escritos quem escreve o blog blog'n'roll resenhas livros lidos

29 agosto 2016

Romance Vitoriano do amô

Belgravia
Julian Fellowes
Editora Intrínseca
430 páginas
Ano de publicação: 2016 
Sobre o que é: uma guria metida e sonhadora chamada Sophia Trenchard, filha de um comerciante da região, consegue um convite para o baile da Duquesa de Richmond. O grande problema é que esse baile acontece na noite anterior à batalha de Waterloo e muitos dos jovens galantes que lá estavam morreram em luta, inclusive o flerte de Sophia, o Visconde Edmund Bellasis. 25 anos se passam e descobrimos altas confusões resultantes de um simples baile que mudou a vida de todos os que ali estavam e aloprou loucamente com a aristocracia britânica.

Por que ele é bom? O autor do livro é o mesmo cara que criou Downton Abbey. Só isso já deveria bastar para lhe convencer de que ele é bom. Caso você não saiba o que é Downton Abbey ou está nem aí, lhe direi que: mistura de fatos históricos com ficção, humor britânico e o drama contido da aristocracia da época vitoriana. Sophia é uma personagem com delírios de grandeza que se ferra por isso, quase ferrando com toda a família junto. Seu pai, James, tem o mesmo problema da filha, mas é mais controlado por sua esposa, Anne. Aliás, Anne é a melhor personagem desse livro inteiro. ♥
Anne Trenchard era uma mulher prática e uma de suas principais virtudes era que ela não se demorava em um desastre, mas procurava, quase imediatamente, remediar o que podia ser remediado e aceitar o que não podia. (p. 65) 
Anne e sua vibe o que não pode ser resolvido, resolvido está. Gosto muito. Essa mulher sabe segurar a situação e controlar os ânimos de todo mundo - o povo do livro é muito afetado pra o meu gosto, todos com mania de grandeza e querendo ganhar algo em cima de segredos. Anne Trenchard já está figurando na minha lista de personagens preferidas da vida.

Mas o fato é que só uma personagem não segura um livro inteiro de quase 500 páginas, porém o senhor Julian Fellowes conseguiu criar uma trama incrível, toda cheia de should I stay or should I go. Eu não consegui largar o livro até terminá-lo - e ainda queria mais! É HORRÍVEL NÃO PODER FALAR MUITO ABERTAMENTE SOBRE SEM DAR SPOILERS, são segredos demais numa história só, mas: maravilhoso, apenas.

Por que ele é ruim? Não é ruim, mas eu adivinhei o grande segredo já nas primeiras páginas. Contudo, esse livro tem um plot twist louco que nem eu imaginei.

Se eu recomendo a leitura? SIM, MAS É CLARO! Não tem como não gostar desse livro, gente. É simplesmente impossível.
Em um quote: O mais estranho em relação à guerra era como tornava todos tão imprudentes e impetuosos, como se o cheiro da morte iminente incentivasse os vivos a aproveitarem ao máximo seu tempo no mundo. (p. 310) 
Este livro foi cedido em parceria com a editora.

 ~grupinho do amô pra gente se apoiar durante o BEDA~

28 agosto 2016

É muito fácil ser legal

É muito fácil ser legal quando se tem passagens pra ir de lá pra cá todos os dias, quando não se tem de contar moedas pra poder ir pra faculdade, quando se tem de escolher entre comer um lanche e voltar pra casa porque aumentaram novamente a tarifa. É muito fácil ser legal quando se pode estar presente em tudo o que os amigos fazem, quando se pode acompanhá-los até aquela lancheria e dividir a conta depois, quando se pode sair de casa em pleno domingo pra ir a um evento apenas por diversão. Qualquer um, por mais incrível que seja, se torna a pessoa chata do rolê quando não tem condições de se divertir, de ser jovem e aproveitar as oportunidades, simplesmente não se importando com as consequências por um dia ou dois. É muito fácil ser legal quando se pode presentear os amigos e pagar 30 golpes pra entrar numa festa ridícula, que só lhe dará dor de cabeça, mas na qual você vai porque o grupinho do qual você participa estará lá. É facílimo ser legal quando alguém lhe convida pra ir ao cinema e você nem precisa ponderar se, caso for, terá ou não o que comer durante a semana. É muito fácil ser legal quando todas as suas contas estão em dia, quando não estão na iminência de cortar seu telefone, sua internet e sua luz apenas porque você teve de fazer uma escolha entre ir à faculdade ou pagar as contas. É muito fácil ser legal quando se pode sustentar um padrãozinho classe média (baixa, alta, a escolha é sua) e ainda reclamar porque "olha o preço do temaki". Porque você é legal. Você vai reclamar, mas terá condições de pagar sem que isso lhe prive de necessidades básicas. Você é legal. Você pode fazer dietas, você pode ir à lancherias, você pode comer comida japonesa uma vez por semana porque pode escolher o que comer. E ter o poder de escolha da própria alimentação é privilégio pra poucos. Mas é muito fácil ser legal quando se pode dizer sim pra os convites, pras comemorações, pras viagens, quando não se tem de ponderar se terá condições de sobreviver amanhã porque tudo o que você comeu o dia inteiro foi um pedaço de pão com uma mortadela de aparência duvidosa que estava na geladeira. É muito fácil ser legal quando não se é tão pobre que mal consegue se concentrar em seus estudos porque o peso da existência e da responsabilidade lhe cai como uma bigorna na cabeça. Mas você sabe que precisa estudar se quiser ainda ter uma chance, por mínima que seja, de conseguir construir uma realidade melhor do que a de seus pais. 

É tão fácil ser legal quando você consegue aquele emprego bacana mesmo que você não tenha se esforçado para tal, não possua um grande currículo nem nada do tipo, mas tenha indicação de gente tão legal quanto você e uma aparência bem cuidada de quem pode comprar roupas boas, ir ao cabeleireiro, ao dentista e à manicure. 

É muito fácil ser legal quando não se é responsável por dar um jeito na situação caótica da sua família, quando não se é a última esperança de todos. 

É muito fácil ser legal quando você nunca teve de fazer a escolha entre continuar estudando ou arranjar um trabalho em período integral pra poder comer. 

É muito fácil ser legal. 
Não sei do que tanto reclamam. 

~grupinho do amô pra gente se apoiar durante o BEDA~

27 agosto 2016

Por que eu não lido com o calor

Final de agosto e fez 34°C em Porto Alegre. 

Minhas coxas estão em relevo por conta de assaduras do calor. 
Minha pressão baixou. 
Dormi lendo - um belo eufemismo para dizer que DESMAIEI. 
Fui umas 8 vezes no banheiro por conta de tanta água que tive de tomar pra não desidratar. 

E as pessoas comemorando o fato de que está quente. 


O verão nem chegou e eu já estou querendo entrar em coma até o frio voltar. Vejam bem a alegria que me aguarda nos próximos meses. 

~grupinho do amô pra gente se apoiar durante o BEDA~
»