inadmissível! Mas é aquela coisa né, basta colocar dinheiro no meio que as máscaras caem...

    Concordo que hoje em dia nós realmente não conseguimos sair da internet, antes o blog era um escape, hoje em dia, parece que estamos presos a eles, precisamos deles e simplesmente não conseguimos sair, isso é um problema real dessa geração, mas sinceramente, não sei como resolver essa questão, ela é apenas real e aparentemente impossível de se evitar.

    Sobre os blogs antes serem pessoais atualmente não mais, depende muito, mesmo antigamente eu nunca acompanhava blogs pessoais, nunca nem tive referência de algum, os conteúdos que eu consumia eram outros, sempre existiram vários seguimentos de blogs e atualmente continua exatamente assim. Acho que com as redes sociais, hoje em dia é meio redundante escrever coisas pessoais, pois elas já estão em todos os lugares, você vai ao cinema e posta uma foto no Instagram, avisa no Twitter, comenta sua opinião no facebook, grava parte da situação no Stories, o que sobra para o blog? Complicado... Por isso entendo que muita gente parou de escrever diários em blogs, meio que parece que não há mais o que comentar.
    Bom, acho que esses foram os meus contos, como acredito que já tenha dado para perceber, não sou do tipo nostálgica, eu realmente gosto de mudanças e espero que a blogosfera mude ainda mais, que se torne algo completamente diferente sempre, pois do passado só quero pequenas lembranças, apenas.

    Eu adorei o template do seu blog, sei super tumblr, minimalista e chique. Parabéns!
    Adorei ter essa discussão aqui no seu blog, falar sobre a blogosfera é sempre bom *---*
    Beijinhos <3

    Toca da Lebre

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nanda!
      Sim, tu não é nada nostálgica hahaha Mas entendo. Eu também adoro mudanças e nunca curti layouts carregados demais. Acho que é bacana pensar também na questão de como o blog vai ficar em outras plataformas. Mas tem tido muita padronização atualmente e isso me incomoda porque fiz parte de um grupo na blogosfera de blogs sem nicho, só com gente bacana que não ficava naquela competitividade de que tu falou (sei que existiu bastante disso, mas era mais em outros tipos de blogs, não ao qual me refiro), então era uma experiência enriquecedora e que fazia da blogosfera um espaço seguro e legal.

      Quanto a parcerias: eu mesma tenho algumas e adoro elas. Só que só firmo parceria com editoras que realmente me interessam. Acho que ganhar dinheiro na internet com nossos blogs/sites foi algo muito bom, mas que se transformou num fardo porque começamos a cansar verdadeiramente disso tudo e só querer deslogar. E isso é um saco porque justamente este era o espaço que tínhamos pra relaxar, pra fazer amizades virtuais (toca Celso Portiolli ao fundo - se não conhecer vá pra o youtube agora e pesquisa isso porque melhor musiquinha hahaha)... E isso foi se perdendo. Não completamente, mas essa coisa mega empreendedora ferrou com muitos blogs cujos autores realmente compraram a ideia de que precisam ser um produto. Nada contra, inclusive, mas sinto falta da época em que blog era apenas blog e trabalho ficava em outro lugar.

      Não conhecia teu blog, mas adorei o layout dele também - que, ó, consegue ser minimalista mas sem estar tão dentro do padrão. Adoro quem consegue dar uma personalizada nas coisas.

      Beijo!

      Excluir
  6. Nossa, a referência de blogs abaixo me fez pensar: QUE SAUDADE DO BLOGROLL! Uma das coisas que mais me deprimiu quando todo mundo começou a ganhar dinheiro na internet é que nenhum blog tinha referência a outros. Inclusive, eu achei meus blogs preferidos em links dos outros e ficava com muita raiva quando isso não existia em algum blog que eu gostava porque imaginava que eu iria gostar das coisas também.

    Sei lá... eu amo a internet. Cresci aqui também e eu mesma já tentei ser relevante em algum momento quando antes era só postar demais (coisa que nunca fiz) mas aí quando me dei ao trabalho de ver o que precisava fazer vi que isso só não combina comigo e tudo bem. Tem dias que aqui é tóxico demais, mas ainda consigo ver coisas boas, consigo ver que meu blog é só um cantinho com memórias que gosto de compartilhar, mesmo querendo compartilhar mais, e um ambiente pra conhecer gente. Nada mais que isso.

    Esse assunto podia se extender tanto que to aqui me contendo pra esse comentário não ficar gigante já que tem tanta coisa passando na minha cabeça que às vezes só quero lembrar de uma coisa ou outra a mais. Enfim, hahaha.

    Ps: lindo layout. O meu é exatamente como você descreveu acima porque sabe como é né, a gente acaba achando beleza nisso de uma forma ou de outra.

    www.paleseptember.com

    ResponderExcluir
  7. Sempre dou uns gritinhos internos (ou não tão internos) quando alguém que acompanho na internet muda o layout do blog. Adoro ver esses detalhes e admirar a criatividade individual das pessoas, sabe?
    Inclusive, você totalmente podia fazer uns bicos como designer, porque OLHA. Eu não tenho nenhuma habilidade além da vontade, e os meus layouts são tão parecidos, quadradinhos e padronizados que chega a ser cômico. Então quando vejo um assim, bem elaborado e original, fico um tanto fascinada.
    Eu amei a menina do banner, principalmente porque ela tem uma meia lua na testa e eu amo elas (especialmente a lua crescente, porque é num formato de "c" de Carolina - esse tipo de coisa tosca me faz muito feliz, haha), o detalhe embaixo do título da postagem (não tenho a MENOR ideia de como introduzir algo assim), as cores... <3
    Basicamente: clap clap clap aqui. ;)

    Também tenho toda uma relação de grandes significados com os meus layouts. Eu nunca usei códigos predefinidos (além dos modelos básicos disponibilizados pelo site, claro) porque o blog é "meu" demais pra eu não sentir que estou agredindo seus propósitos se não inventasse tudo do quase zero, sabe? É um pensamento meio imbecil, mas sempre me senti assim, então elaboro todos eles do início ao fim - taí o motivo de serem tão limitados, mas amo mesmo assim. Faz sentido?

    Não acontece muito, e também por isso é um tanto emocionalmente pra mim (ai, que piegas) ver alguém citando meu blog. Obrigada. :)

    ResponderExcluir
  8. eu precisava desse post!!!! eu amava os layouts antigos, como muito gadgets, personalidade... hj os blogs ficam cada vez argh!!! o seu é incrível e eu te amo por n ter mudado ^-^. mudar faz bem, claro, mas manter a essência de blogs da época de 2009 é incrível aaaaaa <3

    ResponderExcluir
  9. Que post mais cheio de inspiração!! Vim aqui através de indicação do blog "Apenas leite e pimenta" estou me sentido grata por estar aqui lendo seu texto, quando li um blog pela primeira vez, também queria ter o meu próprio, mas minha mente era tão diferente que já comecei a pensar em ganhar algo, eu tinha 13 anos na época! Hoje o meu blog já está no seu terceiro nome, quando eu cresço e amadureço, o blog amadurece junto, eu penso sobre o meu inicio do blogsfera que me trouxe oportunidades para ser a pessoa quem sou hoje, me sinto grata! Hoje aproveito o máximo escrevendo coisas aleatórias sem esperar algo em troca, simplesmente amei seu texto <3
    Beijos
    www.mandyliine.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Cara, que post incrível.
    Sério. Eu tô simplesmente FELIZ e inspiradíssima com a maneira como você escreveu.
    Fazia muito tempo que eu não sentava e lia blogs pela internet, esse é mais um dos bons costumes que eu fui perdendo ao longo do tempo, a internet deixa a gente tão ansioso né? Então, hoje quando comecei a ler, num desses cliques aleatórios vi no blog Apenas Leite e Pimenta um link para esse texto, achei interessante e senti que faz parte de todo esse processo incrível que estou passando de auto-reconhecimento e fortaleza de convicções pessoais. A gente se perde né? Em meio de likes, comentários, visualizações, realmente tudo virou engajamento e nós tornamos a internet o que ela é hoje. E como esse mesmo poder, sei que podemos melhorá-la. Você fez sua parte escrevendo esse texto maravilhoso e eu vou fazer a minha propagando a sua ideia.
    Sério, seu texto é cativante <3
    Beijos.

    www.ultimobiscoito.com

    ResponderExcluir

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial