Concepção imaculada

Finalmente consegui uma consulta com um médico daqui de perto, ainda hoje pela manhã. Chegando lá - e após esperar cerca de duas horas para ser atendida - o médico, que era uma espécie de House, sem jaleco, meio careca e com uma cara de serial killer, me chamou e trancou a sala. Então começou o exame.

- O que você tem no umbigo é normal, Mirian, e é provavelmente apenas uma reação à sua gravidez.
- Gravidez?
- É, explica todos seus sintomas: os desmaios, enjoos, ânsias, inchaço e até mesmo o umbigo, porque dependendo do organismo há reações adversas, e sendo que você faz tratamento para o colesterol congênito esse é um dos efeitos colaterais do remédio.
- Ok, doutor, sua teoria está perfeita a não ser por um detalhe: meu namorado e eu ainda estamos na 2° base e não há previsão de chegarmos à 3° tão cedo. Eu estaria grávida de quem, do vento?
- Mirian, todo mundo mente, mas você não precisa mentir pra mim. Eu fiz o exame, você está grávida.
- Você apenas apalpou minha barriga e ligou os pontinhos! Até eu sei fazer isso. Quero um exame de verdade. Não tem um alien crescendo dentro de mim, tenho certeza disso.
- Ok, faça esses exames então caso eu esteja errado. Você não tem irmãs nem conversa com suas amigas sobre isso, né? Isso dificulta as coisas mesmo. Mas tenho quase certeza de que você está grávida.
- De uma concepção imaculada? Sério? Porque a última vez que isso aconteceu um anjo avisou antes e houve toda aquela coisa da estrela apontando o caminho. Sei que Mirian e Maria são nomes com a mesma origem, mas acredite, eu não tenho vocação pra santa.
- Às vezes não precisa haver penetração pra que ocorra a fecundação. Basta uma mão na sua "hoo-hoo" (sim, ele disse isso!) que tenha tido contato com o líquido do seu namorado e esteja meio "melecada", com resíduos disso, para que haja uma fecundação. Isso é muito comum entre jovens, que são bem férteis.
- Eu não estou grávida.
- Ok, de qualquer forma faça esses exames pra checarmos suas taxas de colesterol, triglicerídios, exames de sangue, de urina... enfim, vamos fazer todos eles e depois você volta aqui para termos mais uma conversinha.
- Ótimo, doutor. Tenha um bom dia engravidando pessoas pelo poder da mente.

E foi aí que eu saí do consultório, bati a porta e desejei boa sorte à próxima paciente.
Porque há coisas que realmente só acontecem comigo. Mas pelo menos eu farei os exames e descobrirei o que tenho. Obrigada por todas as mensagens de apoio, pessoal.
E olha que eu consegui a proeza de engravidar sem fazer a parte mais divertida da coisa! Esse é aquele estranho momento em que eu me sinto como Finn Hudson e a gravidez por meio de uma piscina. 
Só pra constar pra quem ficou com dúvida se há um alien crescendo em mim ou não: não, não há. O médico estava dopado, apenas isso. 

Da série: coisas que só acontecem comigo

Tumblr_m222cmeyhb1qb15aho1_500_large
(imagem daqui)

Sexta-feira passada eu saí da escola e fui na emergência do Hospital de Viamão para saber o porquê de meu umbigo estar liberando uma gosma estranha (é, eu sei que é nojento, mas não é tanto assim). Chegando lá a atendente se recusou a me atender, alegando que eu tenho apenas 15 anos e estava sem acompanhante e que isso é ilegal. Apesar de eu ter mostrado meu RG pra ela - que mostra claramente que eu tenho 18 e não 15 - ela recusou atendimento e disse que eu havia falsificado o documento (porque tem todo o sentido eu forjar um documento apenas para ver a cara deslavada daqueles médicos idiotas lá no hospital, com certeza). Enfim. 

Usando os meus poderes de argumentação eu consegui passar pela triagem. E o que a médica disse ao me examinar? Simples: 
- Tua temperatura tá 37,0 C°, tu não tá com febre. Teus batimentos estão a 85. O que te trouxe aqui? 
- Tá saindo uma gosma estranha do meu umbigo e por mais que eu limpe ela volta. Não me machuquei nem nada, por sinal. Ela simplesmente apareceu. 
- Isso não é emergência, isso é ridículo! Limpa com soro que passa. 
- Mas eu já fiz isso. Acha realmente que eu não sei como fazer uma limpeza, é? Ou acha que eu vim aqui apenas para admirar seus belos olhos castanhos (not)? 
- Vai pra o posto. Ninguém aqui vai examinar isso. 

Fui pra casa antes de bater na tal da médica - que por sinal entende menos de medicina do que eu. Passei o fim de semana de cama com dores abdominais e febre. Ontem, apesar disso, inventei de ir à aula. O resultado? Quase desmaiei de uma febre súbita na escola, coisa que não aconteceu porque minhas amigas me ajudaram. Fui pra casa e ao chegar me autoexaminei: o umbigo piorou. Meu pai fez um remédio caseiro contra infecções e eu fiquei quietinha, a maior parte do tempo dopada por algum remédio contra a febre. Mas aí eu percebi um inchaço abdominal e fui conferir: a região do umbigo inchou 4 cm de um dia pra o outro (sim, eu meço tudo desde sempre). E ainda falam que isso não é uma emergência. 

Estou relatando isso aqui porque caso eu desapareça do blog e/ou das redes sociais pode ser que eu tenha morrido pelo desleixo médico ou que eu esteja fraca demais para qualquer coisa, ou até mesmo (quem sabe?) fazendo algum tipo de exame. 
A loucura é que os médicos se recusam a me atender - sim, eu fui em mais de um, ao passo que minha mãe diz que tudo o que eu preciso é cantar pra Deus pra melhorar e meu pai diz que eu preciso é de um pensamento positivo, porque tudo é psicológico. Pois é. Então eu vou apenas ficar quietinha aqui, tomar algum chá e assistir Dexter - e, se eu me sentir bem, vir para o blog, que é muito mais interessante do que estar em uma cama cheia de ursinhos de pelúcia - até que meu pai consiga marcar uma consulta pra mim. 

Porque esse tipo de coisa só acontece comigo. Murphy realmente tem uma implicância muito séria comigo, pessoal. 

A verdade nua e crua

Sou viciada em verdade. Nasci sem o gene da autoanálise pra me indicar qual é a hora de fechar a boca e omitir alguma coisa - ou, no caso, mentir descaradamente sobre ela. Detesto mentiras, mas é fato que de vez em quando elas ajudam, e muito. É como Ailin Aleixo escreveu:
Mentira é um estrondoso tiro de fuzil. Honestidade absoluta, uma lenta intoxicação por chumbo. Mas ambas matam. 
Ela não poderia estar mais certa a respeito disso.
Eu ferro com tudo à minha volta desde que me conheço por gente apenas por causa dessa mania de verdade. Quer dizer, meus pais são gratos por eu ser totalmente honesta com eles - não que eu nunca tenha mentido, ou omitido, na verdade, mas enfim, isso é realmente raro de acontecer - porém, assim como isso é bom de um lado, me prejudica de outro. Que o diga meu caranguejo dramático.

Sim, ele é um drama só. E eu sei disso e estou bem com isso, mesmo. Meu jeito "tanto faz como tanto fez" lida bem com a melancolia dele e os ataques de "eu não sirvo pra nada, é melhor me suicidar". Eu lido bem com isso, mas ele não lida. Então, quando ele pergunta se eu já pensei em terminar com ele e eu respondo calmamente que sim, a coisa começa a desengrenar.

Mas caramba, sejamos honestos aqui: quem é que nunca pensou em terminar com alguém, mesmo que tenham se casado depois ou que tenham um relacionamento longo e bonito, quem nunca pensou em acabar com tudo e viver apenas para si mesmo? Isso é normal. Não faço ideia do porquê as pessoas ficam tão chocadas por eu falar disso com naturalidade, sendo que isso é natural. O ser humano é egoísta por natureza e quando a situação fica tensa um dos primeiros pensamentos que vêm à mente é: e se eu terminar tudo e fazer outra coisa com a minha vida, será que não seria melhor?

Sim, mentiras matam e eu acredito nisso. Sinceridade também mata. E se tudo mata, pra quê ficar de mimimi por aí? Vamos apenas celebrar a droga da vida que temos agora, e as pessoas que aprendam a lidar com a verdade ou que se escondam em mentiras. Quer dizer, é claro que é legal aprendermos a lidar com algumas coisas também. Mas se tudo choca, magoa, ofende - não importando se é verdade ou mentira - então vamos apenas parar de hipocrisia e aceitar o fato de que o problema não é a mentira ou a verdade, o problema é que a pessoa não está preparada para um relacionamento.

Deveria existir uma cláusula num contrato de relacionamento (de qualquer tipo de relacionamento) que dissesse o seguinte: "eu, _______, atesto que estou completamente ciente de que _______ é uma pessoa que pode tanto mentir quanto falar a verdade nua e crua assim como qualquer outra pessoa, portanto prometo que agirei racionalmente e não darei chiliques histéricos por ouvir uma verdade (talvez se for uma mentira eu dê, dependendo do grau da história), até porque eu não sou perfeito e vivo escondendo coisas da minha namorada."

Simples assim. Eu ficaria mais contente, ele também e todos poderíamos fazer uma grande festa na qual só tocasse Mika, Freddie, Barbra, entre outras divas do reduto.
Pessoal, nem tentem entender nada, porque eu estou com uma febre altíssima e tendo delírios com elefantes cor-de-rosa e duendes na minha janela conversando comigo (sério, e o Mika está aqui também, acompanhado do Freddie dos anos 70 conversando sobre como eu tenho jogado meu potencial fora), portanto devo ter escrito algo sem sentido. Porém não estou a fim de revisar. Preciso de outra dose de remédio. Bye. 
Tumblr_m3nzkatwf01rs8x8xo1_500_large
(imagem daqui) 

Múmias da nossa geração

Algumas são mais conservadas do que outras.
Rainha Elizabeth II

Keith Richards 

Sim, a Rainha Elizabeth realmente tem menos rugas do que o Keith Richards. Qual será o segredo? Será que é formol? 

Enquanto isso, na aula de Botânica...

Tumblr_m34mf04iju1rq441qo1_500_large
Minhas amigas (Pocahontas, Isa e Milla), eu e mais duas turmas do 2° ano estávamos tendo uma aula prática de Botânica, identificando tipos de flores, frutos, raízes, caules e toda aquela coisa verde e nojenta que chamam de natureza (eca). O passeio estava divertido ao redor da escola, com a professora nos guiando e fazendo perguntas randômicas.

Até que ela (a professora) fala o seguinte:
- (...)porque as flores são os órgãos sexuais das plantas. É através das flores que as plantas se reproduzem.
Aí eu comecei a ficar vermelha e gargalhar (fico vermelha por nada), então as meninas perguntaram:
- O que tu tem, Mi? Tá se sentindo bem?
- Vocês não ouviram o que ela falou, não? As flores são os órgãos sexuais das plantas. Isso é nojento. Tá aí a explicação pra minha ojeriza por flores. Eca.
- Ai, Mi, não acredito que tu vai fazer piada com isso.
- Mas é verdade, gente! As flores ficam se pegando quando as pessoas fazem um buquê, caramba! Assim, ao ar livre.
- Ah, meu Deus!
- Pensem comigo: elas estão se reproduzindo ao ar livre. Se nós fizéssemos isso, seríamos presos. A natureza é meio que nojenta. E o pessoal que come flores, então? Eles estão comendo os órgãos sexuais das plantas, caramba!
- Bah, mas então aquela flor (ela aponta para uma orquídea) é um macho que tá comendo a fêmea? Vai dizer que eles tiveram um romance também, é, Mi?
- Não, porque não é o macho que come a fêmea. Só o papo de comer já está errado, porque seres vivos não são alimentos - se bem que nos alimentamos de cadáveres de seres vivos e estamos bem com isso na maior parte do tempo, mas creio que isso não se aplica ao ser humano. Mas caso alguém fosse comer alguém, seria a fêmea que o faria.
- Por quê? Tu tá louca, é? Sabia que aquele tombo tinha te afetado...
- Pensa comigo: nós nos alimentamos com a boca, certo? Se nós comemos com a boca, e a boca é um buraco, então é a mulher que come alguma coisa aqui, porque a mulher é basicamente uma série de buracos, enquanto que o homem é apenas um encaixe. É que nem as pecinhas do Lego. Verdade.
- Meus ouvidos estão sangrando! Mia, tu não era assim!
- Eu sempre fui. Pergunta pra Rafa que me conhece há 6 anos. Né, Rafa?
- Bah, vocês nem imaginam como ela era aos 14 anos...

E esse é um dos tantos diálogos mais-com-pé-do-que-com-cabeça que eu tenho durante as aulas. E sim, eu sou assim o tempo todo. Pergunta pra elas: eu já fui pior. ☺
11788_241078502659886_119758871458517_320933_1864955261_n_large

Por um mundo de rostos

Até meus 12 anos eu não fazia ideia de que comida engordava. Sério. Também não via diferenças reais entre uma pessoa gordinha e uma magrela. Até que me chamaram de gorda repetidas vezes. Eu não era gorda - e hoje eu tenho noção disso, afinal, 47 quilos não é gordura que se preze - mas fiquei paranoica e acabei desenvolvendo uma bulimia. Me recusava a comer e o pouco que comia forçava para vomitar. Ninguém sabia até eu parar no hospital - após uma síncope - e o médico ser bem categórico: "ou você come, ou você morre". Eu estou viva, então acho que vocês já sabem o que escolhi. 

A questão é que por muito tempo - e também por causa de traumas pelos quais eu passei que me fizeram ter disfunções alimentares - eu variava do magra-com-crises-de-bulimia-nervosa para o gordinha-fofinha-rechonchudinha (aliás, ojeriza eterna por todas as "inhas" do reduto). Até que ano passado eu cheguei ao meu limite: estava com 76 quilos bem-distribuídos no meu 1,58 m. Pirei de vez. Mas eu comecei a caminhar frequentemente e a abrir mão de comer bobagens por aí. O resultado? Hoje, 10 meses após o dia em que eu me pesei pela primeira vez em muito tempo, eu estou com 58 quilos. Sim, eu estou feliz com isso. Meu objetivo ainda não foi alcançado - que é chegar aos 53 quilos - mas estou quase lá e me sinto satisfeita comigo mesma por isso. 

Porém eu tenho notado uma coisa: vivemos em um mundo de corpos. Eu não quis emagrecer apenas para ficar bonita e caber em roupas menores - por isso também, é claro, mas não apenas por isso. O fiz por vários motivos, dentre eles um colesterol congênito, que me provocava síncopes, e a vontade de torcer o pescocinho de galinha das meninas que me chamaram de gorda a vontade de me sentir bem comigo mesma, de me sentir leve. 
Estou cansada de ouvir as pessoas reclamando de seus corpos. Quem é gordinha reclama pelas dobrinhas a mais, quem é magrela reclama pelos ossos salientes, quem é "normal" reclama por não ter nada em destaque... Isso é um saco. Cansei do estereótipo que todos fazem sobre como ser linda conforme o padrão. Padrão é algo que foi inventado apenas para que as pessoas com características em maior número de certa época pudessem ser categorizadas de forma mais rápida. Porém o padrão mudou. Hoje o padrão é a diversidade, tanto de corpos quanto de etnias, culturas, gostos e amores. 

Portanto eu tenho visto que - apesar de todo o esforço que algumas pessoas ainda têm em relação ao "padrão é que é legal" e toda essa loucura alienada - o mundo de corpos tem se tornado cada vez mais um mundo de rostos. Ao menos para mim. 
Se antes eu era vidrada em forma física e fazia disso quase que uma regra, hoje eu sou apaixonada por pessoas e pelas suas diversidades. Quando eu olho para uma pessoa eu olho para seu rosto, sua expressão, seu sentimento e não para seu peso ou suas cicatrizes. E a vida parece mais leve hoje do que antes. Se é por isso? Creio que sim. Quando passamos a olhar as pessoas por quem elas são e não pelo que a aparência delas mostra, passamos a enxergar um mundo mais bonito, mais rico, mais agradável, mais carinhoso. 

Eu vejo um mundo de rostos, e não um de corpos - sim, há rostos que parecem a personificação do demônio, mas eu me refiro muito mais à atitude e personalidade do que à genética - e convido vocês a fazerem isso também. Afinal, todos temos nossa beleza e todos temos algo interessante. Basta apenas ter a coragem de mostrar ao mundo o que se tem de melhor. 
Tumblr_m4dhn7shvf1qc2gyeo1_500_large
(imagem daqui)
Lembrando que eu não estou fazendo apologia a você ficar o dia inteiro sem se exercitar e só comendo bobagem porque a beleza "que importa" é a interna. Estou apenas dizendo que não é apenas isso que deve importar. Porém entupir suas veias com gordura de todos os tipos não é legal, assim como ficar se autotorturando não o é. Se não gosta de algo em você, mude. Só não aceite algo tão superficial assim. Seja a favor de um mundo de rostos. 

O idiota

Ele era um idiota. Até aí, tudo bem, já que todos são idiotas. Mas ele era de uma outra etnia de idiotas: o idiota à moda antiga. Daquele tipo que aparenta ser fiel, que respeita até demais a mulher "amada", que faz juras de amor, planos para o futuro e cartas de fazerem qualquer mocinha chorar de alegria por ter achado um espécime tão raro de rapaz. Ele era praticamente o cara perfeito.
Era.

Até o dia em que ela decidiu segui-lo. No começo, ela nem desconfiava de nada, foi algo por pura ingenuidade. Porém ela acabou descobrindo coisas. E por descobrir tanto, tomou gosto pela arte da investigação. Descobriu que a volúpia que ele não demonstrava por ela, demonstrava por outras lá fora. Descobriu que para ela, ele dava um amor "puro", quase casto, enquanto que para outras ele buscava luxúria e libertinagem. Porém é dito que a curiosidade matou o gato, e o gato, no caso, era aquele amor doce e puro que ela tinha por ele. Sim, ela ainda o ama, mas não do modo puro e quase que cego como antes. Agora esse amor se transformou em algo cheio de luxúria, ressentimento, um "quê" de desejo (desejo de todas as formas, inclusive o de vingança) e uma pontada de sarcasmo.

Com suas palavras ácidas ela delineava o amor que por ele sentia. Pena que o idiota não entendia. Mas o que se poderia esperar? Ele - como outros tantos - era e ainda é só mais um idiota. Um idiota à moda antiga.

424000_3244148356608_1653843894_2730171_405048491_n_large

Amor sadomasoquista

Confesso: eu amo te ver sofrer. É a combinação perfeita: você, tão masoquista e eu, tão sádica. Tão perfeita que não deu certo.
Perfeição demais me dá agonia. Sempre deu. Mas você sempre soube disso. Sempre soube da minha autossabotagem e do quanto eu me divertia em te fazer sofrer. Sempre soube do meu sadismo, da minha alegria em manipular as situações. E você gostava. Amava. E ainda ama. Só que agora, eu mudei.

Dizem as más línguas que as pessoas não mudam. Eu digo que elas são idiotas. Se eu - a quem você chamava carinhosamente de "vadia manipuladora", por influência de House M.D., é claro - pude mudar e deixar meu lado sádico pra lá, é claro que todos podem. A diferença é que nem todos querem.
Sim, eu sei que você quis, por um tempo, ser alguém melhor. Um cristão convicto - se bem que você só fez afirmar suas práticas masoquistas com isso, não é? - que se deleita em viver num estado de "pureza" espiritual. Mas também sei que é pra mim que você liga à noite quando quer experimentar tentações.

Nenhuma pessoa me conheceu da forma como você o fez. Você sabe a meu respeito coisas que eu nunca revelei - e que, de fato, nem precisei, pois nossa conexão era tão forte que apenas um olhar bastava para que tudo fosse apurado - e nem revelarei. Mas você não me conhece mais. Não conhece o meu novo estado de ânimo, minha paciência há muito cultivada, minha leveza pelas coisas pesadas da vida. Não conhece meu amor pela humanidade, meu desprezo por suas atitudes e nem minha força de vontade. Você conheceu o que há de mais detestável e obscuro em mim. Você foi até as profundezas da minha alma e viu a escuridão que lá pode habitar. Mas não conheceu meu lado luminoso, minhas paisagens, meu encanto pela vida.

Sim: eu ainda amo te ver sofrer. Porque, após sofrer feito o cão em suas mãos, eu aprimorei a técnica sádica, mas a destinei apenas a uma pessoa: você. Afinal, só um cara muito, muito estúpido se autossabota a ponto de ser largado por mim. Por isso nosso amor meio sádico, meio masoquista, sadomasoquista, não deu certo. Nunca daria. O que é muito perfeito e muito extremo sempre arrebenta. E a corda arrebentou pra o lado mais fraco: o seu.

Como você - cristão convicto e aspirante a santo - me diz em suas desesperadas ligações à noite: eu desandei e virei essa coisa que consegue viver na ausência de ciúme e em um relacionamento saudável, virei essa coisa que só escreve e ri do que você faz. Porque você é e sempre foi um idiota. Nunca passará disso. Sim, eu desandei. Mas é como papai sempre diz: "quem anda na linha, o trem pega". Aceite o fato e viva sua vida de "pureza" longe de mim. Pois eu, meu bem, prefiro muito mais uma luxúria em escarlate do que uma vida de pureza em branco. 

Mania de psicopatia

Tenho andado irritada. Extremamente irritada (nem tanto, mas eu tenho o dom de elevar qualquer coisa à potência quando estou de TPM). O porquê da minha irritação? Simples: a mania de psicopatia.
Vou explicar: tenho notado que as pessoas "leigas" (ou seja, pessoas que não entendem nada de nada de psicologia e só sabem que Freud tem algo a ver com isso) têm usado muito a palavra 'psicopata' ultimamente, tanto na vida real quanto em novelas (em filmes eu ainda não percebi isso acontecer com frequência; ainda). Elas costumam chamar - e "alertar" a outras pessoas sobre o perigo iminente de se conviver com um espécime de Hannibal Lecter - qualquer um que seja inteligente, sarcástico, mais reservado, quieto, de psicopata. Ou até mesmo pessoas dotadas de um mau caráter de psicopatas. E isso irrita. Psicopatas não são tão fáceis de se identificar assim, mesmo para um psicólogo ou um psiquiatra, que o fará para quem não entende nada disso.

Por que isso me irrita tanto, afinal? Deixa eu contar uma historinha idiota: quando eu me separei do meu ex¹, ele se aproximou de um ex amigo metido a psicólogo (amigo esse que tinha rompido relações comigo após eu descobrir que ele é gay, e ele havia ficado com medo de que eu revelasse para sua família, etc) e os dois começaram a compartilhar coisas (entendam como quiserem), etc. O fato é que o tal do ex amigo metido a psicólogo conseguiu convencer meu ex¹ de que eu sou uma psicopata, baseado em meu jeito sarcástico, meu alheamento e ao fato de poucas pessoas "boas" (lê-se: bons crentes que apenas zelam por suas igrejas - e sim, isso é uma ironia) gostarem de mim. Então, baseados em livros de "como identificar o psicopata ao seu lado", eles espalharam para todos que me conheciam a grande revelação de que eu sou uma versão feminina de Hannibal Lecter (sim, essa é a parte em que eu dou uma gargalhada maníaca e expresso meu eterno desprezo por esse dois).

Então, sim, eu me irrito quando ouço alguém chamar algum indivíduo de psicopata sem ter a mínima noção do que realmente é isso. Uma dica apenas: se seu conhecimento de psicopatia se resume a filmes do Dr. Lecter, você deveria desistir de diagnosticar as pessoas. Seria a mesma coisa que assistir House M.D. e sair diagnosticando as pessoas pela rua e querendo fazer punção lombar em todo mundo. Não dá, gente.
Então, façamos o seguinte: deixemos os diagnósticos pra os que realmente entendem disso, e vamos - adivinha? - viver a nossa vida sem-sal-nem-pimenta, ok? (sim, hoje estou sarcástica ao extremo)
Tumblr_ly9pedxmxw1qbb77eo1_500_large
Então, eu fiz uma lista de - adivinha? - como ser um psicopata na visão de pessoas que não têm mais nada para fazer de suas vidas insossas (vulgo: idiotas)! 
  • Seja sarcástico e não se intimide com o que as pessoas fazem ou falam.
  • Não dê a mínima para "mimimi's" de pessoas idiotas que fazem drama com tudo. 
  • Seja objetivo. 
  • Não seja emotivo e não faça uma tempestade por qualquer coisa.
  • Fale pouco e observe. 
  • Leia... bastante. 
  • Tenha uma boa memória e percepção (seja detalhista, ouça tudo com atenção). 
  • E o mais importante: seja você mesmo. Afinal, sempre acham que tem algo de errado com alguém que não dá a mínima para o que os outros pensam, não é? 
Seguindo essas dicas, provavelmente vocês terão uma reputação tão péssima quanto a minha. Ou não. Afinal, quem manda eu ter me envolvido com pessoas metidas a santas e pudicas, não é? Azar o meu.
(Mia Sodré está mais ácida do que nunca.)

Zumbitomizada

Era escuro - 21:00 hrs - e todos estavam em suas casas assistindo à novela. Eu precisava comer e sentia uma fome absurda, mas havia algo naquela televisão que me prendia, algo que alienava. De repente algo começa a sair da TV (não, não era a Samara Morgan), algo que parecia ser uma gosma verde. Porém aí eu percebi: a "gosma" não saía de dentro da TV, ela era a própria TV que estava derretendo!
Comecei a correr até o portão. Pulei o grande portão de ferro e saí correndo até a casa de meu irmão à procura de carne - sim, eu estava com muita fome. Infelizmente meu apetite não pôde ser saciado, pois a carne também havia virado uma gosma verde. E foi aí que eu percebi: metade da cidade havia se transformado em zumbi e eu havia sido infectada por um vírus que saía de dentro da TV e alienava as pessoas, as transformando em zumbis comedores de gosma verde.
De repente, eu acordei.
536379_420766417934271_100000027482349_1555325_682964805_n_large
Não, eu não gosto de zumbis. Nunca fui fã de filmes sobre eles, nunca achei legal brincar de matar zumbis em videogames e não espero ansiosamente pelo tal de Apocalipse Zumbi. Não penso a respeito e na maior parte do tempo, esqueço que esse assunto existe. Não faço a mínima ideia do quê me fez sonhar que eu estava sendo zumbitomizada (a versão zumbi de "lobotomizada") ou que a TV havia transmitido esse vírus (ok, a parte de as pessoas terem sido transformadas em zumbis através da alienação feita pela televisão eu entendo) ou o porquê de estar com uma larica enorme no sonho e ir atrás de carne ensanguentada (seria isso uma mistura de vampiros com zumbis e Samara Morgan? Gostei.). O fato é que esse sonho me fez pensar em uma simples teoria do porquê as pessoas gostam tanto de zumbis

Pessoas gostam tanto de zumbis e anseiam por um Apocalipse Zumbi por um simples motivo: se outras pessoas de quem elas não gostassem virassem zumbis, elas poderiam matá-las, esquartejá-las, triturá-las ou fazer o que quiser com elas (inclusive dar um banho de óleo fervente) sem que ninguém as condenasse por isso. Ou seja, tudo não passa do instinto básico de violência e ódio. Ou vingança. 
Resumindo tudo: isso daria prazer a elas (ok, confesso que eu não teria nenhum prazer em matar um zumbi, já que isso seria no mínimo nojento, mas enfim, estou segundo o raciocínio dos zombiemaniacs). 
Todos os seus inimigos zumbis poderiam ser assassinados sem que você fosse preso e as pessoas ainda te chamariam de 'herói' por isso! 

Pensando bem, um Apocalipse Zumbi seria até legal. Ou não. 

Julgando pela capa

Quantas vezes nós nos deparamos com um livro que possui uma capa "feinha" e concluímos que a história também deve ser assim? Bem, comigo isso acontecia frequentemente, confesso. Até que eu aprendi que um livro realmente não se julga pela capa (assim como um blog não se julga pelo layout, mas enfim). Então eu vi esse meme lá no blog da Jeniffer e decidi surrupiá-lo devidamente (até porque como eu não faria um meme que envolve livros? Impossível).
Regras:
- Colocar o banner 
- Indicar 5 blogs
- Responder aos tópicos

Um livro que você já leu só por causa da capa. 
Me arrisco a dizer que A fada que tinha ideias foi o primeiro livro "grande" que realmente li. Eu tinha em torno de 7 anos e me apaixonei por essa capa, e também já conhecia um trecho da história de Clara Luz - a fada que não queria aprender do livro das fadas - através de um dos livros de português do meu irmão mais novo. Sim, eu sempre li, desde pequena. E quando fui pra escola a primeira coisa que fiz foi me enfiar na biblioteca. "Um lugar onde você pode ler tudo o que quiser..." - eu dizia. Enfim. Quem ainda não leu esse livro deveria lê-lo. Apesar de ser infantil, é uma leitura recomendada a todos e que realmente mexe com a mente de qualquer pessoa. Aliás, foi a partir desse livro que eu tomei realmente gosto pela leitura e pela escrita. 


Um tipo de livro que você não lê por causa da capa.
 Livros com capas de filmes. Nada contra Orgulho e Preconceito - que é incrivelmente belo, delicado e sarcástico, por sinal, um dos meus preferidos, tanto em livro quanto em filme - mas eu prefiro capas de livros que não façam referência aos filmes, pois livros são livros e filmes são filmes, obviamente. Não deveriam ser tão diretamente relacionados. Claro que há exceções, mas eu costumo preferir livros com capas mais artísticas e menos "hollywoodianas". Até porque eu gosto de imaginar as personagens, e não de ter um rosto vindo à mente quando leio o livro. O que fizeram - por exemplo - em O Retrato de Dorian Gray é terrível. O filme nada tem a ver com o livro, e parece que após o filme lançaram algumas edições do livro com Ben Barnes na capa, que é totalmente o oposto de como Wilde descreveu Dorian no livro.

Um livro que você relutou em ler por causa da capa, mas gostou.
Desde pequena observava esse livro na estante de livros de meu irmão n° 3, e ele sempre me chamou atenção tanto pelo título quanto pelo fato de ter sido escrito por uma mulher. Mas a capa sempre me dava "agonia", pois - pra começar - eu não gosto da cor marrom. E também ela - a capa - passa um certo ar de "monotonia", coisa que para uma garota de 9 anos (na época) não era nada atrativa. Aí um dia eu resolvi pegar da estante e ler. O resultado? Muitas lágrimas, risos e personagens que me fizeram pensar e repensar mais ainda nas coisas. Que me fizeram desejar ter um Heathcliff só meu. E que fez com que eu me enxergasse em Cathy Earshaw de maneira estranhamente assustadora. O morro dos ventos uivantes é, de longe, meu livro preferido. E eu jurei nunca mais julgar um livro por sua capa. A edição que fizeram com a capa mencionando Crepúsculo também havia me desanimado bastante, por sinal.
"Meu amor por Heathcliff é como as rochas eternas que nos sustentam: talvez não sejam agradáveis, mas são necessárias. Nelly, eu sou Heathcliff!"
Um livro que te decepcionou, mas você gosta da capa.
 Eu não detesto Crepúsculo. Mas logo que vi essa capa, imaginei uma história mais sombria, mais envolvente, mais misteriosa, mais... Enfim. O livro me decepcionou em todos os pontos possíveis. É fraco demais. Sim, eu sei que a maior parte das pessoas gosta de Crepúsculo, mas eu acho simplesmente insosso. E esse é um dos raros casos em que considero o filme melhor do que o livro (apesar de não gostar dos filmes também). Se não me engano, li os quatro livros em cerca de uma semana. Mas para mim ele nunca poderá ser considerado um clássico da literatura moderna, como alguns dizem, e nem mesmo um romance, pois eu considero o que há em Crepúsculo muito mais coisa de uma adolescente depressiva e um vampiro (?) obsessivo do que amor. Amor é outra coisa. (sim, podem me apedrejar agora, estou pronta) Mas a capa é realmente muito bonita. Para quem quiser ler uma crítica excelente do livro, leia-a no blog da Del.

Suas 5 capas de livros favoritas. 

Não vou indicar pra ninguém porque eu estou com preguiça eu acabaria deixando várias pessoas de fora, então quem quiser fazer sinta-se a vontade. Mas caso alguém faça, mande o link depois pra eu ver, ok? 

Melancodrama

Há dias em que me encontro cheia de amor. De um amor profundo, terno, quase infantil, meigo e sereno por todos os seres e todas as coisas. Há dias em que tudo o que vejo e percebo possui a aura rosada do amor. Aquele amor suave, como o que Cupido fazia nascer no peito dos jovens atenienses.

Porém, há dias em que tudo o que vejo está dominado pela melancolia, pela tristeza, pela devassidão, pela escuridão. Em dias como esse até um pássaro em minha janela vira motivo para que eu chore por pensar que nunca serei totalmente livre como um pássaro e que nunca voarei por mim mesma, visto que sou dotada de pensamento lógico e não de asas. E que as únicas asas que possuo são aquelas que adquiro através de minha muito fértil mente.

E há dias como hoje em que tudo está coberto por uma névoa que me parece algodão-doce: tudo é noturno, sereno, melancólico e bonito. Tudo é paralelo à minha imaginação. Tudo é vida. Tudo é morte. Tudo é equilíbrio.

(imagem daqui)

Clarissa

Ela gostava de si mesma. Talvez não como outras meninas - que costumam idolatrar a si próprias - o faziam, mas ela tinha um enorme orgulho de ser quem era. Orgulho esse cultivado após sobreviver a vários traumas que a deixaram incapacitada, desasada, com vontade de sumir.
Clarissa era assim: uma menina leve que poderia facilmente passar despercebida pela multidão (coisa que ela tentava ao se esconder em enormes moletons e cachecóis bregas); poderia sim, se não fosse por aqueles olhos que exprimiam sempre algo muito profundo, algo de saudoso, algo de melancolia, algo de dor. Aqueles olhos com que ela enxergava o mundo não eram os mesmos com que ela enxergava a si própria. Clarissa se via como uma menina desajeitada, fraca, um pouco esperta talvez, mas desatenta demais para coisas práticas. Se via como se veem os artistas de circo, como uma pequena equilibrista de nariz rosado e mãos pequenas.

Qualquer um que visse Clarissa percebia na hora que ela - apesar do sorriso meia-lua que costumava estar estampado em seu rosto, indicando um desejo de felicidade, um esforço de ajuste - não era uma menina comum. Ela se esforçava, é claro, para desaparecer. Desaparecer, apenas isso. Coisa que - infelizmente - não conseguia. Seus olhos revelavam sua dor, sua intensidade, e mesmo quando ela sorria havia algo nela que fazia com que seus grandes olhos - dotados de um verde amazônico - marejassem, se tornassem rasos d'água e se perdessem em pensamentos, coisa que a frustrava por demasia.

Suas mãos delicadas e finas logo tratavam de enxugar qualquer resquício de lágrima que pudesse haver, e fazia questão de dizer: "são apenas lágrimas da rinite, nada de mais, não se preocupem", mas a verdade é que havia muito com o que se preocupar, mas ela não suportaria ser tratada com piedade ou até mesmo ser um fardo de preocupações para outras pessoas. Assim, se escondendo sempre em algum cachecol brega e em um moletom desbotado, Clarissa continuava a caminhar. Sua dor ela escondia o máximo que pudesse, mas infelizmente seus olhos sempre deixariam algo de melancólico na atmosfera, mesmo que seu sorriso de meia-lua fosse o mais radiante do local.
Tumblr_l4k3bhvyvl1qzmzmho1_500_large