menu
08 março 2018

15 dos meus livros preferidos escritos por mulheres

Hoje é o dia da mulher e se há algo que me incomoda são os parabéns que a gente leva nesse dia. Quer dizer, entendo que devemos ser parabenizadas por sobrevivermos num mundo que é claramente patriarcal, mas acho que o fato de uma ação do dia ficar apenas na parabenização não é apenas contraproducente como bem vazio. 

Como não está sendo possível fazer uma grande ação ou algo mais significante, decidi listar os meus livros preferidos escritos por mulheres porque se há algo que pode fazer a diferença no mundo é que nós passemos a consumir mais arte/literatura/cinema/música/trabalho feito por mulheres - só assim o mercado vai entender que temos espaço. Então bora. o/ 






As brumas de Avalon, da Marion Zimmer Bradley
Um dos meus queridinhos DA VIDA - inclusive, estou relendo todo o ciclo Avalon, que começa na queda de Atlântida e finaliza com As brumas, mas dá pra ler só As brumas de boas que não se ficará sem entender algo da história, é bem completinha, os outros livros são só pra os aficionados hehe. A Marion era uma baita escritora que fez algo revolucionário demais: pegou todas as lendas arturianas e as colocou com o foco nas personagens femininas!!!! É maravilhoso mesmo, melhor livro de fantasia, leiam já! 

A casa dos espíritos, da Isabel Allende
Reli no ano passado. Foi lindo. Já quero reler neste também. Isabel Allende é muito maravilhosa e só escreve livros bons, mas esse é o melhor de todos. Já falei muito sobre ele aqui no blog, mas não canso de dizer que esse livro deveria ser lido por todo mundo. Além da narrativa por ótica feminina e das personagens femininas fortes, o livro conta a história do Chile através da história das mulheres de uma família, durante três gerações. É simplesmente inesquecível. 

O morro dos ventos uivantes, da Emily Brontë
Era Vitoriana e uma jovem britânica que vivia trancada em casa escreveu um dos romances mais psicologicamente perturbadores de toda a literatura. As irmãs Brontë eram demais, mas Emily sempre será a minha favorita - não apenas por ter sido a primeira que conheci, mas também por ter sido a mais sombria delas, tanto que teve gente babaca que jurou que tinha sido o irmão dela o escritor do livro, já que as pessoas acham que na cabeça de mulheres só têm florzinhas e coisas bonitas, risos. Cathy Earshaw é uma das personagens mais reais da literatura e eu amo esse livro e amo a Emily por tê-lo escrito. 

A redoma de vidro, da Sylvia Plath
LIVRO DA MINHA VIDAAAA. Okay, vou me acalmar. Mas Sylvia Plath era uma alminha atormentada que conseguiu representar todas as alminhas atormentadas com esse livro sobre como é se perder dentro de si mesma enquanto há tarefas pra serem feitas e estudos pra serem estudados e uma carreira a ser cumprida. Mas já aviso: é um livro lindo, porém tem que ser lido na hora certa ou a deprê bate e não é de brincadeira. 

Orlando, da Virginia Woolf
Questões de gênero já sendo discutidas há um século, vejebem. Virginia Woolf também era uma alminha atormentada, mas soube transformar isso em histórias incríveis, como essa. Orlando é um homem que se transforma em mulher e vive durante séculos. AMO.FORTE. Além do plot, a escrita dela é uma delícia de ser lida, cheia de várias reflexões existenciais que fazem bem o meu tipo. É um ótimo livro pra se começar a ler Virginia Woolf. Recomendo fortemente. 

A face da guerra, da Martha Gellhorn
Eu amo demais essa mulher porque em plena década de 30 ela se mandou pra Guerra Civil Espanhola pra tentar fazer alguma coisa, mas descobriu que não podia ajudar em nada palpável então teve a brilhante ideia de escrever sobre os horrores da guerra sob a perspectiva de civis que estavam tentando apenas sobreviver em meio àquilo tudo. E foi assim que Martha Gellhorn se tornou a mais longeva correspondente de guerra do século XX. Nesse livro há uma compilação de crônicas de guerra que ela escreveu durante todo o século. DEVE SER LIDO!!!! 

O incêndio de Troia, da Marion Zimmer Bradley
Sim, eu amo demais os escritos da Marion Zimmer Bradley e ninguém vai me convencer de que eu não deveria. Ela tinha simplesmente O DOM da escrita - e isso era ainda mais forte quando escrevia sobre questões históricas, como a guerra entre gregos e troianos, como sempre sob a ótica feminina, através dos olhos de Kassandra, a profetisa a quem ninguém ouvia. Demais. Inclusive, preciso relê-lo. 

Papisa Joana, da Donna Woolfolk Cross
Descobri esse livro na biblioteca da escola, ainda no ensino médio, e já me apaixonei logo de cara pelo título porque comassim um papa mulher? Mas é exatamente isso que a historiadora Donna Woolfolk Cross conta. Baseada em muitos anos de estudo e pesquisas, ela chegou à conclusão de que a Papisa Joana existiu sim e decidiu escrever um livro maravilhoso sobre a vida dessa mulher que desafiou a Igreja Católica e foi apagada dos registros históricos oficiais. Claro que se trata de um romance histórico, não de uma biografia, mas ele não deixa de ser menos excelente por isso. 

O sol é para todos, da Harper Lee
Amo livros narrados por crianças, ainda mais se a criança em questão for uma menininha adorável vivendo durante a Grande Depressão, nos EUA, e descobrindo coisas horríveis como o racismo e o quanto as pessoas podem ser preconceituosas. É lindo lindo lindo demais. A Harper Lee fez um trabalho incrível e delicado e todo mundo deveria ler esse livro mesmo. 

A fada que tinha ideias, da Fernanda Lopes de Almeida
Nunca vou cansar de dizer que esse é um dos meus livros favoritos da vida porque ele é tão sensacional, em todos os sentidos, que todos deveriam conhecê-lo. Ele é infantil, porém é um livro infantil sobre uma fada que decide desafiar a rainha das fadas e basicamente todo mundo do céu porque se recusa a aprender do livro das fadas argumentando que ele é parado e que as ideias precisam se movimentar. E FOI ESCRITO DURANTE A DITADURA!!!! Revolucionário demais. 

Orgulho e preconceito, da Jane Austen
Durante o período regenciano Jane Austen já dizia grandes verdades sobre como a sociedade trata as mulheres como moeda de troca. Há quem diga que esse é mais um romance água-com-açúcar, mas claramente essas pessoas nunca leram nada da dona Jane. A mulher criou Elizabeth Bennet e criticou todo o sistema naquela época, isso tudo sem perder a pose e total mantendo a elegância. Jane Austen, te dedico. ♥ 

Alucinadamente feliz, da Jenny Lawson
Um livro engraçado sobre coisas horríveis - é o que diz no subtítulo e é a mais pura verdade. A Jenny tem diversos probleminhas que são mais comuns do que se imagina, como transtorno de ansiedade, síndrome do pânico, depressão, entre outras coisas. Só que ela decidiu lidar com isso da melhor maneira possível e ser feliz. Alucinadamente feliz. Só de raiva. A Jenny é uma daquelas pessoas de quem eu gostaria de ser amiga pessoal e esse livro é surpreendente demais e merece ser lido por todos, mas especialmente por quem tem algum transtorno psicológico. 

O livro do juízo final, da Connie Willis
VIAGEM NO TEMPO. IDADE MÉDIA. MULHER VIAJANDO NO TEMPO PRA IDADE MÉDIA. Esse livro é simplesmente perfeito e tem tudo de que eu gosto. Não sei como as pessoas não o conhecem mais porque ele total merece ser famosão. Mas enquanto isso não acontece, cá estou eu recomendando-o sempre que posso. É um sci-fi de altíssima qualidade com um dos melhores enredos que já tive o prazer de ler. 

Sei que tem gente por aí que fala que esse livro não é tudo isso, que nem deveria ser considerado poesia e blablabla. Mas defino meus livros preferidos pelo quanto eles me tocaram, não por conceitos do povo da Letras. E esse livro me tocou tanto que eu o li e o reli três vezes seguidas na mesma hora, chorandinho o tempo todo. É lindo demais, tocante, sensível e real. Tem vários poemas que falam do dia a dia e dos sentimentos de uma mulher e se isso não é bonito eu não sei mais o que é. 

Comer, rezar, amar, da Elizabeth Gilbert
Esse livro é basicamente a história do que eu faria com a minha vida se eu tivesse dinheiro o suficiente pra isso. Elizabeth Gilbert é uma jornalista que, após um terrível divórcio, largou tudo e foi tirar um ano sabático viajando por três países: Itália, Índia e Indonésia. Neles ela viveu grandes experiências que mudaram sua vida e a vida de outras pessoas e decidiu escrever sobre. É simplesmente inspirador e vou relê-lo em breve. 


É isso, gente. Leiam mulheres, sejam felizes, não passem raiva. :) 

4 comentários:

  1. Tenho os livros As Brumas de Avalon, Morros dos Ventos Uivantes e Alucinadamente Feliz. Ainda não li As Brumas de Avalon e Morros dos Ventos Uivantes, mas quero MUITO ler, já Alucinadamente Feliz eu já li e AMEI, esse livro realmente me fez muito bem, também recomendo que todos leiam =D
    Amei a postagem!
    Beijinhos <3

    Toca da Lebre

    ResponderExcluir
  2. Oi Mia! Fiquei com a mesma sensação com essas parabenizações no dia 8, como algo raso. Enfim, adorei a ideia do post, pois concordo que temos que consumir produções femininas e muitas vezes não sabemos por onde começar exatamente, mesmo tendo a intenção. Adorei a dica de O Sol é para Todos, é um dos meus livros favoritos da vida. Já assistiu o filme? É suuuper fiel, e lindo demais, tocante. Comer, Rezar e Amar é realmente inspirador e muito bom quando estamos em um momento mais "perdido". A Casa dos Espíritos, queria muuuito ler, porque só vi o filme e fiquei apaixonada por ele. Meryl Streep está sensacional. E a história é dolorida mas muito bonita. E no final de semana mesmo peguei A Redoma de Vidro na livraria e cogitei levar, mas não estava um pouco carinho e deixei pra levar algo promocional. Em outro momento vou comprar porque quero muito ler algo da Silvia. Beijos!!!



    www.moonriverandme1.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Fico feliz em ter conseguido ler muito mais autoras nesses ultimos tempos! E só posso dizer que já estou salvando a sua listinhas porque indicações como essas não podem passar batido! Dois livros que já estão na minha wishilist As brumas de avalon e o Sol é para todos! <3 um beijo!
    Colorindo Nuvens

    ResponderExcluir
  4. Mia, sua linda!
    Só agora parei para organizar meus e-mails e o que continha esse postzinho lindo fez meus olhos brilharem. Não é de hoje que eu tenho essa ideia de consumir mais trabalhos femininos, então toda dica é bem vinda.
    Desses que você citou eu tenho uns 3, mas ainda não li nenhum. Tem alguns que eu até "conhecia" mas tinha um preconceitozinho besta, mas se você tá falando que é bom já corri colocar na minha lista interminável de Quero Ler do Skoob ♥
    Ahhh, eu sei que já faz um tempinho, mas só agora que vi: o layout tá a coisa mais lindaaaa do mundo, bem autêntico, limpo e fluido

    Beijos ♥

    ResponderExcluir

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial