O livro do riso e do esquecimento

O livro do riso e do esquecimento
Milan Kundera
Companhia das Letras
265 páginas
Ano de publicação: 1979 
Sobre o que é: na época da invasão russa à Checoslováquia, falar mal do governo não fazia bem à saúde, e as personagens desse livro são exemplo disso. O riso era proibido no comunismo soviético, e, se você era adepto de piadas, logo era levado ao esquecimento, ora pela morte, ora pelo exílio. Kundera viveu tudo isso e conta, durante as sete partes do livro, como foi sua experiência tendo de viver clandestinamente em seu próprio país por não concordar com a invasão russa. De escritor de ficção, o cara passou a astrólogo improvisado e anônimo pra poder sobreviver, isso até os seus amigos começarem a ser perseguidos por ajudá-lo. Tudo isso é contado entre personagens que representam arquétipos da alma que luta contra o esquecimento do exílio.

Por que ele é bom? Porque ele nos mostra os fatos de dentro da invasão russa através da perspectiva de um cara que viveu tudo isso e teve a coragem de escrever sobre. Mas o mais legal é que o Kundera não faz isso de uma forma linear: ele cria personagens e histórias para fazer analogias e alegorias. O que diabos é uma alegoria? O dicionário responde:
alegoria: 1. uma representação figurativa que transmite um significado outro que o da simples adição ao literal. 2. ficção que apresenta um objeto para dar ideia de outro.
Então, o livrinho é dividido em 7 partes, cada uma com uma espécie de conto que mistura ficção com análise psicológica dos motivações das personagens, com um panorama histórico e, a parte mais incrível, na minha opinião, autobiografia dos momentos tensos que o Milan passou sendo perseguido pelo governo russo.
A polícia secreta queria nos matar de fome, nos reduzir à miséria, nos obrigar a capitular ou a nos retratar publicamente. Era por isso que ela vigiava com atenção as lamentáveis saídas pelas quais tentávamos escapar do cerco, e castigava duramente aqueles que emprestavam seus nomes. (p. 71) 
É um livro indefinido que te deixa cheio de sentimentos e inquietações que, literalmente, podem mudar a sua vida. "O Livro do Riso e do Esquecimento auto-intitula-se de romance, apesar de ser em parte conto de fadas, em parte crítica literária, em parte tratado político, em parte musicologia e em parte autobiografia. Pode auto-intitular-se como bem quiser, porque é genial no seu todo." (The New York Times)

"Mas, Mia, ele só fala de política?" Olha, vejebem o que eu disse e cê entenderá que não. Ele fala sobre os acontecimentos de 1968, sim, mas fala também do cerumano e de sua necessidade de vencer o passado, de ser melhor, de apagar os seus erros e voltar à infância, voltar à época em que tudo era bom e não tínhamos de lidar com essa coisa chata chamada responsabilidade. NÃO É UM LIVRO SÉRIO! Ou é, mas não de forma chata. Ele é um livro que fala sobre coisas séries de uma forma legal. É simplesmente sensacional.

Por que ele é ruim? Não tem como um livro do Kundera ser ruim. Ponto.

Se eu recomendo a leitura? Não apenas recomendo como não sei o que cê tá fazendo aqui que ainda não foi atrás desse livro - e de todos os outros livrinhos do Kundera. SÉRIO, GO GO GO! Eu queria dizer mais sobre, mas não quero estragar o sentimento que cês terão ao ler essa coisa incrível.

Em um quote:
A constituição, é verdade, garante a liberdade de palavra, mas as leis punem tudo que pode ser qualificado de atentado à segurança do Estado. Nunca se sabe quando o Estado vai começar a gritar que essa palavra ou aquela atentam contra a sua segurança. (p. 10) 
Este post faz parte do Desafio 50 livros de 1900 para ler antes de morrer. Confira aqui a lista com todos os títulos que lerei até sabe-se lá quando. \o/   

8 anos de blog + giveaway

Ontem, eu comecei a me sentir velha, começou a bater uma vibe errada e eu não estava entendendo o porquê. Aí, olhei pra o calendário e: ANIVERSÁRIO DE 8 ANOS DO BLOG, SOCORR! 

Na verdade, faz 9 anos que escrevo em blogs, porém reformulei tudo quando fez 1 ano porque sim, e cá estamos, há 8 anos no Wink, aloprando loucamente e fazendo mimimi das diarices da vida porque, como todos sabem, Murphy me ama e não me poupa, risos. Foram 643 posts publicados, 120 em rascunho e incontáveis deletados para todo o sempre porque a pessoa cresce e cria todo um conceito de vergonha própria & alheia, amém. 

Aí, eu resolvi fazer duas coisas, que nunca havia feito, só pra essa data não passar em branco: 
1. uma retrospectiva com os posts mais acessados e, também, com os meus preferidos de todos esses anos, que vai funcionar como um índice do blog; 
2. um giveaway - também chamado de sorteio! - de 2 livrinhos, para 2 ganhadores, porque eles estavam aqui na estante, novinhos, sendo que um deles ganhei de parceria com uma editora, e se não vou lê-los por que não sorteá-los no blog, né mesmo? 

Os meus preferidos

toda uma reflexão a partir do jeitinho "socorr, vou morrer sozinha, abandonada, sem ninguém" Ted Mosby de ser

o dia em que eu cansei de tudo, larguei de mão as paqueras e disse: se for pra andar comigo no recreio, tem que ser assim

parece new age, mas é só a prática horrorosa do ~conhece-te a si mesmo~

o dia em que uma senhorinha disse que daria seu orifício anal a um senhor chamado Carlos, na minha frente, na fila do tri.

do dia em que ouvi uma senhora dizer que usa ob como vibrador

o dia em que um cara me confundiu com uma nazista em plena viagem de volta pra casa

o dia em que eu fui assediada por um nazista no ônibus e quase morri porque motorista louco do cy; eu tenho muita sorte em ônibus, é uma coisa incrível

Enem 2014 e como eu quase morri de tantas formas que nem sei como tô aqui ainda

eu realmente odeio esse homem, gente

Murphy me ama, Murphy me quer

Os mais acessados

aquele em que eu falei sobre a infantilização da mulher e a adultização da infância - e que gerou mais de 5000 visualizações até agora

por algum motivo, esse é o segundo post mais acessado do blog; acho que temos muitos instintos assassinos por aí, hein 

o dia em que eu li Os monólogos da vagina, me inspirei toda e comecei a dissertar sobre

4. Ímpar
por motivos que fogem à minha compreensão, esse é um dos posts mais populares do blog, e nele eu me revolto contra um ômi que tava me chamando de ímpar, porque vá chamar de ímpar o sapo da lagoa, querido

aquele em que eu falo mal do Daniel Galera e do seu maldito livro, Cordilheira 

Sorteio! 



Para participar, basta se cadastrar nos formulários abaixo cujas regras obrigatórias são visitar a page do blog no fb e segui-la! Serão dois vencedores, cada um levando pra casa um livro: ou Cruzando o Caminho do Sol, em parceria com a editora Novo Conceito, ou O Circo da Noite. Ambos são lindos - literalmente, as artes das capas e as diagramações estão perfeitas - e tenho certeza de que a pessoa que os levar pra casa irá adorar. 

Os resultados sairão no dia 1° de março e o envio dos livros ocorrerá na mesma semana. Entrarei em contato com os ganhadores para pegar o endereço, portanto, fiquem atentos. 

a Rafflecopter giveaway

a Rafflecopter giveaway
Boa sorte! o/ 

Guia prático de como se portar no transporte coletivo

Eu passo muitas horas do meu dia dentro de transporte coletivo - leia-se: ônibus - e tenho pra mim que o cerumano expressa todo o seu descontentamento para com a humanidade descontando nos outros cerumanos dentro dos ônibus da vida que, por sua vez, também estão descontando em outros e vocês entenderam a vibe nietzschiana do eterno retorno. 

Só que: gente, sério. Ninguém tá dentro de um ônibus imundo, cheio de germes & bactérias, às 6h da manhã porque tá animado pra viajar, pra curtir, pra ser feliz. A pessoa que frequenta tal ambiente diariamente o faz pelo simples motivo de: obrigações da vida adulta. Que, geralmente, consistem em estudos ou trabalho. Então, se você também está de saco cheio disso, por que diabos ferrar com horas do dia da pessoa que, assim como você, não gostaria de estar ali, mas tem de aturar a sua magnífica presença num coletivo por cerca de 2h a cada viagem? 

Vamos aos passos para ser uma pessoa mais feliz e comedida, cooperando com a harmonia do universo:


Andrzej Wróblewski - Bus driver (1956)

1. as janelas estão ali para serem abertas 

E não apenas no calor. A gente não abre a janela num ônibus lotado com mais de 70 pessoas - e estou sendo otimista - porque, ai, tá calor. A gente abre porque há boatos de que o cerumano necessita de aaaaaaar. E também porque a circulação de ar ajuda a não proliferar tão facilmente os germes & bactérias das pessoas lindas e ranhentas que pegam o tal transporte. "Mas tá frio!" TÔ NEM AÍ, MEU AMÔ. Usa um cachecol, se enrola num cobertor, sei lá. Mas não fecha a droga da janela só porque cê não suporta um ventinho bagunçando seu cabelo, querida. Faça-me o favor. 

2. fale, não grite 

Eu tenho um certo grau de surdez desde criança e mesmo assim meus ouvidos doem com os gritos das pessoas no ônibus. Mesmo que eu esteja com fones de ouvido no máximo, ouvindo heavy metal, AINDA ASSIM consigo ouvir aquelas vozes estridentes gritando por tudo: pra falarem entre si, pra falarem ao celular, pra reclamarem consigo mesmas... APRENDAM A FALAR FEITO GENTE.

3. se há lugar vago, não sente ao lado do coleguinha 

Tenho vontades assassinas cada vez que estou sentada no meu cantinho, num ônibus completamente vazio, tendo mais de 40 assentos disponíveis, e vem o cerumano desgraçado pedir pra eu tirar a minha mochila do banco ao lado pra criatura sentar. MEU AMÔ, o ônibus está vazio!!!!!!!!! Qualé o seu problema????????? E não me diga que você quer contemplar os meus lindos olhos verdes porque, vejebem, 6h da manhã. Sem condições. Sério, eu não posso jamais ficar quietinha no meu canto no ônibus. SEMPRE TEM UMA HELLO KITTY, mesmo que o veículo em questão esteja completamente vazio.

Os lugares estão vagos esperando por bundas para dar-lhes um sentido. Não venha querer dar um sentido num local não-vago. Agradeço.

4. são bolas de gude, não de basquete 

A gente sabe o que você, homem, tem no meio das pernas, e não são bolas de basquete pra você ter de abri-las desse jeito, esmagando a pobre pessoa que teve a infelicidade de lhe ter sentado ao seu lado. Portanto, seja um bom menino e feche essas pernas porque ninguém é obrigado MESMO.

5. é pra passar gotas, não tomar banho de perfume 

O ônibus é um local pequeno, lotado de pessoas com variados cheiros e que se recusam a abrir as janelas. Além desse cenário já ser ruim por motivos óbvios, vamos compreender que há pessoas que possuem rinite alérgica e nem perfume podem usar sem ter um verdadeiro surto de espirros - vide esta que vos escreve. Ousseje: vamo maneirar na água de colônia avon limited aí, hein.

6. se o ônibus estiver lotado e você puder pegar outro, vá no outro 

Eu moro num bairro que é um dos últimos da cidade, então só posso pegar um ônibus pra chegar em casa e esse querido ônibus cruza por toda a cidade antes de chegar a seu destino. O que acontece? Acontece que as pessoas deixam os ônibus de seus bairros vazios pra pegar o meu, que sempre, SEMPRE vai lotadíssimo, com gente até nas portas, porque ninguém pode esperar mais 15 minutos pelo seu. Sério, não façam isso, a não ser em caso de real necessidade. Não vale a pena pra ninguém (você já tentou descer mais cedo num ônibus completamente lotado? pois é) e irrita todo mundo. Seja uma pessoa melhor.

7. FONES DE OUVIDO!!!! 

Sério que eu preciso explicar essa? Também acho que não.



De mais a mais, é tudo uma questão de usar o bom senso e se perguntar: eu me irritaria se alguém fizesse isso? Caso a resposta for afirmativa, apenas pare e siga em frente, olhe para o lado e tente ser uma pessoa melhor. 
 
Wink .187 tons de frio.