menu
17 novembro 2017

O temido e horroroso final de semestre

Ele chegou e na última semana só me fez ter literalmente dores de cabeça que não passam. Não, elas não passam. Nem com paracetamol. Nem com ibuprofeno. Nem com neosaldina. Um pessoal já me falou que é tudo psicológico, mas honestamente eu acho isso até um insulto porque é como se a pessoa me dissesse que "uau, você só sabe se autossabotar". O que é bem a minha cara, na verdade, e provavelmente quem disse isso está certíssimo, mas pulemos o assunto. 

As últimas semanas têm sido o inferno. Além do final de semestre, do stress pelos trabalhos mil e do calor infernal que tem feito, decidi parar de tomar o remédio que estava supostamente regulando meus hormônios, e agora estamos aqui, com muita mais raiva do que o normal e querendo que todo o universo exploda num caos feito de antimatéria. 

Bem alegre, como podemos perceber. 

Mas okay, porque eu pensava: "hm, as férias estão chegando, mais três semanas e eu vou poder descansar". Porém essa semana tive uns dias sem aula e consegui maratonar 3 séries, ler um livro, organizar minha estante e me dei conta de que bateu um vazio porque eu sou essa pessoa agitada e vou fazer tudo o que tiver pra ser feito em uma semana e ficar me lamentando pelo resto dos três meses de férias, querendo logo a rotina da faculdade de volta, mesmo sabendo que isso é horrível e causa altas crises de ansiedade. 

~Janet chorandinho sem saber como porque não tem sentimentos é a minha única vibe possível~

Preciso arranjar algum projeto que me mantenha ocupada nas férias ou senão vou pirar e virar, sei lá, serial killer porque só falta um comentário babaca pra eu sair por aí matando pessoas com uma machadinha. 

Esse projeto deveria ser o de emagrecer pra poder caber nas minhas roupas novamente, porém eu consegui uma bela lesão no joelho que a recém está se recuperando e não posso forçar muito. Claro que vou retomar o projeto, mas não vou poder fazer aquela intensidade de que preciso pra me sentir bem, que é tirar 2h da manhã pra correr por aí. Não dá mais. Então vou ter de colocar toda essa energia reprimida em alguma coisa porque ficar parada vendo série, filmes e lendo livros não vai durar nem um mês (porque vou acabar com todo o catálogo antes, cês vão ver). 

A vida da pessoa intensa é deveras muito difícil. Não há moderação que me segure. 

Socorro. 

3 comentários:

  1. maaaaano do céu, finalmente achei alguém que se sente da mesma maneira que eu

    ResponderExcluir
  2. quando eu tava desempregada e fora desse mundo insano da graduação eu tinha tempo livre pra passar por tanta crise existencial que olha, era foda.

    em compensação, na correria que tá a minha vida agora eu já tô dando tela azul também. tô na facul pensando nas treta pra resolver, nos jobs acumulado. tô no job suando com a quantidade de serviço, com o fim de semestre, com as treta pra resolver. em casa tô lá no meio da cozinha parada pensando nisso tudo junto e misturado. CARAMBA! como que a gente aguenta? cabeça não descansa, a musculatura cada vez mais tensa e deve ter tanto nó que eu tenho medo de pedir massagem e tem ainda essa coisa maravilhosa chamada emocional que te desgraça toda e não tem remédio que tira toda dor de cabeça que tá surgindo.

    AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

    ResponderExcluir
  3. É sempre um dilema: quando estamos em aula, queremos que ela acabe; quando acaba, queremos que ela volte.
    Eu estou doida para que chegue as férias, fazendo mil planos... mas quando chegar o dia, não irei fazer nada.

    Olha só, você pode começar emagrecendo comendo comidas saudáveis. Depois quando estiver melhor, inicia os exercícios.

    ResponderExcluir

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial