menu
16 novembro 2017

Brida

Brida
Paulo Coelho
271 páginas
Paralela
Ano de publicação: 2017 

Sobre o que é: nos anos 80, enquanto viajava pra os Pirineus, o Mago encontrou Brida, uma mulher que havia iniciado seu caminho na bruxaria há algum tempo. Ela contou a história de sua iniciação pra ele, que pediu pra escrever um livro sobre. Brida aceitou, e agora temos um livro lindo sobre o caminho de uma mulher se descobrindo bruxa. 

Por que ele é bom? Eu nunca, nunca mesmo, vou entender por que diabos as pessoas não gostam dos livros do Mago. Quer dizer, tecnicamente até entendo, mas acho tão babaca que meu cérebro simplesmente não processa. Essa vibe de "eu sou intelectual, uma pessoa profunda e só leio Dostoiévski" é de uma chatice e pedantismo tão grande que só reviro os olhos e passo longe porque não sou obrigada. Mas, seja como for, eu gosto muito dos livros do Mago e estou 100% nem aí pra quem diz que é literatura lixo. A literatura é boa ou ruim dependendo de quem a lê. O que é bom pra mim pode ser horrível pra outra pessoa e temos de aceitar isso e não ficar empurrando goela abaixo das pessoas um cânone feito basicamente de livros antigões (nada contra, adoro clássicos, mas...) e com linguagem rebuscada só porque tem gente que despreza as gerações atuais. Sinceramente, viu. 

Dito isso: o livro é lindo. ♥ 

Recebi ele em parceria com a Companhia lá pelo Valks, onde também escrevo e, apesar de já ter escrito um texto sobre ele por lá, precisava escrever aqui também porque as linhas editoriais são diferentes e a linguagem muda completamente na hora de escrever. 

Brida é, como eu disse acima, a história de uma mulher se descobrindo bruxa. Como ela conheceu o Paulo Coelho lá pelos anos 80, calculo que a iniciação dela tenha começado no final dos anos 70. Brida era uma pessoa normal, gente como a gente, mas que buscava algo a mais, tentava entender o universo e já havia feito vários cursos na área do esoterismo, do ocultismo e blablabla, mas ainda não havia achado o seu caminho. Até que lhe mandaram pra um mago que vivia isoladão numa floresta, e lá ela aprendeu a primeira lição da magia de acordo com a Tradição do Sol: a noite escura. Ela ficou uma noite inteira sozinha, na floresta, e teve de lidar com seus medos e encarar a si mesma. Só depois disso ela estaria pronta pra aprender o resto. 

“Mergulhamos na Noite Escura com fé, cumprimos o que os antigos alquimistas chamavam de Lenda Pessoal e nos entregamos por inteiro a cada instante, sabendo que sempre existe uma Mão que nos guia: cabe a nós aceitá-la ou não.”

No livro, Paulo Coelho diz que há duas tradições básicas: a do Sol e a da Lua. Uma ensina pelas coisas básicas do universo (como ficar numa floresta, em meio à natureza), a outra ensina pelos mistérios do tempo, ou seja, pelo tarot e outras coisas do tipo, como regressão, pra que a pessoa descubra seu dom, perdido em outras vidas. 

O que eu mais gosto no livro é que dá pra ver que o Mago realmente se baseou numa história real. Pode ser que ele tenha inventado alguma coisa, não duvido, mas pelo que eu conheço dos caminhos da magia, é bem por aí mesmo. Particularmente eu não frequento esses caminhos porque não gosto de religiões, seja elas quais forem, mas acho bem bacana quem vai atrás do que acredita e conheço muitas pessoas que estão nesse caminho (seja lá em qual tradição) e o que elas falam que fazem é basicamente o que está no livro mesmo. 

Não vou dar muitos spoilers porque é uma história bonita de se ler e ir conhecendo aos poucos, mas posso dizer que vale a pena e que tem umas mensagens bem interessantes, não importa a sua religião. Até porque, pra mim, o livro não é sobre ~magia~, mas sim sobre descobrir a si mesma e ao seu lugar no mundo - o que é uma busca universal pela qual todos passamos. 

"Vivo desistindo de tudo que começo", pensou, com certa amargura. Talvez, em breve, a vida começasse a perceber isso e parasse de lhe dar as mesmas oportunidades que sempre lhe dera. Ou talvez, desistindo sempre no começo, esgotasse todos os caminhos sem dar nem um passo sequer.

Enfim, recomendadíssimo. Não é o meu livro preferido do Mago, mas tá perto. 

Por que ele é ruim? Não é ruim, mas acho meio estranha essa coisa de colocar bruxaria e cristianismo lado a lado. Claro que entendo a vibe dos símbolos e de que a Deusa pode ser representada pela Virgem Maria e tal, só que a igreja literalmente matou trocentas mil bruxas ao longo dos séculos e é bizarro colocar uma bruxa dentro de uma igreja fazendo oração pra o Deus cristão. Okay, serve ao propósito do livro, mas achei um pouco incoerente. Porém, nada que atrapalhe a leitura (e é um momento bem bonito da narrativa, na verdade). 

Você vai gostar se... se interessa por magia, histórias da vida real com mulheres que vão atrás do que querem, livros de autodescoberta ou só quer dar uma chance pra o Mago e ver qualéquié dessa literatura dele de que as pessoas tanto falam mal (mas que na verdade é boa o suficiente pra ser lida em uma sentada).

Em um quote:

– Aceite o que a vida lhe oferece, e procure beber das taças que estão na sua frente. Todos os vinhos devem ser bebidos: alguns, apenas um gole; outros, a garrafa inteira.
– Como posso distinguir isso?
– Pelo gosto. Só conhece o vinho bom quem provou o vinho amargo.

7 comentários:

  1. 'mas acho meio estranha essa coisa de colocar bruxaria e cristianismo lado a lado. ' faz todo o sentido a mistura, afinal, o que seria do cristianismo se não bebesse de outras fontes? Tenho o livro e vou fazer releitura, não curto todos os livros do autor, os mais antigos são mais no meu estilo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, sim o cristianismo bebeu direto do paganismo e etc, só que pelo que eu sei as bruxas - quem pratica, de fato, bruxaria - não são muito fã disso. Mas enfim, achei incoerente, mas nada que prejudique a obra. :)

      Excluir
  2. Eu adoro os livros desse autor e fiquei fascinada pela sua resenha Mia, eu nunca realizei a leitura do mesmo e senti de cara atraída, além de ser uma edição linda, gosto de tudo que envolva bruxaria e cristianismo, por mais que se encontrem juntas, é para fazer o leitor refletir mesmo.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Li esse livro na adolescência e tive uma visão mara sobre poliamor :)

    ResponderExcluir
  4. Olá, como sempre você arrasando nas resenhas. Acho lindinha a capa desse livro. Preciso logo ler algo do autor (mas quero começar por O Alquimista, devo?).

    ResponderExcluir
  5. Oie
    eu ja li um livro do autor que foi onze minutos e gostei muito mas até então não tive oportunidades de ler outros e sinceramente magia e coisas do gênero não me atraem muito mas bem legal a dica

    beijos
    http://www.prismaliterario.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá! Já li esse livro e é muito interessante. Que bom você ter gostado. Achei ótima sua resenha. Com resenha, eu indico também. bjo

    ResponderExcluir

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial